Mãe do AI-5 | Fábio Campana

Mãe do AI-5

“Ao propor amordaçar os trabalhadores com a Lei Antimanifestação, Dilma deixa de ser a mãe do PAC para ser a mãe do AI-5 versão 2.”

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, sobre projeto de lei do governo para punir excessos em manifestações.


7 comentários

  1. Zezinho Detal
    terça-feira, 18 de fevereiro de 2014 – 17:56 hs

    Concordo com o Sr. Miguel !

  2. LUIZ
    terça-feira, 18 de fevereiro de 2014 – 20:30 hs

    De pouquinho em pouquinho, o PT vai transformando o Brasil numa Venezuela ou Cuba!!!!! Ou o brasileiro resolve isso nessa eleição ou a coisa vai ficar ruim!!!!

  3. Caito
    terça-feira, 18 de fevereiro de 2014 – 23:25 hs

    É triste ver que um presidente de sindicato que represente trabalhadores, seja defensor da continuidade de vandalismos, destruição e mortes em ações de vandalismos nas manifestações populares. Seguramente não corresponde ao anseio de sua próprios classe.

  4. sergio silvestre
    quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014 – 8:49 hs

    Sindicalistas todos milionários e palpitosos.
    Que escória.

  5. antonio carlos
    quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014 – 13:19 hs

    A Lei Antimanifestação não seria ruim se ela só permitisse manifestações chapa branca. Como a coisa se descontrolou e, os patrocinados de ontem se rebelaram, o negócio é prevenir para não ter que remediar amanhã, melhor ficar sem manifestação chapa branca do que aguentar protestos como os de Kiev e da Venezuela.

  6. EVERALDO
    quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014 – 14:07 hs

    è a edição do AI-6! Lei antiterror, lei que disciplina manifestação…ironia pura nos 50 anos de triste memória do golpe militar!sou obrigado a parafrasear a frase do Holanda Cavalcanti que o requião tanto usa: “‘Nada mais parecido com um saquarema que um luzia no poder’

  7. EVERALDO
    quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014 – 16:42 hs

    O problema maior me parece ser o retrocesso democrático que está em curso caso venha a ser aprovado o projeto governamental que visa regulamentar as manifestações. Coibir mascarados e a violência o arcabouço legal e institucional brasileiro já dispõem dos meios e instrumentos para tanto, basta usá-los. A lei antiterror e essa proposição que o governo está elaborando me parece uma resposta oportunista a comoção nacional criada em torno do lamentável assassinato do cinegrafista Santiago! Afinal estamos em ano de Copa e principalmente de eleição e existe a necessidade de satisfazer a patuleia, especialmente a mais aquinhoada!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*