Foz faz plano de arborização da cidade | Fábio Campana

Foz faz plano de arborização da cidade

A Terra das Cataratas é considerada uma das cidades mais quentes do estado e por isso arborização tem grande importância na qualidade de vida dos cidadãos. Não só por ajudar a aliviar o calor, mas também por benefícios como diminuição de poluição atmosférica e sonora, contra ação de ventos e também melhorando a saúde física e mental da população. De olho no futuro e nessas necessidades a Secretaria Municipal de Meio Ambiente lançou edital de licitação para a contratação de empresa para elaboração do Plano Municipal de Arborização Urbana. A abertura dos envelopes será no dia 3 de fevereiro. Os interessados podem requerer o edital por meio do e-mail: crispina.cfn@pmfi.pr.gov.br .

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, João Matkievicz, a estimativa é que o município possua cerca de 600 mil árvores espalhadas pelas ruas e avenidas de toda a cidade e seria necessário fazer o plantio de outras 80 mil, nos lugares que faltam ou em substituição as que devem ser retiradas. “Esse número é uma estimativa, e esperamos com a elaboração desse plano de arborização, saber com exatidão, não só o número de árvores existentes, mas também quais são as espécies, as condições fitossanitárias dessas plantas, a vida útil e também os riscos que oferecem. A empresa vencedora deverá nos fornecer todos esses dados para podermos planejar a arborização. A necessidade desse projeto já está previsto na lei de zoneamento municipal numa resolução do Conselho Municipal de Meio Ambiente”, destaca o Secretário.

Na área central o diagnóstico será feito por geoprocessamento, por meio de satélite; já nos bairros, o trabalho será por amostragem. A previsão é que a pesquisa seja concluída em seis meses, para que se possa fazer o planejamento e a substituição gradativa das espécies que não são adequadas para a arborização urbana ou que estão comprometidas por causa da altura, idade, podas que deixam galhos oferecendo riscos. A intenção é deixar a cidade arborizada dentro das determinações da lei que prevê uma distância de dez metros entre cada planta. As árvores em frente às residências e comércio, não podem atrapalhar o passeio público respeitando uma metragem antes de serem plantadas na área de calçada.

A retirada e substituição das árvores terá como prioridade as que oferecem perigo para a rede elétrica, com a possibilidade de quedas de galhos sobre a fiação. Tem ainda as que estão velhas e sem condições fitossanitárias. A Secretaria de Meio Ambiente pretende por meio de mudas de espécies como por exemplo ipê e pata de vaca, entre outras, fazer uma arborização que se ajuste às condições climáticas , ao espaço físico, valorize o paisagismo e aspecto ecológico, seguindo as características físicas da cidade, que é conhecida pelo verde das árvores e suas sombras.


Um comentário

  1. salete cesconento de arruda
    quinta-feira, 9 de janeiro de 2014 – 12:35 hs

    E Curitiba destrói árvores, praças….
    Poda?
    Imagine!
    Árvores secas?
    Ninguém viu.
    Ninguém vê.
    Foram mortas.
    Assassinadas pelas serras do cara do filme.
    Pois é.
    Já o silêncio vem sendo precariamente garantido pela funcionária mais querida do Angeloni VALDIRENE.
    Viva a VALDIRENE.
    Enquanto a PMC não faz o dever de casa a gente vai contando com as pessoas que ainda trazem no coração o que se chama de VALORES HUMANOS!
    Aguardando…
    Logo, logo…. completa um ANO!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*