Decretada a prisão preventiva de mãe e padrasto de Joaquim | Fábio Campana

Decretada a prisão preventiva de mãe e padrasto de Joaquim

Menino Joaquim foi morto antes de ser jogado no rio, segundo exames preliminares feitos pelo Instituto Médico Legal de Barretos

Da Gazeta do Povo:

O menino Joaquim Ponte Marques, 3 anos, que estava desaparecido desde a última terça-feira, foi morto antes de ser jogado no rio. A afirmação é do diretor do Deinter-3 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), João Osinski Junior. De acordo com o delegado, a conclusão é baseada em exames preliminares feitos pelo Instituto Médico Legal de Barretos, que não apontaram água nos pulmões do garoto.

Na noite deste domingo, foi decretada a prisão preventiva da mãe de Joaquim, Natália Mingoni Ponte, e do padrasto, Guilherme Raymo Longo.

“A principal hipótese da polícia era de que ele teria sido morto e jogado no rio. Ela se concretizou”, afirmou ele. Entre as hipóteses da forma como o assassinato ocorreu levantadas pelo delegado estão agressão e envenenamento. Outros exames ficarão prontos em 30 dias.

O corpo do garoto foi encontrado no início da tarde de ontem no Rio Pardo, em Barretos, a 150 km de Ribeirão Preto. A Polícia Civil acredita que ele tenha sido atirado no córrego Tanquinho, que fica a 200 metros da casa da família de Joaquim e, de lá, tenha sido levado até o ribeirão Preto, que é afluente do Pardo.

Reconhecimento
O reconhecimento do corpo no IML foi feito pela mãe de Joaquim, Natália Mingoni Ponte, o pai, Arthur Paes, e o avô materno da criança. Após a confirmação da morte de Joaquim, a casa da família, no Jardim Independência, foi cercada por um grupo de pessoas irritadas com o padrasto, Guilherme Raymo Longo. Elas o insultavam com gritos e o culpavam pela morte do menino. Ele nega envolvimento no caso.


2 comentários

  1. antonio carlos
    segunda-feira, 11 de novembro de 2013 – 12:23 hs

    O que me causa espécie é o pai do menino não ter pedido a guarda do mesmo. Agora fica chorando pelos cantos pedindo justiça. Ele sabia que a ex vivia com um pobrezinho de um drogado, e ele ainda concordava com isto? Agora é muito tarde, o pobrezinho do drogado vai alegar que estava chapado, ou seja, não sabia o que fazia. E a mãe desmiolada vai alegar o quê? Que é mais louca do que o companheiro agora assassino.

  2. Pedro Rocha
    terça-feira, 12 de novembro de 2013 – 16:25 hs

    E a mãe, psicóloga, encontrou o bonitão numa casa de recuperação de drogados.
    E o anjo paga o pato.
    Malditos, merecem a pena de morte sumária.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*