No Ratinho, Beto Richa diz não entender a discriminação federal com o Paraná | Fábio Campana

No Ratinho, Beto Richa diz não entender a discriminação federal com o Paraná

O governador Beto Richa foi o entrevistado desta segunda-feira (04), do quadro “Dois Dedos de Prosa”, no Programa do Ratinho do SBT. Carlos Massa, o Ratinho, aproveitou o encontro para questionar Beto Richa sobre diversos temas. O governador destacou a criação de empregos e as dificuldades que o Estado tem tido em receber recursos do Governo Federal.

Beto Richa lembrou, por exemplo, que ficou surpreso quando, em um evento sobre a região Sul na semana passada, o representante do Rio Grande do Sul disse que o estado deles – governado pelo PT – tem recursos de sobra para obras e infraestrutura, enquanto o Paraná tem sido um dos últimos a receber verbas federais.

“Eu lamento esta situação e esperamos reverter (este quadro) para que os paranaenses não sejam prejudicados. A razão (da discriminação) eu não sei”, declarou o governador.

Beto Richa disse que assumiu o governo sabendo que deveria resgatar a confiança com a sociedade e o setor produtivo. “O Paraná tinha uma relação muito difícil. A falta de segurança jurídica, os maus tratos ao setor produtivo e nós lançamos programas importantes como o Paraná Competitivo, com incentivos fiscais para atração de investimentos”, ressaltou.

Ratinho questionou o governador sobre o fato do Paraná reduzir a tarifa do transporte público antes dos outros estados do Brasil e antes das manifestações de junho e ainda sobre as medidas tomadas para aumentar a segurança pública no estado.

“Há mais de um ano fizemos a maior contratação de policiais da história do Paraná. Foram 3.200 policiais, mais 2.223 já autorizamos a contratação daqueles que fizeram concurso público e passam agora por formação para estarem habilitados para defender a população. 1.220 viaturas, investimentos em inteligência e as operações policias que acontecem sistematicamente em todas as regiões”, afirmou Beto Richa.


10 comentários

  1. Petrukio
    terça-feira, 5 de novembro de 2013 – 14:45 hs

    É próprio dos apedeutas não entender as coisas óbvias. Está descumprindo uma lei que foi editada num governo tucano (LRF) e quer recursos? Faça-nos o favor, jovem Richa!

  2. Anônimo
    terça-feira, 5 de novembro de 2013 – 15:47 hs

    Pobrezinho. Ele não entende os motivos. Tão bonitinho. Mamãe não ensinou tudo para você ? Existem os amigos e os inimigos.

  3. luiz
    terça-feira, 5 de novembro de 2013 – 16:11 hs

    João sem braço.
    A Secretaria do Tesouro não dará ao Paraná, o que não deu a nenhum outro Estado brasileiro.
    O aval para quem está com pendências com a lei de responsabilidade fiscal.
    E foi bem por isso que ele trocou o Hauly pela Procuradora, especialista nesta Lei.
    Chora!

  4. Roberto
    terça-feira, 5 de novembro de 2013 – 16:20 hs

    Hahaha, perguntas orquestradas, somente para agradar o pior governador da história do Paraná, faltou ao Ratinho perguntar como ele está conseguindo quebrar as finanças do estado em apenas um mandato? Faltou perguntar porque que com ele no comando do estado, apareceu o grupo Dominó na Sanepar, faltou perguntar o porque que ele quando teve a oportunidade de reclamar cara a cara com a presidenta Dilma, se calou, diante dessa falsa impressão de que o Paraná é “prejudicado” pelo gov. federal. Faltou ao Ratinho perguntar porque inaugurar um hospital sem medicos e enfermeiros? Faltou ao Ratinho perguntar porque ele esconde a sete chaves as “tratativas” pra vinda da Renault? Faltou ao Ratinho perguntar porque com eles no comando o Ideb despencou no Paraná? Faltou ao Ratinho perguntar o porque do aumento em mais de 271% das tarifas do Detran? Faltou ao Ratinho perguntar quais são as “tratativas” com as concessionárias de pedágio. Enfim, faltou ao Ratinho perguntar, se o Paraná tem mesmo governador…

  5. Aposentado
    terça-feira, 5 de novembro de 2013 – 16:21 hs

    O nobre governador, nesta entrevista fala em segurança jurídica que é de grande importância. Tanto é que ao visitar os municíos do interior do estado garantiu a segurança jurídica e o direito a propriedade para a felicidade de muitas famílias
    Espero que faça o mesmo na Capital.
    Famíílias que moram há decadas em um CJ Residencial no Pilarzinho, construído em 1962, apesar de durante anos terem realizado reformas com recursos próprios para manter a excelente estrutura das moradias, ainda não tem a segurança jurídica que garantam o direito a propriedade.

  6. terça-feira, 5 de novembro de 2013 – 18:47 hs

    …,Á PIOR DESGRAÇA DE UM POVO É,UM POVO SEM CULTURA…

  7. verdade
    terça-feira, 5 de novembro de 2013 – 20:02 hs

    Que mocinho ingênuo! Valha-me Deus…

  8. Pedro
    quarta-feira, 6 de novembro de 2013 – 8:51 hs

    É a mesma coisa que acontece aqui, quem é oposição (prefeitos), não recebe nada.

  9. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 6 de novembro de 2013 – 10:56 hs

    Discriminação que nada. Vinte anos de administrações ruinosas destruíram o Paraná. Um inchaço tumoral da administração pública e de aspones de todo gênero. A província está falida, esta é a verdade e não tem crédito. O resto é conversa fiada. Paga o que deve e não bufa. Ou, propõe a revogação da emancipação política e refunde-se com São Paulo, voltando à velha quinta comarca. A economia com funcionários seria ótima.

  10. Diego
    quarta-feira, 6 de novembro de 2013 – 21:00 hs

    Luiz, não é o Richa quem chora, somos nós.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*