PEN tenta convencer Marina a disputar Presidência pela sigla | Fábio Campana

PEN tenta convencer Marina a disputar Presidência pela sigla

Diante do fracasso da Rede Sustentabilidade em obter o registro para disputar as eleições de 2014, o recém-criado PEN (Partido Ecológico Nacional) reforçará o convite à ex-senadora Marina Silva para ela disputar a sucessão presidencial pela sigla.

O ex-deputado estadual por São Paulo e presidente nacional da legenda, Adílson Barroso, afirmou que se reunirá nesta sexta-feira (4) com Marina e não medirá esforços para convencê-la a se filiar ao PEN. O convite contempla a presidência nacional da sigla para Marina.

“De minha parte, coloco o partido à disposição. Estou suscetível a fazer todas as parcerias possíveis para salvar a candidatura de Marina. Vamos sentar, conversar e ver no que vai dar”, afirmou.

Se quiserem disputar as próximas eleições, a ex-senadora e demais integrantes da Rede precisam escolher um partido e se filiar até amanhã (5), data que marca um ano da realização do primeiro turno das eleições de 2014.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprovou o registro do PEN em junho de 2012. Em seu estatuto, o partido afirma que tem “como ensino de base os conceitos da social-democracia cristã, com ações e projetos que estejam voltados a ecologia”. Atualmente, a sigla possuí três deputados federais: Nilmar Ruiz (TO), Berinho Bantim (RR) e João Caldas (AL).
Registro de partido de Marina Silva é barrado pelo TSE – 4 vídeos

Rede%20j%E1%20%E9%20um%20partido%2C%20diz%20Marina%20ap%F3s%20decis%E3o%20do%20TSE Rede já é um partido, diz Marina após decisão do TSE
%20Para%20procurador%2C%20Rede%20n%E3o%20pode%20ter%20tratamento%20diferente Para procurador, Rede não pode ter tratamento diferente
Capacidade%20de%20mudar%20elei%E7%E3o%20n%E3o%20legitima%20Rede%2C%20diz%20ministro%20 Capacidade de mudar eleição não legitima Rede, diz ministro
Mendes%20compara%20cria%E7%E3o%20da%20Rede%20com%20projeto%20que%20barrou%20no%20STF Mendes compara criação da Rede com projeto que barrou no STF

Próximo Anterior

Adílson Barroso diz que não há problemas no ingresso de Marina e membros da Rede porque os partidos defendem as mesmas plataformas. “No caso do PEN e da Rede não há diferenças. O PEN diz em seu estatuto que é o partido da sustentabilidade”.

De acordo com o presidente da sigla, militantes da Rede em todo o país já procuraram o PEN diante das dificuldades do partido de Marina em obter o registro. “Em São Paulo, temos 240 pré-candidatos. Deste total, em torno de 10% vieram da Rede. Tenho recebido ligações do Brasil inteiro de militantes da Rede.”

Diante da permanência de José Serra no PSDB, o PPS, que queria contar com o ex-governador de São Paulo para a disputa presidencial, teria mantido conversas com Marina nos últimos dias, o que o presidente nacional da legenda, deputado federal Roberto Freire (SP), nega. “O PPS não se presta a esse papel, seria muito oportunismo. Quem decide é Marina. Não sou eu que vou oferecer”, disse.
Sinuca de bico

Sem a Rede, Marina fica diante de uma difícil decisão. Para cientistas políticos, caso opte por disputar a sucessão presidencial em outra legenda, poderá ter a imagem arranhada; se não participar do pleito do ano que vem, ficará fora do debate político nos próximos quatro anos.

Ampliar
Conheça os partidos políticos existentes no Brasil34 fotos

Existem atualmente 32 partidos políticos no Brasil e mais um aguardando registro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). São tantos que as siglas acabam virando uma “sopa de letrinhas” na cabeça do eleitor. Por isso, o UOL reuniu cada uma delas, seus principais representantes e quanto receberam, no ano passado, dos R$ 286,2 milhões destinados ao Fundo Partidário Arte/UOL

“A transferência para outra sigla é algo negativo, pois ela tende a perder votos de uma parcela do eleitorado pelo fato de demonstrar que facilmente está disposta a fazer o mesmo jogo que os políticos costumam fazer. Ela tem uma imagem que não está ligada ao toma lá da cá”, afirma o cientista político Fábio Wanderley Reis, professor emérito da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

“Se recolher pode ser negativo também. Se ela não disputar esta eleição, de alguma maneira perde o timing, porque só vai voltar a disputar em 2018”, acrescenta Reis.

Para Francisco Fonseca, professor de Ciência Política da FGV-SP (Faculdade Getúlio Vargas de São Paulo), migrar para outra sigla “sem base e militância” prejudica Marina, mas pode ser a única saída. “É uma forma de sobrevivência. Ficar mais quatro anos fora do debate a enfraquece politicamente”.

O cientista político diz acreditar que a ausência do registro pode provocar um racha na Rede, na medida em que “políticos tradicionais” que compõem o partido dificilmente ficarão sem legenda em 2014.


3 comentários

  1. Brasileira
    sexta-feira, 4 de outubro de 2013 – 11:02 hs

    Ela deve participar da eleição independente de partido, pois tem que mostrar que independente de partido o povo quer ela. O que se ve hoje é o pessoal trocando de partido como trocam de roupa, se eles podem porque ela não pode. Cade o idealismo dos politicos, virou quem da mais leva mais. Eu voto em pessoa, em candidato independente de partido, pois na realidade hoje as siglas so servem pra incorporar politica e não mais idealismo.

  2. Frida
    sexta-feira, 4 de outubro de 2013 – 11:25 hs

    No Brasil tem montes de partidos criados pra ser negociação de siglas horários e picaretagem em cargos, por que a Marina não conseguiu aprovar o dela ?

  3. antonio carlos
    sexta-feira, 4 de outubro de 2013 – 19:43 hs

    Quero ver a cara do deputado delegado e daquele deputado estadual que estavam neste partidinho. Se a ex-ministra embarcar nele os dois não podem mais voltar ao antigo ninho. Aí se ferraram.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*