"Minha casa, meu fim de mundo" | Fábio Campana

“Minha casa, meu
fim de mundo”

“Sempre chamo esse programa Minha Casa Minha Vida de Minha Casa Meu Fim de Mundo”. A frase é de Jaime Lerner sobre o programa do governo do PT para a criação de moradias populares que empurra os mais pobres para a periferia das cidades.


22 comentários

  1. Paulo
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 14:50 hs

    Esse programa é na verdade um grande ESQUEMÃO para desviar recursos públicos. Reúnem-se uns espertalhões (geralmente petistas ou puxa-sacos de), pega-se financiamento da CEF, faz-se casebres de baixíssima qualidade, com superfaturamento de no mínimo 200%, que são vendidos para os incautos, geralmente pessoas humildes, que na sua maioria em poucos meses se tornam inadimplentes. Todo programa, REPITO, não resiste um segundo a uma análise mas honesta. Porém, temos algum órgão isento neste País? Cadê o MP, TCU, etc., continuarão a fazer CARA DE PAISAGEM?!!!!!

  2. sergio silvestre
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 15:13 hs

    Para onde foram os pobres de Curitiba quando aquela propaganda de que a cidade era a melhor do mundo e que a qualidade de vida era de uma Londres.
    O que a gente ve na capital são duas cidades distintas a segurança do povo que vive nos condominios fechados e predios inteligentes e os 95% da população classe media baixa e pobres que vivem pendurados em barracos sem o minimo de extrutura e convivendo com buracos e bandidos.
    Existe uma coisa que politicos jamais deveriam prometer porque quando o fazem mentem.
    Dar educação ,saude e segurança é sempre o carro chefe de campanhas,mas é tudo mentira.
    Seria mais que natural se não fosse o povo lutar com seus esforços para obter saude,educação e segurança,mas os politicos as vezes até atrapalham com suas medidas e sua burrocracia.
    No caso do programa minha casa minha vida,aquele que tem idéias melhores que saia do seu bunker e venha até a planicie expor suas idéias.
    Não aquelas de jerico como as Vilas rurais onde ai sim seria colocado num naco de terreno onde ele simplismente não consegue produzir nada e ai é preciso ir comprando os lotes vizinhos para formar um sitio.
    Louva se ao Lerner o planejamento central da capital mas tambem o inchaço que foi acometido no seu governo,e hoje a violencia campea solta em Curitiba por causa disso,

  3. jr
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 15:55 hs

    Esse sr. não sabe o que fala, tem dinheiro, e nunca se preocupou com os menos abastados.
    Não serve nem para sindico de prédio.
    Na minha concepção é um parasita da sociedade.

  4. engenheiro curitibano
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 17:33 hs

    Tem razão o urbanista e ex-prefeito Jaime Lerner. Seria muito mais inteligente o governo destinar os centenas de imóveis desocupados nos centro das cidades (veja São Paulo, e Curitiba em menos escala) para habitação popular. Já existe toda a infraestrutura e, além do mais, serviria como uma estratégia para revitalizar os centros urbanos que, sem moradias, ficam desertos e perigosos à noite e nos finais de semana. Nos Estados Unidos há um programa semelhante, de enorme sucesso, denominado “inner city”. Precisamos de gestores inteligentes!

  5. antonio carlos
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 18:15 hs

    Mas o velho mestre queria o quê? Pobre sempre morou em periferia. Nada mais consequente do que continuar morando na periferia.

  6. Rock
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 18:44 hs

    Quem sabe ele quer doar alguns de seus imóveis no centro para o povo não ir para a periferia.

  7. joao
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 20:10 hs

    quando se faz crítica, antes porém deveria fazer uma proposta de habitação popular, com preço e custos do PMCMV.
    O governo está aberto para algo que seja melhor, falar até papagaio fala.
    Moradia digna por tão pouco nunca existiu, e o governo PT está de parabens por isso. Consequentemente, irá reeleger a DILMA.

