Paraná no fim da fila de empréstimos autorizados pelo governo Dilma | Fábio Campana

Paraná no fim da fila de empréstimos autorizados pelo governo Dilma

Da gazeta do Povo

Levantamento sobre os empréstimos que passaram por avaliação da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) desde o início da gestão da presidente Dilma Rousseff, em 2011, mostra que o Paraná é a quinta unidade da federação que recebeu menos autorizações, em volume de recursos. Se retiradas do cálculo três operações que a STN anunciou ter avalizado no último dia 8, mas cuja tramitação ainda não foi finalizada, o estado cai para o último lugar. De oito empréstimos negociados pelo governo paranaense no período, que totalizam R$ 3,524 bilhões, apenas um havia cumprido todas as etapas burocráticas até a semana passada e começado a gerar repasses financeiros – o de R$ 131 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a reforma da Arena da Baixada.

Desde 2011, a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) autorizou a contratação de 226 empréstimos pelos estados, em um total de R$ 124,824 bilhões. As 27 unidades da federação negociaram pelo menos duas ou mais operações que necessitam de aval da STN. Os dados foram coletados do sistema de acompanhamento de operações financeiras da STN na quarta-feira.

O recordista, em número de contratos e volume de recursos, é o Rio de Janeiro – teve 22 empréstimos autorizados, que somam R$ 20,8 bilhões. Doze operações foram feitas com instituições internacionais, como a Agência Fran­­­­­cesa de Desenvolvimento e o Banco Interamericano de De­­senvolvimento.

Em volume de recursos, Alagoas aparece em último, com R$ 619 milhões autorizados. O estado é governado por Teotônio Vilela Filho (PSDB). O critério partidário, no entanto, tem pouca influência. Dos seis estados com mais autorizações da STN, três são governados por tucanos – São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Além disso, Tocantins, administrado por Siqueira Campos (PSDB), foi o segundo estado com o maior número de operações autorizadas – 18.

Dos cinco estados com governadores do PT, dois aparecem entre os 10 que tiveram o maior volume autorizado – Bahia e Rio Grande do Sul. Todos os estados com administração petista aparecem na frente do Paraná.

Ligada ao Ministério da Fazenda, a STN aprecia as condições financeiras de estados e municípios para contrair empréstimos que demandam garantia da União. A secretaria afere as condições de endividamento e pagamento dos entes, além dos limites de gastos estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Na prática, porém, a administração estadual, via Fomento Paraná, é apenas intermediária desse contrato, já que os recursos são transferidos para o Atlético. De acordo com o BNDES, foram desembolsados R$ 104,9 milhões do valor total. A liberação do restante depende de um novo acordo sobre o valor final da obra.


6 comentários

  1. Sergio silvestre
    domingo, 17 de novembro de 2013 – 18:59 hs

    Se não tem credito,tem que ficar no fim da fila.
    Nunca vi um governo reclamar tanto,sem contar que emprestimo tem que pagar.
    Ai quem vai pagar?

  2. Vigilante do Portão
    domingo, 17 de novembro de 2013 – 19:28 hs

    Estados FALIDOS, como Rio Grande do Sul e Bahia, com pendências no Cadastro da União, receberam alguns BILHÕES.

    Não temos Ministros Paranaenses,
    Não temos Senadores que lutem pelo Paraná,

    Nossa bancada Federal é Fraca.

  3. dibel
    segunda-feira, 18 de novembro de 2013 – 9:26 hs

    Esse jeito petista de governar prejudicando todo do Estado do Paraná, causa prejuízos ao governador (porque eles querem desgastá-lo politicamente para eleger sabemos quem!) ou os paranaenses? Quem souber, responda!

  4. Moisés Fróes
    segunda-feira, 18 de novembro de 2013 – 13:15 hs

    Sergio corruPTista, mude para Basília, você não é Paranaense com P Maiúsculo.
    A Gleisi está bloqueando tudo, para prejudicar o nosso Paraná, pois quem a defende também quer prejudicar o nosso Paraná.
    Mude daquii, vá para o inferno, ou melhor, para a Papuda (presídio).

  5. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 18 de novembro de 2013 – 13:25 hs

    -Temos três ministros, que se dizem paranaenses(pelo menos na hora de pedir votos e fazer campanha lembram do Paraná): casal 20(Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann) e Gilberto Nascimento. Estes três ministros, sinceramente, não auxiliaram em nada para o Estado. Simplesmente querem quebrar o estado, e depois colocar a culpa no Beto Richa(não que este não tenha sua parcela de culpa) para tentar emplacar a ministra Glesi no governo do Estado para depois, muito depois, encher as burras do estado…se isto acontecer…o que duvido muito!!!!
    -A bancada de políticos paranaenses, olham somente para seus currais eleitorais e não querem ver a dimensão da influência do estado em âmbito nacional e internacional. Preocupam-se apenas com as futuras coligações com vistas às futuras eleições!!!
    -Desanima ver nosso estado sendo muito depreciado e o pior de tudo, sendo achincalhado por políticos sem visão empreendedora e por pela famílias tradicionais que desejem que o Paraná continue sendo provinciano!!!

  6. sergio silvestre
    terça-feira, 19 de novembro de 2013 – 12:39 hs

    A Gleise agora est+a jogando volei.
    Precisa melhorar a qualidade dos coment+arios parece clake treinada,

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*