Beto Richa libera R$ 815 milhões e garante o 13.º | Fábio Campana

Beto Richa libera R$ 815
milhões e garante o 13.º

Richa assina com o Banco Mundial liberação de financiamento internacional e assegura o pagamento do salário extra do funcionalismo na próxima sexta-feira

Via Gazeta do Povo

Em meio às dificuldades para o pagamento de fornecedores do estado, o governador Beto Richa (PSDB) garantiu ontem que o 13.º salário dos servidores está garantido para a próxima sexta-feira, dia 20. Richa disse que os problemas orçamentários estão “equacionados” e que todos os pagamentos vão estar regularizados a partir de 2014. O alívio no caixa será ampliado com a liberação do empréstimo de US$ 350 milhões (R$ 815 milhões) do Banco Mundial ao Paraná, assinado ontem em Brasília.

“O problema nosso é momentâneo. Passou o 13.º, em janeiro é vida nova”, declarou o governador. Nas últimas semanas, carros da polícia ficaram parados em oficinas por falta de pagamento, ambulâncias do Siate deixaram de circular por falta de combustível e houve atrasos no repasse de subsídio de transporte coletivo da região metropolitana de Curitiba.

A preocupação com o pagamento do salário extra dos funcionários é antiga: em julho, o secretário da Casa Civil, Reinhold Stephanes, confirmou que o contingenciamento de R$ 1,1 bilhão anunciado na época era uma forma de se preparar para o desembolso do 13.º.

“Não tinha dinheiro separado para o 13.º até o mês passado”, admitiu Richa. Segundo ele, a dificuldade aumentou com a diminuição dos repasses federais. “Nossa folha salarial é de aproximadamente R$ 1 bilhão. Em dezembro, são duas. Para quem perdeu R$ 1,5 bilhão em receitas da União, como é que faz?”

Alívio de caixa

De acordo com o governador, cerca de 20% do total do empréstimo do Banco Mundial assinado ontem será um reembolso de investimentos que já foram feitos pelo estado. Com isso, aproximadamente R$ 160 milhões ajudariam a aliviar o caixa. Pelo acordo com o Banco Mundial, os recursos precisam ser aplicados nas áreas de educação, saúde, agricultura e meio ambiente – com prioridade nas ações em municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

A primeira parcela do financiamento é de US$ 50 milhões (R$ 116 milhões). O recebimento das parcelas seguintes, no entanto, depende da comprovação das metas estabelecidas no contrato. Na educação, por exemplo, um dos objetivos é a reforma, ampliação e construção de 340 prédios escolares e a compra de equipamentos e mobiliário para 800 escolas.

“Eu vinha procurando o Banco Mundial mesmo antes de tomar posse, vendo os modelos de empréstimos que poderíamos conseguir”, disse Richa, que ressaltou o caráter “social” das regras do financiamento. Pelos termos do contrato, o prazo para pagamento da dívida é de dez anos, com mais cinco de carência. O juro cobrado é de 1,4% ao ano, e os valores das parcelas são atrelados à cotação do dólar.


8 comentários

  1. Riccardo
    sábado, 14 de dezembro de 2013 – 20:24 hs

    Aparentemente o governador não sabe que antes do primeiro desembolso tem uma serie de condições previas a serem cumpridas e, considerando o tempo médio de cumprimento, antes de meses não será desembolsado nada.

  2. sergio silvestre
    sábado, 14 de dezembro de 2013 – 20:34 hs

    Não é muito certo emprestar dinheiro,pois alguém terá que pagar.
    As tarifas subiram até mais de 10%,o Paraná cresceu,só faltou o governo fazer sua parte.
    Num Pais onde quase a metade vai para pagar impostos,e até imoral governos meter a mão em empréstimos para tocar o estado

  3. Luiz Carlos - londrina
    sábado, 14 de dezembro de 2013 – 20:53 hs

    Muito bom administrador, tomando empréstimo no Banco Mundial (que nós truxas iremos pagar) para liberar o 13º, o cara é bão mesmo Heim?

  4. zangado
    sábado, 14 de dezembro de 2013 – 22:05 hs

    O governo de ocasião conseguiu mais um prazo na UTI da incompetência administrativa e ausência governamental.

    O diabo está nos detalhes, dizem: aqui o detalhe é quem vai pagar a conta do empréstimo.

    Alguma dúvida de que será a sociedade?

    Vida nova para quem, governador?

  5. PEDROCA DO TEXAS
    domingo, 15 de dezembro de 2013 – 9:30 hs

    Não está fazendo nada mais que a obrigação,de pagar o décimo terceiro.Está demionstrado que o Estado está arrebentado,pegando empréstimos para pagar o funcionalismo.Teve o ano inteiro para poupar e fazer caixa e não fez.Quase todas as empresas privadas se planejam e não recorrem a empréstimos.Mostra a incompetência da Gestão Estadual.E o ano próximo tem eleições,E vão fechar as torneiras ? Parar de paparicar prefeitinhos com assinatura de protocolos e intenções de obras ?

  6. Palpiteiro
    domingo, 15 de dezembro de 2013 – 12:04 hs

    É a primeira vez em vinte anos que o 13o. será pago tão tarde…

  7. xiru de palmas
    segunda-feira, 16 de dezembro de 2013 – 8:11 hs

    Alias, na minha visão é a únbica coisa concreta que este governos está fazendo: EMPRESTIMO

  8. LEANDRO LEGRAMANTI
    segunda-feira, 16 de dezembro de 2013 – 11:16 hs

    A irresponsabilidade de Orlando Pessuti no final do mandato de Requião comprometeu a saúde financeira do Estado, ainda mais agravada pela “excelênte” administração do Governo Federal que só pensa na permanência no poder e persegue os Estados que não dominam. Graças a Deus e aos paranaenses temos um governador responsável e decente!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*