Indústria paranaense cresce 13%, segunda melhor marca do País | Fábio Campana

Indústria paranaense cresce 13%, segunda melhor marca do País

A produção industrial no Paraná aumentou 13% em outubro, na comparação com o mesmo mês de 2012, enquanto a média nacional ficou em 0,9%. Foi a segunda melhor taxa do País e a sétima taxa positiva consecutiva. Apenas o Rio Grande do Sul (14,5%) teve desempenho melhor.

As informações são da Pesquisa Industrial Mensal Regional – Produção Física (PIM-PF), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi divulgada nesta terça-feira (10/12). Para a economista Ana Silvia Martins Franco, do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), “as estatísticas revelam consistente recuperação dos níveis da produção fabril do Paraná, desde abril, ao contrário do baixo crescimento registrado pela indústria nacional”.

Segundo a economista, a boa performance paranaense é determinada pela melhora na operação dos principais setores industriais do no Estado, “especialmente o agronegócio – fruto da safra recorde e dos preços ainda elevados no mercado internacional –, a química e petroquímica, a metalmecância e os insumos para a construção civil”.

ATIVIDADES – Dez das quatorze atividades pesquisada tiveram aumento na produção. As principais contribuições vieram dos ramos de edição, impressão (91,7%), com aumento na fabricação de livros, brochuras ou impressos didáticos; veículos automotores (25,3%), impulsionado, sobretudo, pela maior produção de caminhões e caminhão-trator para reboques e semirreboques.

Também contribuíram para o resultado a produção de máquinas e equipamentos (15,3%), especialmente tratores agrícolas, máquinas para colheita, elevadores para o transporte de pessoas, máquinas para trabalhar matéria-prima para fabricar pasta de celulose, partes e peças de refrigeradores e bombas centrífugas. Outras atividades industriais com bons desempenhos foram minerais não metálicos (10,4%); e refino de petróleo e produção de álcool (9%), pela elevação na fabricação de álcool etílico e óleo diesel e outros óleos combustíveis.

COMPARATIVOS – O ritmo de produção, de setembro para outubro, teve expansão de 2,1%, frente variação de 0,6% para o Brasil. “A inversão da curva observada em outubro propiciou a recuperação de parte da perda de 2,7% registrada em setembro”, comenta Ana Sílvia. Onze das 14 atividades pesquisadas mostraram elevação, com destaque para os ramos de edição e impressão, máquinas e equipamentos, produtos de metal, bebidas e madeira.

O índice acumulado nos dez meses do ano mostrou expansão de 5% da indústria paranaense, ante alta de 1,6% para a indústria nacional. Dos 14 setores pesquisados, dez apontaram resultados positivos, com destaque para veículos (16,5%), máquinas e equipamentos (15,1%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (10%); produtos químicos (9,6%); e minerais não-metálicos (7,5%).

No acumulado em 12 meses, encerrados em outubro, a produção industrial paranaense avançou 0,4%, assinalando a primeira taxa positiva desde outubro de 2012 (1,5%) e mantendo a trajetória ascendente iniciada em março.

Os melhores resultados ficaram por conta dos setores de máquinas e equipamentos (12,6%); máquinas aparelhos e materiais elétricos (10,8%); produtos químicos (7,9%); e minerais não metálicos (6,0%).

De acordo com a economista Ana Silvia, o resultado paranaense reflete os primeiros efeitos dos investimentos das empresas que se instalaram no Estado desde o início de 2011, atraídas pelo Programa Paraná Competitivo. “Também colaboram a vitalidade do mercado de trabalho regional e das obras de infraestrutura, em execução pelo governo estadual”, afirma.


5 comentários

  1. carlinhosjp
    terça-feira, 10 de dezembro de 2013 – 20:28 hs

    Este governo está bem assim: “Por fora bela viola, por dentro mulambo só”. Enquanto esse governo incompetente propagandeia que
    a indústria vai bem, que o PIB do estado foi melhor, etc, internamente,
    os funcionarios penam com as incertezas sobre o 13º salário, que até agora não foi anunciado, com um SAS virado em lixo, polícia a ponto de parar por falta de infraestrutura básica para funcionar…

  2. SOMBRA
    quarta-feira, 11 de dezembro de 2013 – 8:29 hs

    E as indústrias que foram embora…

  3. Nanda
    quarta-feira, 11 de dezembro de 2013 – 12:22 hs

    Enquanto isso no Brasil a indústria vai ladeira abaixo.
    Mas na propaganda enganosa da Dilma até parace uma maravilha
    Parabéns aos paranaenses e ao governos pelos incentivos positivos

  4. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 11 de dezembro de 2013 – 15:09 hs

    Esses dias um comentarista econômico foi bem direto com essas estatísticas: comparar 2012 com 2013 é mais ou menos assim: em 2012 o doente estava em coma na UTI, mas com olhos fechados; em 2013 o doente continua em coma na UTI, mas abriu os olhos. Fala sério…

  5. Carlos
    quarta-feira, 11 de dezembro de 2013 – 15:42 hs

    Alguém poderia explicar por que o Estado está falido?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*