Senado finge "corte de gastos" e recontrata pagando mais | Fábio Campana

Senado finge “corte de gastos” e recontrata pagando mais

De Naira Trindade, Diário do Poder:

Afinado no discurso de cortar gastos, o Senado resolveu demitir 512 terceirizados com carga horária de oito horas para enxugar os custos na Casa. A informação propagou-se aos quatro cantos. Sem o mesmo alarde, no entanto, o Senado começou agora o processo de recontratação dos mesmos funcionários exonerados. E a generosidade está ainda maior.

Ao abrir um termo aditivo para realocar 65 funcionários na Casa, o presidente Renan Calheiros permitiu que os salários fossem aumentados e a carga horária, reduzida. Assim, os mesmos profissionais voltam às atividades — o retorno começou no dia 18 de outubro — com salários maiores e jornada de trabalho bem menores. Esse assunto é tema da coluna de Claudio Humberto desta segunda-feira.

Neste primeiro aditivo, que recontrata 65 profissionais, o Senado Federal gastará R$ 3 milhões ao ano. Porém, no antigo contrato, os mesmos profissionais custavam aos cofres públicos 33% a menos: R$ 2 milhões. Ou seja, o crescimento com os gastos atinge 50%.

Pela nova tabela dos 65 comissionados, 43 servidores que recebiam R$ 3.541,61 passaram a ganhar remuneração de R$ 3.669,61. A promoção é ainda maior quando analisado os outros 21 recontratados. Eles receberão R$ 5.181,34, exatos R$ 503,02 a mais dos R$ 4.678,32 antes pagos pelo mesmo serviço.

Desta forma, os profissionais que ganharam reajustes também passam a cumprir escala menor, de seis horas por dia, num cálculo de apenas 120 horas mensais. Até mesmo o copeiro, qual a Planalto terá R$ 3.669,01 para pagá-lo, deverá cumprir a carga horária reduzida, de seis horas.
Questionado desde quinta-feira (23) pela reportagem, o Senado não conseguiu explicar as razões das novas contratações acima dos valores até o fechamento da edição.


5 comentários

  1. terça-feira, 29 de outubro de 2013 – 13:30 hs

    ém esperava que fosse diferente, a Câmara dos Deputados, Senado, Assembleias Legislativa são os verdadeiros cabide de empregos de Cabos Eleitorais deste País, é uma vergonha nacional e além disso quem paga a conta somos nós pagadores de imposto.

  2. sandra arendt
    terça-feira, 29 de outubro de 2013 – 13:49 hs

    É a farra com o dinheiro público que não acaba nunca. O congresso, o senado, a presidência e os ministros perderam a vergonha na cara, salvo raras exceções! Tem momentos que é muito difícil acreditar que toda essa zona (e não estou falando de zona eleitoral) um dia vai acabar! De um lado promessas e planos de interesse público não cumpridos, de outro o ralo enorme de interesses pessoais por onde escoa generosamente o dinheiro público, que desemboca num mar de sacanagens e corrupção. É o apocalipse!

  3. Mauricio
    terça-feira, 29 de outubro de 2013 – 14:32 hs

    Fizeram a mesma coisa que o Beto Richa com o corte de 1100 cargos no Paraná

  4. FUI !!!
    quarta-feira, 30 de outubro de 2013 – 5:02 hs

    Quem acredita ou finge acreditar em políticos aqui no Brasil é dar
    um tiro no próprio pé. A minha esperança é simplesmente acreditar que um dia o voto não será mais obrigatório e que esta corja de vagabundos não está lá por vontade do eleitor pensante. Fui !!!

  5. nanda
    quarta-feira, 30 de outubro de 2013 – 8:12 hs

    VAMOS MUDAR TODOS OS SENADORESNA HORA DO VOTA. É SIMPLES…..CHEGA DE ALVARO DIAS QUE SÓ FALA,MIDIÁTICO………CHEGA!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*