Metrô e a valeta que mata | Fábio Campana

Metrô e a valeta que mata

Do Luiz Geraldo Mazza, Folha de Londrina:

Enquanto Fruet tratava no Ippuc do metrô de Curitiba, na Região Metropolitana prestavam homenagens póstumas à menina que morreu ao cair numa valeta. Na terra em que as valetas matam nas enxurradas dá-se mais um exemplo de prioridade Fifa.


6 comentários

  1. salete cesconento de arruda
    sexta-feira, 10 de janeiro de 2014 – 20:01 hs

    Era uma vez…
    Um político levava uns tais de CENTROS SOCIAIS URBANOS para a periferia de Curitiba. Logo os tais CSU eram depredados pela própria comunidade. Elefante branco como se diz na gíria que não gera identificação com quem precisa de serviços públicos. Não acho que seja o caso do metrô. Mas a verdade é que ao se concentrar no metrô parece que Gustava esquece da principal lição do Maurício: atende primeiro o cidadão em suas necessidades imediatas. No caso, na época, o que o Cajuru precisa urgente era que recolhessem os cachorros abandonados.
    Eram tantos!
    O tempo passa e vem aí o metrô. E nós MORRENDO pelo BARULHO GERADO por erro do poder público.
    Assim caminha a humanidade.
    SEMPRE CORRENDO ATRÁS DO RABO DO MACACO ARANHA!
    Pois.
    Em tempo: as garotas de Beltrão não gostam mais de mim…
    Será tudo o que dizem Fábio? Ai! Ai! De novo? Assim não dá. Assim não pode ser. Tem gente precisando aprender a usar camisinha. E as doenças? Se fosse só gravidez…. Cacete!

  2. joao
    sábado, 11 de janeiro de 2014 – 9:41 hs

    Estão disponível 1,2 bilhão de reais para programas contra enchentes.
    O Paraná poderá deixar de ter parte nesta fatia por questão de projetos. O que de fato há sr. mazza é a incompetência dos administradores públicos são sempre os mesmos entra ano, sai ano.
    Qual político deixou o cargo público por improbidade administrativa ou incapacidade de exercer o cargo????
    Temos de fiscalizar. Há uma enorme cratera na leonardo krachinski, (boa vista) e já está fazendo aniversário. Quando ocorrer um acidente, aí, a imprensa irá se manifestar.
    A imprensa independente deveria contratar auditoria para de fato comprovar a real situação em que deixaram a PREFEITURA DE CURITIBA nos quase 30 anos do regime Beto/Luciano/Cassio.

  3. roberto
    sábado, 11 de janeiro de 2014 – 11:02 hs

    É meu amigo Mazza,não podemos esperar o mìnimo de coerência em um govêrno de autoridade relativa com uma equipe de nìvel mediana.Como exemplo vejam o caso desse ìtem de prioridade FIFA,o Metrô de Curitiba, cujo o govêrno municipal de plantão não sabe o que fazer, como fazer e a onde fazer.

  4. Josué da Silva Bastos
    sábado, 11 de janeiro de 2014 – 11:10 hs

    È no mínimo ingênuo quem faz tais comparações, parece desconhecer princípios básicos da vida humana. Crianças foram feitas para serem cuidadas. Hoje nos jornais está exposto mais uma vitima do descuido: uma criança cai do 13º andar de um prédio em São Paulo. A valeta e o prédio sem tela de proteção oferecem o mesmo risco. Já a valeta corrige o alagamento permanente da casa que não deveria estar nesse local mas está e a solução e abrir valeta para secar o solo. Ou, seja este senhor que fez a comparação com o metro parece que não aprendeu nada com a vida. Exemplificando: o dono da casa da valeta pode ter um emprego nas obras do metro e ter a chance de mudar de local e de vida para sempre.

  5. Pedreiro
    sábado, 11 de janeiro de 2014 – 14:08 hs

    Nesta o grande Mazza derrapou!
    Valeta na Região Metropolitana é problema da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano que também deveria assumir a construção e o gerenciamento do futuro Metro que não será só de Curitiba.
    Se for pra falar mal do Fruet, diz que ele é careca, feio, mal assessorado, etc jogar na conta dele, valeta e Fifa não combina com o Mazza defensor do contraditório,
    Combina com cooptado.
    Mas ai não seria o Mazza!
    Eu espero!

  6. domingo, 12 de janeiro de 2014 – 22:22 hs

    Curitiba está infestada de pernilongos neste verao. Estao adorando os matagais que cobrem a cidade modelo. Ate no centro da cidade, exemplo, visconde de guarapuava, o mato inavde os canteiros, outrora, tao bem cuidados…
    E nos bairros entao? Ta uma cidade ” cabeluda”
    Se nao conseguem fazer roçada, sera que vao saber fazer metro???
    Quero o DUCCI de voltaaaaaaa!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*