Richa assina acordo com Japão para atração de novas empresas | Fábio Campana

Richa assina acordo
com Japão para atração
de novas empresas

Com o objetivo de atrair novas empresas para o Estado, o Governo do Paraná fez contato com mais de 300 indústrias japonesas para apresentar aos empresários as vantagens de investir no Paraná. Essa aproximação com o país asiático foi formalizado nesta quinta-feira (06), com a assinatura de um acordo de cooperação entre o governo estadual e a Câmara de Comércio e Indústria Brasil Japão do Paraná. O acordo foi assinado pelo governador Beto Richa e pelo presidente da Câmara, Yoshiaki Oshiro, em solenidade realizada no Palácio Iguaçu, em Curitiba, com a presença do cônsul do Japão em Curitiba, Yoshio Uchiyama.

Além disso, o documento define outras parcerias para áreas que possuam potencial econômico, social, acadêmico, científico e cultural. A negociação é feita pela Agência Paraná de Desenvolvimento. “O Japão é uma grande nação, que detém muito conhecimento a ser compartilhado. Temos interesse de ampliar nossas relações para contribuir com o desenvolvimento do Paraná”, afirmou o governador.

Richa lembrou que, em três anos, os investimentos privados atraídos pelo Estado somam R$ 26 bilhões, com potencial para criação de 150 mil empregos diretos e indiretos. Sendo que 75% estão no interior. “Hoje, o Paraná é administrado com respeito, diálogo, segurança jurídica e com investimentos em infraestrutura. Precisamos aproveitar esse ambiente propício para negócios e trazer empresas japonesas”, afirmou.

O governador destacou que, em 2013, o PIB paranaense cresceu 4,8%, o dobro do crescimento do PIB nacional. O Estado ficou entre os três estados que mais criaram empregos com carteira assinada. “Vivemos um momento histórico, com grandes investimentos industriais e criação de milhares de novos empregos em todos os setores”, disse ele.

NOVOS INVESTIMENTOS – Assinado, também, pelo diretor-presidente da Agência Paraná de Desenvolvimento, Carlos Alberto Gloger, e o secretário estadual do Planejamento e Coordenação Geral, Cassio Taniguchi, o termo de cooperação entre o governo estadual e a Câmara de Comércio e Indústria Brasil Japão do Paraná tem validade de quatro anos e prevê acordos para mediação de novos investimentos, troca de tecnologia, suporte no atendimento a comitivas e promoção de convênios para o intercâmbio de projetos, recursos profissionais. O convênio prevê parcerias para desburocratizar as exportações do Paraná para o Japão de carne, soja e frango.

Outra parceria, que já está avançada, é entre a Universidade Federal Tecnologia de Londrina com a Universidade de Nagano, para a construção, em Londrina, de um centro de tecnologias médicas. Empresas do setor devem se instalar na cidade para fabricação de modernos equipamentos de saúde. “Queremos ampliar as parcerias com menos burocracia. Temos no Japão algumas empresas que ainda não conheciam o Paraná. Nosso objetivo é trazer o Japão para o Brasil e levar Brasil para o Japão”, afirmou Yoshiaki Oshiro. Ele disse que em junho virão conhecer o estado 51 empresas japonesas dos setores de saúde, meio ambiente, energia e transporte.

“As empresas sabem que o Paraná é celeiro na fabricação de automóveis e que esse setor tem muito a crescer”, disse Oshiro. Ele explicou que na China existem 22 mil empresas japonesas e outras 12 mil na Coreia do Sul. “Em compensação, no Brasil temos apenas 478 empresas. Esse é um problema que precisa ser corrigido. Temos uma longa história cultural e econômica entre os países”, afirmou.

Carlos Alberto Gloger, diretor-presidente da Agência Paraná de Desenvolvimento, explica que a função do órgão é atuar na atração de novos investimentos para o Estado e também apoiar empresas já existentes por meio de convênios e parcerias comerciais. Assim como o Japão, contatos já foram feitos com a Índia, EUA, Alemanha e Sérvia. “Para nós essa relação é importante para abrir portas e manter contatos no exterior para gerar empregos e riquezas no Paraná”, avaliou.


3 comentários

  1. zangado
    quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014 – 18:43 hs

    Isso é rotineiro, mais por interesse de manutenção da colônia japonesa do que por iniciativa do governo ou de qualquer governo anterior.

    Os japoneses são trabalhadores, zelam pela iniciativa privada e pela discrição, fazem as gentilezas de praxe e vão trabalhar.

  2. tadeu rocha
    sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014 – 9:28 hs

    PARABENS GOVERNADOR O PARANA´ PRESIZA SIM DE EMPRESAS SERIAS PARA GERAR EMPREGOS.HOJE NO BLOG DO ESMAEL DIS ASSIM……GLEISI,SOBRE OS CALOTES NO GOVERNO DE RICHA,,A RESPOSTA FOI A MAIOR DE 2014 DA GLEISI DIS ELA DOI NA ALMA, EX MINISTRA ,,,,,DOI NA ALMA FOI O MENSALAO,,,,DOI NA ALMA DESSA MULTA QUE ELES RECEBERAM….DOI NA ALMA QUE ESTAO SOLTO…. DOI NA ALMA O SEU EX ACESSOR QUE FEZ COM AQUELAS MOÇAS. TUDO ISSO DOI NA ALMA DOS PARANAENSE EU ACHO DO BRASILEIROS.

  3. Elton
    sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014 – 21:17 hs

    PRESIZA? O que esperar do comentário de um analfabeto como esse tadeu rocha?
    O cara acha que vai ser levado a sério? Como se não bastasse ser um puxa saco!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*