Petroleiros do Paraná entram em greve por tempo indeterminado | Fábio Campana

Petroleiros do Paraná entram em greve por tempo indeterminado

Trabalhadores de Araucária aderiram à greve da categoria nacional. Aproximadamente 900 petroleiros protestaram na manhã desta quinta

Do G1 PR:

Pouco mais de 50% do quadro de funcionários da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, aderiram à greve nacional dos petroleiros anunciada a 0h desta quinta-feira (17). Segundo o presidente do Sindipetro e da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Mário Dalzotti, o percentual de petroleiros que aderiu à paralisação no estado representa aproximadamente 900 funcionários. Eles deixaram de entrar no turno da noite de quarta-feira (16) às 23h20 e no da manhã desta quinta, às 7h30. Com isso, os funcionários que aguardavam a troca dos turnos trabalham há mais de 15 horas.

Entre as reivindicações dos funcionários está o cancelamento do leilão do Campo de Libra, o primeiro do pré-sal, marcado para segunda-feira (21), além de 16,53% de reajuste salarial.

No início da manhã o grupo protestou em frente à empresa com faixas e cartazes e impediu a entrada dos funcionários. Entre os setores afetados pela paralisação estão manutenção, operação, produção, carregamento, laboratório e segurança industrial.
A Repar informou às 9h30 que a produção da empresa não parou e que aguarda um posicionamento oficial da sede da Petrobras Rio de Janeiro.

Leilão de Libra
O leilão de Libra é o primeiro que vai conceder áreas para exploração de petróleo e gás natural na região do pré-sal sob o regime de partilha de produção. A expectativa é que a produção seja de 1 milhão de barris por dia da área de Libra, a maior reserva de petróleo já descoberta no país.

Pelas regras da partilha, vencerá o leilão o consórcio que apresentar a maior parcela do óleo de Libra destinada à União. A Petrobras será a operadora única e sócia de todos os campos, com no mínimo 30% de participação.


3 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 17 de outubro de 2013 – 11:36 hs

    Petroleiros, bancários, empregados de estatais e metalúrgicos são o esteio do sindicalismo pelego-lulopetista e são a aristocracia dos trabalhadores brasileiros. Perto dos benefícios e benesses que estas categorias ganharam, os demais trabalhadores são mendigos e maltrapilhos. São os duques, viscondes e barões do peleguismo nacional, a serviço dos seus mestres, desde Getúlio Vargas.

  2. MENSALEIRO JUNIOR
    quinta-feira, 17 de outubro de 2013 – 16:44 hs

    QUEM NÃO ESTIVER SATISFEITO COM SEU EMPREGO,QUE PEÇA DEMISSÃO E VÁ TRABALHAR EM OUTRO LUGAR, EU FALEI A MESMA COISA DURANTE A GREVE DOS BANCÁRIOS POIS FUI BANCÁRIO E PEDÍ DEMISSÃO QUANDO ACHEI QUE ESTAVA GANHANDO POUCO.

  3. Aline
    sexta-feira, 18 de outubro de 2013 – 15:09 hs

    Concordo com o Mensaleiro Junior. Não estão satisfeitos??????
    Peçam as contas, e ponto final.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*