Procuradoria Geral da República quer Fabio Camargo fora do TC | Fábio Campana

Procuradoria Geral da República quer Fabio Camargo fora do TC

Por Elizabete Castro, Vanguarda Política

A Procuradoria Geral da República solicitou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) o afastamento do conselheiro Fábio Camargo do Tribunal de Contas do Paraná. O pedido foi feito no inquérito que apura a suspeita de trâfico de influência cometido pelo ex-presidente do Tribunal de Justiça do Paraná, desembargado Clayton Coutinho de Camargo em benefício da candidatura de Fábio, seu filho, ao cargo no TCE. A relatora do caso é a ministra Eliana Calmon, que determinou a quebra do segredo de justiça do processo.

No dia 8 de outubro, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou o afastamento do ex-presidente do Tribunal de Justiça e pai do conselheiro, Clayton Camargo, que está sendo investigado em processo administrativo disciplinar por venda de sentenças e tráfico de influência. De acordo com o relatório do CNJ, o desembargador é suspeito de negociar o apoio de deputados estaduais para a eleição do filho. O processo administrativo no CNJ tem prazo de 140 dias, que pode ser prorrogado por tempo indeterminado.

Fábio Camargo foi eleito para o TCE na vaga deixada por Hermas Brandão, que se aposentou compulsoriamente aos setenta anos. A indicação foi aprovada por 27 dos 54 deputados estaduais. O segundo colocado foi o 1º secretário da Assembleia Legislativa, Plauto Miró Guimarães (DEM). Inicialmente, Plauto era o favorito já que garantia ter o apoio do governador Beto Richa (PSDB) para a vaga. Mas a apresentação do nome de Camargo abalou o projeto do 1º secretário da Assembleia Legislativa que, após a derrota, chegou a fazer um discurso em plenário afirmando que havia sido usado num jogo de interesses entre o Palácio Iguaçu e o Tribunal de Justiça.

Ele se referia ao projeto de iniciativa comum do Tribunal de Justiça e do governo do Estado que transfere para o caixa único do governo do estado 30% dos depósitos judiciais. O projeto foi aprovado em convocação extraordinária dos deputados estaduais no dia 25 de julho, durante o recesso parlamentar e dez dias após a eleição de Camargo para conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Segundo denúncias, tratamento diferenciado aos processos que algusn deputados respondem na Justiça também fariam parte do pacote que teria levado Fábio Camargo ao TCE.


23 comentários

  1. Carlos
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 14:24 hs

    Parem de hipocrisia. Eleição para o TC sempre foi decidida através de tráfico de influência. O governador decide e os deputados votam. Agora vejo ambos os lados querendo dizer que isto não existiu (amigos do Fábio) e o outro que deve ser cassado pq teve. Besteira. Me digam qual conselheiro do TC foi eleito de outra forma???

  2. Simone
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 15:37 hs

    É uma guerra do mal do contra o bem, daqueles que foram amparados pela CPI das Massas Falidas, e aqueles favorecidos pela massa falida durante muitos anos, e que perderam uma “teta” de dois milhões de reais por mês.
    Um dia na ALEP, ao fazer meu trabalho, eu disse ao deputado Fabio Camargo, “olha Fabio, esse pessoal vai perseguir você e sua família pro resto da vida, vão plantar notas em jornais, e pior, vão usar o jornal que você desmascarou na tribuna aqui da casa, depois vão levar a instâncias superiores, aproveitando o que ainda resta de credibilidade desse jornal lá fora, pois fora daqui ninguém sabe das denúncias proferidas por você, cuidado Fabio, o dinheiro e a ganância leva o ser humano a beira da loucura”.
    Mas tenho certeza que o erro de competência, somado com as mentiras, irão mostrar a verdade, isso não duvido meu amigo, pois você sempre foi atencioso com todos aqui na ALEP, e não merece passar por essa enxurrada de mentiras eivadas pelo ódio.

  3. Sergio Pereira
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 15:43 hs

    Capitão Nascimento é latente sua inveja e rancor, o ciúme é igual câncer nos ossos.
    Quem sabe daqui 20 gerações você poderá chegar aos pés do Fabio Camargo.
    Um assunto jurídico você leva para o pessoal.
    Que houve, perdeu a namoradinho do colegial pro Fabio?
    Nossa, faz tempo, tira a mágoa do coração isso faz mal.
    Esqueça o boné que levou, viva a vida.

  4. Barbara
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 15:46 hs

    Um fato que realmente deve ter influenciado os deputados na escolha de Fabio Camargo foi o seu trabalho na CPI das Falências. Com muito trabalho e investigação ele desmembrou um esquema de uma família que ganhava 2 milhões por mês. Eu acredito que aí o Fabio Camargo mostrou claramente que sabe investigar e avaliar irregularidades, qualidades estas que são importantes para um cargo de Conselheiro.

  5. Silvio
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 15:53 hs

    A escolha de um conselheiro se dá pelo voto dos deputados da ALEP, que sem a influencia ou intervenção de ninguém votam naquele que julgam o mais capaz. E desta vez o eleito foi o Fabio Camargo.

  6. Lindamir da Silva
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 16:03 hs

    Da mesma forma que a Assembleia não teve como interferir nas eleições do TJ, um membro do TJ também não pode interferir na escolha de um conselheiro. Não há nada de errado na eleição do Fabio Camargo.

  7. Sofia
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 16:07 hs

    Quer dizer que se uma pessoa ocupando um cargo político( no caso o Fabio Camargo enquanto deputado) realiza grandes melhorias pelas cidades, faz um ótimo trabalho para o Paraná na CPI das Falências que mostrou tantas irregularidades da Família Simão, e foi honesto em toda a sua vida não deve buscar a verdade e ser do bem pra não correr o risco de ser perseguido??

