Gleisi e seu marqueteiro | Fábio Campana

Gleisi e seu marqueteiro

Com marqueteiro

Do blog do Zé Beto

Do enviado especial – Quem estava circulando hoje no Parque Barigui, sempre na órbita da ministra Gleisi Hoffmann, era o marqueteiro Oliveiros Marques, da Capim Limão, que deverá fazer a campanha para o governo do Paraná. Havia também uma parafernália para registrar o evento. Muito provavelmente para o arquivo de imagens que farão parte os programas de Gleisi.


5 comentários

  1. Pedro Rosa
    domingo, 22 de setembro de 2013 – 13:48 hs

    Pelos desgastes que seu partido apresenta na conjuntura nacional, pelo escândalo envolvendo crimes sexuais supostamente praticados por um assessor seu e pela aprovação positiva do atual Governo do Paraná, seu marqueteiro vai ter que trabalhar muito . . .

  2. verde oliva
    domingo, 22 de setembro de 2013 – 15:35 hs

    Dinheiro jogado fora, não há marketing que resolva a incompetência e a corrupção que a cercam.

  3. Menino da comunicação
    domingo, 22 de setembro de 2013 – 21:32 hs

    Um coisa é certa.
    Na comunicação o PT aqui no Paraná nunca acertou a mão.
    A ultima campanha boa foi a do Vanhoni em 2004 que levou ao segundo turno.
    A Gleisi e a sua tropa de comunicação perderão feio nas ultimas, o o discurso o Fruit de que esta bom e pode melhorar quase levou ao buraco.

    O PT precisa de uma comunicação nova!!!
    Mas não venha com aquela agencia da cabeça que atende a empresa de petróleo que tem um sócio ministro.

    Abs

  4. FUI !!!
    segunda-feira, 23 de setembro de 2013 – 6:15 hs

    Tá na hora da Gleisi perceber que é escandalo demais para qual-
    quer canditato (a) ao governo do Paraná. Fique com a Dilma que
    está mais grantida.

  5. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 23 de setembro de 2013 – 9:01 hs

    Bom o marqueteiro. Consegue vender como decente pro brasileiro tipo Gerson, a imagem dum país pessimamente colocado no ranking mundial do Ensino, da Saúde, da Infraestrutura – rodovias, portos, aeroportos – e onde o assassinato, o acidente de trânsito se banaliza. E pasmem, agora, só agora, um fidumaégua dum ministro abre a bocarra para constatar que vivemos uma epidemia de crack.
    O abobado que dá hipiurras ao governo porque comprou um carro velho em 70 vezes é o mesmo que vê a mãe deitada numa maca num corredor de algum hospital, segurando o suporte do soro. Nem lamenta, aliás, porque o que tem importância é o voyage 94, mais o celular de dois chips….

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*