Ativista brasileira do Green Peace ficará presa por 2 meses na Rússia | Fábio Campana

Ativista brasileira do Green Peace ficará presa por 2 meses na Rússia

Do G1 RS:

A justiça russa determinou neste domingo (29) que os oito ativistas que faltavam depor, integrantes da tripulação do navio do Greenpeace, o Arctic Sunrise, investigado por pirataria após protesto contra uma plataforma de petróleo no Ártico, fiquem detidos no país até 24 de novembro, durante o processo de investigação. Entre eles está a bióloga brasileira Ana Paula Maciel, de 31 anos.

O tribunal de Murmansk já havia ordenado na quinta-feira (26) a prisão por dois meses dos outros integrantes. Ao todo são 28 ativistas, além de um fotógrafo e um cinegrafista que cobriam a ação. Em seu site oficial, o Greenpeace Brasil reiterou que vai recorrer da decisão.

O Artic Sunrise foi interceptado no Ártico pelas autoridades russas e rebocado para a cidade de Murmansk. Os ativistas negam ter cometido atos de pirataria e reclamam que a Rússia interceptou ilegalmente o navio em águas internacionais. A comissão de investigação russa justificou a prisão dos ativistas considerando que poderiam fugir da Rússia caso fossem libertados.

Na Rússia, quem responde por pirataria pode ser punido com até 15 anos de prisão. O presidente russo Vladimir Putin admitiu na quarta-feira que os 30 tripulantes do barco do Greenpeace não eram piratas, mas que eles “violaram as normas da lei internacional”.

Longe do Brasil desde o dia 11 de junho, a previsão inicial era de Ana Paula voltar ao país no fim de outubro. A gaúcha começou a atuar em defesa das causas ambientais em 2006. Segundo a mãe dela, Rosângela Maciel, que mora em Porto Alegre, a filha não só participa das manifestações da organização ambiental, como trabalha e praticamente vive na embarcação que ajuda a conservar.

A prisão na Rússia não foi o primeiro susto que Ana Paula deu na mãe. Tripulante de embarcações do Greenpeace desde 2006, a bióloga foi detida na segunda viagem que fez pela ONG ambientalista, no Caribe, durante um protesto do Greenpeace contra a caça de baleias.

O G1 tentou falar com a mãe de Ana Paula na tarde deste domingo, após a decisão da Justiça russa, mas o celular dela estava desligado.


3 comentários

  1. Bagrinho do Litoral
    segunda-feira, 30 de setembro de 2013 – 15:07 hs

    Bando de vagabundo! Temos que trazer este chefe de polícia russo para prender estes ambientalistas desocupados aqui no Litoral do Paraná, que travam nosso desenvolvimento.

  2. antonio carlos
    segunda-feira, 30 de setembro de 2013 – 20:40 hs

    É isto mesmo, deixem a nossa compatriota puxando uma cadeia lá na Rússia. Da ultima vez que nos empenhamos em livrar os nossos compatriotas da cana, nem bem voltaram e já começaram a aprontar novamente.

  3. segunda-feira, 30 de setembro de 2013 – 21:53 hs

    Tantas causas nobres por aí…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*