Empresa nanica vence concorrência milionária do governo federal | Fábio Campana

Empresa nanica vence concorrência milionária do governo federal

Folha de S. Paulo

Uma empresa com sede num pequeno escritório em Belo Horizonte – com duas mesas, cadeira, telefone e um computador – está prestes a ganhar duas concorrências de R$ 750 milhões do governo federal. A RMC Participação, criada em fevereiro de 2012, é a primeira colocada em seis lotes de venda de trilhos para a Valec, a estatal das ferrovias.O governo tenta há dois anos comprar 240 mil toneladas de trilhos para as ferrovias Norte-Sul e Oeste-Leste. Duas concorrências já foram canceladas por suspeitas de fraude e direcionamento.

Em 31 de julho, a Valec lançou um terceiro edital para a compra do equipamento, que tem que vir do exterior. Para aumentar a disputa, dividiu a aquisição em oito lotes. A primeira concorrência, da Norte-Sul, começou em 16 de setembro e apareceram três companhias nacionais: RMC Participação, Trop Comércio Exterior e Capricórnio. A RMC ofereceu o menor preço em dois lotes (2% de desconto sobre o valor máximo).

No terceiro, a Capricórnio ganhou, mas foi eliminada por causa da documentação. A Valec analisa recursos para homologar a licitação e assinar os contratos com a RMC. Na compra para a Fiol (Ferrovia Oeste-Leste), a fase de lances acabou há duas semanas. A RMC ficou em primeiro em três lotes, que podem render R$ 350 milhões. A Valec ainda analisa a documentação dos concorrentes.

Até 31 de agosto, a empresa mineira não poderia participar das concorrências da Valec porque, segundo seus balanços, tinha capital social de R$ 10 mil e patrimônio líquido de R$ 93 mil, quando o valor mínimo exigido era R$ 2 milhões. Semanas antes da licitação, a RMC aumentou seu patrimônio para R$ 2,1 milhões e fez outras alterações no estatuto: saiu de um endereço residencial para um comercial e incluiu a permissão para trabalhar com produtos metalúrgicos.

Faxineira

A Folha visitou os endereços da RMC na capital mineira. Neles, ninguém conhecia a empresa nem seus administradores –Rubem Magalhães Correa, Wagner Correa da Costa e Rafael Rodrigues dos Santos Costa. Numa das visitas, numa sexta-feira, o escritório estava fechado.

Em outra visita, numa segunda-feira, a reportagem bateu na porta e ninguém atendeu. Foi necessário uma faxineira do prédio pedir que a pessoa que estava no escritório abrisse a porta.

Com cara de sono e ajeitando a roupa, um rapaz disse que apenas pegava recados. Ele anotou o telefone do repórter e, no dia seguinte, um diretor entrou em contato. Mesmo com esses atributos, a RMC firmou parceria com uma das maiores companhias chinesas de fornecimento de trilhos, a Pangnag Group, que havia vencido as duas últimas concorrências da Valec em parceria com outra brasileira, a Dismaf.

Parte dos trilhos fornecidos pela chinesa em 2008, segundo o ministério dos Transportes, apresenta problemas, fato que ela contesta.


3 comentários

  1. Paulo
    terça-feira, 29 de outubro de 2013 – 15:37 hs

    Será que rolou?!!! Que dúvida!!!!

  2. NA CORDA BAMBA
    quarta-feira, 30 de outubro de 2013 – 5:05 hs

    Tem dedo de políticos neste negócio…

  3. Genaro Albuquerque
    quinta-feira, 31 de outubro de 2013 – 16:24 hs

    Vcs realmente acham isso?

    Tenho que dar risada. Licitação mole de ganhar. Com a falta de incentivos do governo a produção nacional de trilhos é como tirar doce de boca de criança.

    O nosso amigo disse que tem dedo de político nisso. Digo o contrário, falta dedo de político nisso.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*