  8. Ricardo
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 16:10 hs

    Os deputados da Assembleia Legislativa do Paraná são adultos e capazes de escolher um candidato sem a interferência de ninguém. Parabéns ao Fabio Camargo por ter sido eleito.

  9. Freitas Copeliano
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 16:10 hs

    Não fosse filho de quem é, qual seria o destino desse Indivíduo…

  10. Sergio Silvestre
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 16:22 hs

    Fico aqui pensando nestes 27 deputados,tem até do Pt que votou nesse distinto para fiscalizar quem? O governo.
    Eu acho que esse penico que virou o TJ, está tendo seus momentos bons agora com a retirada deste abcesso que precionava a todos .
    Que saia rapidinho ou peça as contas o rapaz ai que o pais deu pra ele brincar de ser conselheiro.
    Se couber alguma punição ,já que rico não vai prá cadeia,umas mil cestas basicas que dinheiro apesar de querer mais ,tem de sobra.

  11. Laisa
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 16:33 hs

    Os deputados seguiram o que está na Lei para eleição de um Conselheiro novo para o TC. Não há nada o que se questionar contra o Fabio Camargo.

  12. Drika
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 16:34 hs

    O único papel do Governador Beto Richa é dar a posse ao candidato que a Assembleia elegeu. Ele não fez nada em relação a escolha do Fabio Camargo.

  13. Anderson
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 16:34 hs

    Os votos recebidos entre o Fabio e o Plauto estavam muito próximos, o que demonstra que tudo foi muito equilibrado, não existindo nada errado na eleição.

  14. joarez
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 17:16 hs

    Clayton Camargo, que sequer é desembargador por decisão do CNJ, ta provando o veneno que já usou em muitas pessoas, com suas decisões maldosas dentro do TJ/PR, chupa que é de uva….e na mão da Eliane Calmon, sem duvida, amanhã a liminar já arrebenta do gurizinho Dele…durou pouco o reinado Claytinho rsrsrsrsrs e queria colocar o nome do Pai na reforma do TJ/PR rsrsrsrsrsrs, envergonhou o velho na carneira….

  15. joarez
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 17:19 hs

    Clayton, por estas e outras a oposição do TJ/PR, em especial o Desembargador Guilherme, devem ter-lhe agradecido muito rsrsrsrsrsrs pelo seu mandato ultra-rápido no comando do TJ/PR rsrsrsrsrsr

  16. jr
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 17:39 hs

    Como apareceu puxa saco para defesa desse senhor, acho que são todos a mesma pessoa, isso já não engana mais ninguém

  17. Plínio
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 22:00 hs

    Fabio Camargo causa polêmica até nos comentários. Pra quem teve quase 20 mil votos para vereador, quase 40 mil votos para deputado estadual, homem de rádio e TV, é normal que tenha uma multidão de amigos. Quem não gosta, cria fatos atribuindo a fakes os que defendem a ele. Os votos que recebeu nas eleições passadas também foram dos funcionários? Eram votos fakes? Tenha piedade da alma de vocês.

  18. Juliano cordeiro
    domingo, 20 de outubro de 2013 – 22:08 hs

    Tanto ele Fábio como o pai debocham da justiça….

  19. marcio jose nantes
    segunda-feira, 21 de outubro de 2013 – 9:14 hs

    ESTE DEPUTADO NUNCA TRABALHOU, NEM NA ASSEMBLEIA APARECIA, NAO TINHA RELACIONAMENTO COM OS DEPUTADOS, OS DEPUTADOS FALAVAM O DIABO DELE.

    COMO QUE DEPOIS VOTAM NELE…RSSSS$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

    SENHORES DEPUTADOS QUE VOTARAM VCS. ENVERGONHAM O PARANA.J

  20. juliano cordeiro
    segunda-feira, 21 de outubro de 2013 – 9:16 hs

    qie vergonha deputados , que vergonha governo do Estado.

    que vergonha lider do governo Traiano, que vergonha, voce pediu para votar no Plauto. e depois mudou para o Fabio Camargo, porque será??$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

    ou7 pelos processos do DEPUTADO na TJUSTIÇA.

  21. tadeu rocha
    segunda-feira, 21 de outubro de 2013 – 9:17 hs

    esse deputado e o pai dele debocham da justiça debocham do povo

    que vergonha MAIS UMA VEZ ESTADO DO PARANA, PRECISA O CNJ, FAZER O QUE TODOS JÁ SABIAM

  22. sandra arendt
    terça-feira, 22 de outubro de 2013 – 9:55 hs

    O Fábio Camargo já é um conselheiro eleito do TCE PR. Ele é uma pessoa e o pai é outra. É, no mínimo irresponsável, utilizar o nome do Desembargador Clayton Camargo que está sendo investigado, para manipular o afastamento do Fábio Camargo do cargo de conselheiro. O sujeito foi eleito, está cumprindo seu papel. Agora, se virar moda, usar os “feitos e efeitos” de atitudes e nome paternos, como desculpa para “arrancar” pessoas dos cargos, vai restar muito pouco político, para não falar em outros cargos, neste Estado e neste País. E fique claro, não sou fã do ex Presidente do TJ PR, mas não tenho motivos, até o momento, para duvidar da competẽncia do Fábio Camargo. Se não concordamos com a forma de eleição a conselheiro do TCE PR, devemos cobrar da AL PR alterações legais a respeito, afinal, os deputados que estão lá foram colocados por “nós” para isso.

  23. justiceiro
    quarta-feira, 23 de outubro de 2013 – 20:54 hs

    Quem já conheceu um pouco do judpiciário. no pr sabe como há podridao naquilo. Gostaria de ver esse lixo apódrecer na cadeia mas….

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*