Editorial do 'NYT' destaca obstáculos de Dilma para Brasil voltar a crescer | Fábio Campana

Editorial do ‘NYT’ destaca obstáculos de Dilma para Brasil voltar a crescer

Dilma. ‘Governo não fez estradas suficientes e obras para acompanhar crescimento’, diz ‘NYT’

Do Gustavo Santos Ferreira, Estadão:

Editorial publicado pelo New York Times nesta quarta-feira, 9, destaca os atuais desafios a serem enfrentados pela presidente Dilma Rousseff para retomar o caminho do ritmo acelerado de crescimento econômico.

“Após uma década de rápido crescimento e aumento da renda, o Brasil atingiu uma fase difícil, que testa a capacidade de seu governo administrar a economia e satisfazer as crescentes aspirações de seu povo. A presidente Dilma Rousseff, que enfrenta eleições no próximo ano, precisa ir adiante com as reformas políticas e com projetos de investimento público para retomar o crescimento e manter a inflação sob controle”, diz a abertura do artigo, sob o título Próximas etapas do Brasil.

O baixo investimento privado em é um dos obstáculos a serem ultrapassados pelo governo, opina o NYT. O crescimento de 0,9% em 2012 resultaria, portanto, do fraco ímpeto do empresariado – a ausência do tal “espírito animal” tão falado pela presidente Dilma. Para este ano e 2014, o FMI projeta crescimento de 2,5% para o País.

Os protestos de junho são lembrados pelo jornal como reflexo dos gargalos a serem resolvidos. Embora tenham tido início por causa do aumento das tarifas – “não é só pelos R$ 0,2o”, tanto se ouviu à época -, aumento do custo de vida; infraestrutura deficiente; corrupção política; e os gastos com a Copa, lembra o jornal, tomaram lugar da primeira reclamação.

“Em resposta aos protestos, Dilma disse que iria pressionar por reformas políticas e investimentos em infraestrutura, mas seu governo ainda não cumpriu essas promessas”, opina o NYT.

Mas não há apenas críticas. A publicação reconhece os avanços feitos seja pelo ex-presidente Lula ou por Dilma em questões sociais.

“Programas como o Bolsa Família, que fornece dinheiro para as famílias para cuidar de seus filhos e levá-los para a escola, têm reforçado a renda dos pobres e melhorado a saúde pública. Cerca de 8% dos brasileiros viviam com menos de US$ 2 por dia no ano passado, abaixo dos 20% de 10 anos antes. E a mortalidade infantil caiu em quase 50%”, é destacado no texto.

Ainda há diferenças sociais gritantes, no entanto. Como diz o NYT, a renda dos mais pobres tem crescido, sim. Mas o alto nível da inflação de preços corrói fortemente essa conquista.

Medida em 12 meses, a alta de preços está na casa dos 5,86%, divulgou o IBGE nesta quarta. O índice segue bem acima da atual meta do Banco Central do Brasil, de 4,5% ao ano.

Mais uma vez o NYT criticou a falta de investimento no País, mas, no caso da inflação, citou o baixo investimento público.

“Um grande motivo para a alta dos preços é que o governo não construiu estradas suficientes, ferrovias, portos e outras obras de infraestrutura para acompanhar o crescimento da economia. O Brasil também impõe altas taxas de importação e impostos, que inflacionam o preço de muitos bens e serviços”, escreveu o jornal, que também apontou o dedo para a carga tributária nacional.

O sistema educacional é outro fator na mira do NYT, por diminuir a capacidade produtiva em vários setores. O programa Mais Médicos também não escapou da análise:

“Isso (importar profissionais de saúde) pode ser uma solução temporária, tudo bem. Mas o governo precisa construir mais universidades e melhorar o ensino nas escolas primárias e secundárias para certificar-se de que mais alunos poderão cursar o ensino superior.”

O NYT encerra seu editorial reconhecendo as rápidas conquistas obtidas em curto espaço de tempo pelo governo. Mas pondera que, agora, o eleitor quer mais.


6 comentários

  1. Irineu
    quarta-feira, 9 de outubro de 2013 – 19:25 hs

    Enquanto se tiver focado tão somente em Copa do Mundo e desvios de verbas de todos os lados o único crescimento será no sofrimento da nação, sem escolas, saúde,moradia etc. e as dívidas aumentando mais ainda com o “minha casa melhor”.

  2. jobalo
    quarta-feira, 9 de outubro de 2013 – 20:40 hs

    Pena que os sem bóia (bolsa ) não entendem de gráficos e nem frequentam blogs politicos….. mas isso se tiver oposição inteligente poderá acontecer…. duvido um pouco…

  3. Capitão América, O Vencedor!
    quarta-feira, 9 de outubro de 2013 – 21:22 hs

    Risíveis as aparições duns deputados no horário político do PT.
    E ridículos…”a presidentA Dilma segue trabalhando”.
    A falta de convicção nas falas, os traem.

    Por outro lado, falta na Assembléia, Bona Turra, Osvaldo Macedo, Osvaldo Alencar, Acyolinho, Enéas Faria, Sguarezi, Luiz Roberto Soares, Barbalho, Giavarina, Deny Schwartz,
    Assembléias da UPES, anos 60, brilhavam debatedores.
    Pobre plenário.

  4. Dieter
    quarta-feira, 9 de outubro de 2013 – 23:41 hs

    O “espirito animal! nada mais é do que a sanha petista em desviar verbas publicas e corromper e o único obstáculo ao crescimento da economia é a BURRANTA.

  5. Elton
    quinta-feira, 10 de outubro de 2013 – 10:23 hs

    Ridículo é o Beto Richa almoçando com integrantes do MST! Chega a ser cômico.

  6. zangado
    quinta-feira, 10 de outubro de 2013 – 12:06 hs

    Não paga nem placê …
    Diante desses fiascos “pibais” fico a me perguntar se a estrutura governamental hoje imperante é estritamente necessária …

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*