TRE-PR cassa mandato de Edgar Bueno, prefeito de Cascavel. Nova eleição | Fábio Campana

TRE-PR cassa mandato de Edgar Bueno, prefeito de Cascavel. Nova eleição

Tribunal reconheceu que eles cometeram fraudes para influenciar no resultado das eleições no município. Presidente da Câmara deve assumir a função e novas eleições serão convocadas

Via Gazeta do Povo

O prefeito de Cascavel, Edgar Bueno (PDT), e seu vice, Maurício Querino Theodoro (PSDB), tiveram seus mandatos cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) nesta terça-feira (12). A decisão pela cassação foi unânime entre os doze integrantes da Corte que analisaram o caso, segundo o tribunal. O presidente da Câmara de Vereadores, Márcio Pacheco (PPL), deverá assumir a função após fim do prazo para recurso e novas eleições devem ser convocadas.

Segundo o TRE, a cassação será imediata após decorrer o prazo de três dias para recurso. Esse prazo começa a ser contado após a publicação da decisão judicial no Diário de Justiça. Uma nova eleição será convocada entre os candidatos Professor Lemos (PT) e Jorge Lange (PSD). Lemos disputou o segundo turno das eleições com Bueno e Lange foi o terceiro colocado no primeiro turno.

A ação que originou o despacho foi movida pela Coligação “A Cascavel que queremos inclui você”, do ex-candidato Professor Lemos, que disputou o segundo turno das eleições com Bueno e acabou derrotado. Lemos acusa Bueno de subfaturar os gastos de campanha e criar um caixa 2. Segundo a assessoria de imprensa do TRE-PR, o relator do processo, juiz Marcos Roberto Araújo dos Santos, disse ter reconhecido a ocorrência de fraude cometida pelos políticos para influenciar no resultado do pleito. Para o juiz, os dois candidatos criaram “verdadeira campanha difamatória e caluniosa” explorando fatos distorcidos em desfavor de Lemos.

Ele disse ainda haver elementos suficientes para demonstrar que os eleitores de Cascavel foram induzidos a um erro quanto à pessoa do candidato petista, uma vez que muitos acreditaram que Lemos seria capaz de praticar crime de falsidade ideológica para concorrer ao cargo de prefeito do município.

Recurso

Segundo a assessoria de Bueno, o prefeito está em Curitiba desde segunda-feira (11) para acompanhar a licitação para a construção do novo terminal de passageiros do Aeroporto Municipal de Cascavel e não vai comentar a decisão judicial. Ele estuda a possibilidade de divulgar uma nota à imprensa até esta quarta-feira (13).

Mas, em entrevista por telefone à TV Tarobá, o prefeito cassado disse que vai aguardar a publicação para entrar com recurso. Segundo ele, a cassação se deve somente em função de ele ter apresentando um programa eleitoral de sete minutos no qual afirmava que o candidato Lemos não mora em Cascavel. “Descobrimos durante a campanha que o Lemos não tem residência fixa em Cascavel”. À época, Lemos conseguiu direito de resposta no programa da coligação de Bueno.

Segundo o prefeito, este é o quinto processo de cassação movido pelo Professor Lemos. “Ele teve um certo êxito hoje”, declarou.

O presidente da Câmara, Márcio Pacheco, disse que assumirá com equilíbrio, responsabilidade e sensatez. “E usar o momento para promover as ações pensando no povo”, declarou.

Professor Lemos acredita que deev ser empossado e quer nova eleição em Cascavel

O deputado estadual Professor José Lemos (PT), contestou a informação do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) de que haverá uma nova eleição em Cascavel, no Oeste, após a cassação do prefeito Edgar Bueno (PDT). Segundo ele, neste caso os votos de Bueno seriam anulados tanto no primeiro quanto no segundo turno.

Na opinião de Lemos, com os votos de Bueno no primeiro turno inválidos, ele teria mais de 50% do total dos votos entre os demais seis candidatos. Neste caso, ele assumiria a cadeira de prefeito sem a necessidade de nova disputa eleitoral. A eleição em Cascavel foi disputada por sete candidatos.

Lemos disse que entrou com a ação porque entendeu que o prefeito eleito havia cometido fraude eleitoral. “Demonstramos várias irregularidades que entendemos que existia. É uma ação que corre em segredo de Justiça. Não é legítimo o mandato [de Bueno].

O petista diz que está otimista em assumir a prefeitura. “A expectativa é muito boa de poder implementar em Cascavel todos os projetos que nós apresentamos durante a campanha”, disse. Segundo ele, são projetos exequíveis e que foram debatidos com a sociedade.


3 comentários

  1. Sergio silvestre
    terça-feira, 12 de novembro de 2013 – 21:42 hs

    Um sujeito que frauda documentos para se elegar em cargo importante como é a prefeitura de cascavel,alem de perder o cargo deveria ser preso e fazer ele pagar todo custo de nove eleição.
    O que é pior ,o prof Lemos estava bem a frente e o distinto fraudador jogou isso no ar,inclusive vi o video aqui no Blog.
    Quando o povo se concientisar,e se levar no bico por formadores de opinião nocivos para o pais ou estado,estes vão ter que procurar nova ocupação para ganhar dinheiro facil de politicos safados.

  2. Fiscal da Mediocridade
    terça-feira, 12 de novembro de 2013 – 23:04 hs

    Nova eleição? Mas se a fraude foi no segundo turno, o TSE já não decidiu que assume o segundo colocado? Acho que o Professor Lemos vai assumir!

  3. valval
    terça-feira, 12 de novembro de 2013 – 23:53 hs

    é tucano, tu ta nu bico da curuja!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*