Sonegômetro atinge R$ 300 bilhões | Fábio Campana

Sonegômetro atinge R$ 300 bilhões

Se o impostômetro já passou de R$ 1,1 trilhão, o sonegômetro não fica atrás. Os brasileiros sonegaram R$ 300 bilhões em tributos até agora em 2013, diz a ferramenta criada eplo Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional e que pretende informar em tempo real o quanto o país deixa de arrecadar todos os dias. Os números são atualizados no endereço eletrônico www.sonegometro.com.

Os 300 bilhões superam a riqueza produzida pela maioria dos estados. Até o fim do ano, o valor que deixa de chegar aos cofres públicos deverá atingir R$ 415 bilhões, o equivalente a 10% do PIB, soma dos bens e serviços produzidos no país. Segundo os procuradores da Fazenda, se não houvesse sonegação de impostos, o peso da carga tributária poderia ser reduzido em até 20% sem perda de arrecadação. O sonegômetro faz parte da campanha ‘Quanto Custa o Brasil Pra Você?’, criada pela entidade em 2009.


3 comentários

  1. xiru do sudoeste
    quinta-feira, 26 de setembro de 2013 – 9:05 hs

    Já dizia o Delfin Neto os anos 70: se os produtores não tem vergonha em sonegar impostos o governo não se sente culpado em aumenta-los.
    O governo está totalmente enganado, a sonegação passa da casa dos 70% do valor arrecadado.
    Digo porque sou contador.
    Desde o pequeno comerciante ou prestador de serviço até as gigantescas transnacionais sonegam, ou de forma descarada ou se aproveitado de “leis” e outras determinações do governo (normalmente implantadas ou sugeridas por parlamentares eleitos por elas) para evitarem o fisco.
    Mas o maior crime é que o valor sonegado é repassado ao consumidor.
    Veja o exemplo mais gritante:
    O comerciante vai comprar em São Paulo.
    O industrial lhe propõe meia nota (isto é, metade da mercadoria com nota e metade sem).
    O comerciante vende toda a sua mercadoria, em princípio, com nota. Pelo menos no valor que coloca em venda, o imposto que mais incide é o ICMS (na nota fiscal tem uma informação que este imposto já está incluído no preço que o consumidor paga). Muito bem. O comerciante não fornece a nota fiscal, a não ser quando o cliente exige ( e de nada adianta as maquininhas de cupom fiscal). O valor do imposto que está na nota fiscal vai direto para o caixa 2. Que representa 70% do movimento das lojas.
    Vá almoçar no restaurante Veneza em Santa Felicidade. Se voce pagar com dinheiro vivo ganha um desconto, Porque será!
    Ninguem desconfia, ou acham que a italianada adora guardar dinheiro. Só pode ser sonegação, pois se pagar com cheque ou com cartão a empresa terá que declarar.
    ESTE É O PAIS DOS QUE CHORAM DE BARRIGA CHEIA.
    Eu não compro nem um chiclets se não houver um registro fiscal, pois se eu exijo melhoria nos serviços públicos, tenho a obrigação de cuidar bem dos seus recursos.

  2. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 26 de setembro de 2013 – 10:09 hs

    Deviam criar o CORRUPTÔMETRO que vai correr muito mais rápido do que esta empulhação aí.

  3. VLemainski - Cascavel
    quinta-feira, 26 de setembro de 2013 – 14:28 hs

    Quando irão criar o propinoduto fiscal?…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*