Gleisi afronta Barbosa | Fábio Campana

Gleisi afronta Barbosa

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) rebateu o presidente do STF, Joaquim Barbosa, pelas declarações a respeito da mudança no resultado do julgamento do mensalão para o crime de formação de quadrilha. Gleisi disse que Barbosa está colocando sob suspeita a escolha dos ministros do STF. “Quero lamentar as palavras do presidente na nossa Corte Suprema, Joaquim Barbosa, que, por divergir do resultado do julgamento, colocando em dúvida todo o processo de escolha dos ministros do STF e a respeitabilidade de grandes nomes do mundo jurídico, abre mão, naquela Corte, da argumentação jurídica e técnica para insinuar que o processo de escolha carece de seriedade e responsabilidade. Estaria também sua indicação sujeita a suspeição?”, questionou. As informações são d’O Globo.

“O processo de escolha dos membros do STF é constitucional e vale para todos, está consolidado na história da República. Lamento que o presidente, resultado de processo semelhante, sugira trama conspiratória do Poder Executivo e Legislativo para indicação do Supremo Tribunal Federal e de outras cortes de justiça do país. É um dia triste, sim, para a democracia brasileira, as declarações do presidente do Supremo Tribunal Federal”, completou.

A fala da senadora veio para rebater as declarações de Joaquim Barbosa nesta quinta-feira. Mais cedo, o presidente da Corte afirmou ser uma “tarde triste” para o tribunal e apontou que a nova maioria do Supremo agiu com o “objetivo de anular, de reduzir a nada, o trabalho que fora feito”. Sobre a mudança na decisão, Gleisi afirmou que não deve ser questionada. “Decisão do Supremo não cabe ser questionada, cabe apenas respeitarmos. O que lamento são as palavras do presidente do Supremo, que está colocando sob dúvida também essa Casa, o Senado, que participa do processo de nomeação dos ministros. Não podemos aceitar tais ilações. Lamento muito que o presidente de um poder tenha esse comportamento”, disse


4 comentários

  1. sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 – 20:25 hs

    Comentário não é aceito pórque vcs querem só opiniões favoráveis?

  2. Renato Pereira
    sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 – 21:41 hs

    Neste julgamento do mensalão é possível constatar erros grosseiros de aplicação da lei penal. Um estudante do curso de Direito, com um pouco mais de conhecimento, pôde verificar isto. E na última sessão do STF, em que algumas penas foram reformadas, também é possível constatar o mesmo.
    Se o conhecimento de regras jurídicas que a senadora tem for o mesmo de administração pública, ficará difícil acreditar que fará uma boa administração se for eleita governadora.

  3. Anecildo Felicio
    sábado, 1 de março de 2014 – 14:16 hs

    Nas próximas eleições vou lembrar dessa mulher e o que ela está fazendo pelo Brasil, pelo Paraná. O marido dela junto com a Dilma, e o PT está acabando com os Correios, Petrobras, com o Brasil. É uma pena que muitos ainda acreditem nessas pessoas!!

  4. silva
    segunda-feira, 3 de março de 2014 – 23:14 hs

    “O que guiou o voto de V. Exa.?

    Ministro Roberto Barroso – A tese central do meu voto foi a seguinte: mantida a proporcionalidade mínima exigível entre a pena de quadrilha e as penas aplicadas aos demais crimes, a pena por quadrilha jamais poderia exceder 2 anos. Portanto, independentemente de qualquer juízo sobre condenação ou absolvição, a punibilidade já estaria extinta. Por essa razão, a prescrição se colocava como uma preliminar de mérito. Teori Zavascky seguiu a mesma linha. Nem todo mundo entendeu. Paciência.” – Trecho de entrevista com o Minsitro Barroso – 28/2/2014

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*