Dilma quer repassar 'conta' de R$ 600 mi de aeroportos ao PR | Fábio Campana

Dilma quer repassar ‘conta’ de R$ 600 mi de aeroportos ao PR

O aeroporto de São José dos Pinhais e os 14 aeroportos regionais podem ser as próximas bombas que o governo federal vai querer jogar no colo do governador Beto Richa. A União quer repassar ao Paraná uma conta de mais de R$ 600 milhões em investimentos aeroportuário. O caso mais grave é no aeroporto Afonso Pena. O Estado já desembolsou mais de R$ 127 milhões em desapropriações, que permitem a construção de uma pista com mais de 3 quilômetros – tamanho, de acordo com especialistas em aviações, suficiente para aterrissar e decolar aviões cargueiros de carros ou de maquinário, atendendo grandes empresas como a Renault.

No entanto, a União quer que o Paraná gaste quase R$ 500 milhões em desapropriações (veja o mapa), incluindo o contorno Leste de Curitiba, o que implicaria na construção de um novo contorno pelo Estado. Sem contar as interrupções de importantes avenidas de São José dos Pinhais, como a Rui Barbosa. Este investimento em desapropriações supera o investimento de modernização do Afonso Pena, que soma R$ 350 milhões.

As equipes técnicas do Governo Paraná já tentaram demover a Infraero desta proposta. Tiveram conversas com a superintendência local e com a direção nacional. Nem mesmo o ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, quis enfrentar o problema. Apesar de já ter investido R$ 127 milhões no Afonso Pena e mais R$ 30 milhões nos aeroportos de Londrina e Foz do Iguaçu, ambos da Infraero, o Paraná quer que agora a estatal federal repasse o dinheiro de desapropriação, como fez no Ceará, Bahia e Rio Grande do Sul.

A outra bomba é com relação aos aeroportos regionais. A Infraero inflou os números de movimentação de aeroportos, por exemplo, o de Paranaguá. Dados da Infraero indicam que passam por este aeroporto mais de um milhão de pessoas por ano, movimentação similar ao do aeroporto de Londrina, que é o terceiro maior do Paraná. O número da atual contagem em Paranaguá é de menos de 100 mil pessoas por ano.

Com um levantamento superestimado, a Infraero, em parceria com o Banco do Brasil, vai solicitar as desapropriações de diversas áreas ao redor dos aeroportos regionais, cuja estimativas primárias apontam em mais de R$ 100 milhões. O caso que mais chama atenção é do aeroporto de Toledo, que hoje opera em regime de comodato em uma área particular. A Infraero já aponta este aeroporto como prioritário, mas segundo legislação federal, a União não pode investir em áreas particulares, a não ser que o Estado desaproprie a área e doe à União.


10 comentários

  1. Luiz
    quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014 – 20:23 hs

    Fala pra ela que aqui é Cuba, que ela manda todo o dinheiro.

  2. FUI !!!
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 5:02 hs

    Realmente esta Presidenta está de marcação com o Paraná.
    A digníssima tem dinheiro suficiente para custear um Porto em
    Cuba mas não tem dinheiro para o nosso Paraná !?
    Se quer andar na contramão que ande de bicicleta e não atrapalhe.
    Case com Raul Castro !!!

  3. vera
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 7:37 hs

    Isto só vem comprovar a perseguição e a forma discriminatória que o PT tratas os paranaenses. Fora PT.

  4. Zé Deodoro de Piraquara
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 9:18 hs

    A ANAC fechou completamente o aeroporto clandestino de Piraquara. A paz sonora voltou para Piraquara com o fim do intenso tráfego aéreo de helicópteros na região da Planta Deodoro e da Vila Suburbana. Agora cabe ao IAP cumprir a sua parte que é a reparação ao dano ambiental na APA do Iraí, especialmente no que diz respeito ao lençol freático, que vaza incessantemente, desde as escavações feitas para a construção da trincheira que iria desviar o tráfego de veículos da estrada municipal por debaixo da pista.

  5. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 9:34 hs

    E preparem-se pequenas e micro empresas cadastradas no Simples Nacional…o fumo é bitelão, simples e nacionalmente arrombatório.

  6. ORLANDO PESSUTI
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 10:14 hs

    em 2009 e 2010, quando fizemos todas as tratativas com a INFRAERO, MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, MINISTÉRIO DA DEFESA, PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS, etc.etc… o montante de dinheiro que o Estado do Paraná deveria investir em desapropriações era em torno de R$ 80 milhões.. É a mesma história com a construção do Estádio ARENA DA BAIXADA, onde o valor dos recursos necessários e que foram ajustados/acordados era de R$135milhões e agora tá beirando os R$400 milhões.

  7. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 10:52 hs

    Pobres coitados dos desapropriados, se o ente expropriador for o estado. Mal consegue pagar a dívida corrente, quanto mais desapropriações. É só olhar a fila de credores de precatórios relativos à desapropriações que superam bilhão. Os tataranetos vão receber, enquanto os desapropriados vão morar debaixo da ponte.

  8. Candidato de direita
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 10:57 hs

    Nem Guarulhos, o aeroporto com maior movimentação de carga do Brasil, possui 4km de pista… porquê agora o PT quer entubar esse investimento no Paraná?

  9. QUESTIONADOR
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 12:36 hs

    -E se bobear o Beto Richa assume a paternidade….

  10. luiz antonio
    quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014 – 16:36 hs

    Paraná: muda de nome: Cuba do Sul ou Bolívia Oriental.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*