  8. joao
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 20:15 hs

    Os pobres já estão na periferia, em areas de app, 200 areas irregulares que os governos passados tiveram dificuldade de resolver, inclusive o governo Lerner. Deveriamos aplaudir a iniciativa petista e dar moradia digna aos sem teto.
    O Jaime como renomado arquiteto : QUAL A SUA PROPOSTA?

  9. Olegário Rocha
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 20:35 hs

    “Pedágios Extorquintes”. É muita audácia desse sr. Jaime Lerner, donde, sem legitimidade, querer ironizar o programa de moradia do governo federal (‘a hostilizar os seus condôminos’). Ao passo que, longe de comparar-se com tamanha perversidão timocrática instalada no Estado do Paraná, quando ocorreu todo tipo de desmando em sua catastrófica gestão à frente do governo estadual, tais como: a venda do Banestado, instalação dos Pedágios, dentre outros…

  10. Frederico Martins filho
    domingo, 2 de fevereiro de 2014 – 21:59 hs

    Igual aos seus projetos com os sem terras

  11. toninho
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 10:39 hs

    Fábio

    Seria interessante o Sr. Jaime Lerner indicar onde construir as casas dos pobres.
    abraço

    Toninho

  12. Magaiver
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 10:46 hs

    É …. ele é longe, pois só criou moradias pra rico,como : Champagnat, Ecoville, Jardim Botanico… !!

  13. Lori
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 11:55 hs

    seria mais coerente ele dizer: Meu pedágio, meu fim de mundo…

  14. fiscal de realeza
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 11:59 hs

    quem sabe esse palhaço queria que fizesse casas populares bem no centro de curitiba la na rui barbosa na dr murici cala a boca vagabundo voce quebrou o parana entao suma seu covarde mentiroso

  15. everaldo
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 13:02 hs

    E eu chamo o tubo do biarticulado na frente do meu prédio “de meu tubo meu microondas” visto que houve falha no projeto ao não prever amenização de altas temperaturas, normais em épocas de calor mais intenso.

  16. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 13:27 hs

    -Beleza então, vamos perguntar ao nobre arquiteto, como se farão moradias populares com preços convidativos??? Sabemos que os terrenos entorno dos centros são de propriedade das famílias tradicionais de Curitiba e de outras cidades e somente vendem os mesmos para grandes construtoras onde os menos afortunados sequer podem comprar um imóvel destes….só resta as regiões metropolitanas e os bairros mais distantes!!!
    -Concordo que este programas MCMV deveria obedecer padrões mínimos de áreas de ambientes e com mais qualidade nas edificações….
    -Hoje em dia com o aquecimento da construção civil, qualquer pessoa sem a mínima qualificação profissional em engenharia civil, pode abrir uma construtora e sair por aí fazendo obras. Contratam um engenheiro recém formado pagando uma miséria e fica tudo numa boa…o CREA e outros órgãos não argumentam nada à respeito. Isto não acontece por exemplo na área médica, odontológia ou até mesmo farmacêutica, onde paraquedistas não se criam….

  17. duda
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 13:38 hs

    Que tal empurrar a pobretada para o Batel ou Juvevê, do ladinho do Jaime. Ah, desculpe, o Lerner mora em Nova York. È…vai ter que empurrar pra longe mesmo.

  18. segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 18:18 hs

    O roto falando do maltrapilho.

  19. wagner
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 18:28 hs

    Gostaria de saber qual é o plano de governo do Lerner cara de pau

  20. Celso Jose da Silva
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 18:38 hs

    Esse Sr. deveria é ter vergonha na cara e nunca mais aparecer na midia, não sou Petista….mas esse cara acabou com o Paraná….

  21. Dona Alemã
    segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014 – 19:54 hs

    Ele só conhece os bairros que fez: Champagnat , Jardim Botânico, Ecoville … coisa de rico .

  22. everaldo
    terça-feira, 4 de fevereiro de 2014 – 18:32 hs

    kkkkkk…viajou geral….o engenheiro curitibano deveria se mudar para o Uruguay….bonito na teoria, convence a turma da especulação imobiliária, kkkkk

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*