Fraude para criar Solidariedade em SP usa nome de chefe de cartório | Fábio Campana

Fraude para criar Solidariedade em SP usa nome de chefe de cartório

Da Folha de S.Paulo:

Chefes de dois cartórios eleitorais da Grande São Paulo acusam o Solidariedade, novo partido organizado pelo deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), de falsificar suas assinaturas para engordar as listas de apoio apresentadas pela sigla à Justiça Eleitoral.

“Há centenas de assinaturas grosseiramente fraudadas, a minha entre elas. Perguntei a um representante como eles coletam assinaturas. Ele disse que era uma empresa que fazia. É a indústria do partido novo”, disse à Folha Helder Ito de Morais, chefe de um dos cartórios de Osasco.

Ontem, o Ministério Público Eleitoral pediu que a Polícia Federal abra inquérito para investigar as irregularidades apontadas em Osasco e outras suspeitas de fraude no recolhimento de assinaturas de apoio à criação do Solidariedade. Caso semelhante ocorreu em Várzea Paulista.

Clique na imagem ao lado para vê-la ampliada.

A sigla tem até a semana que vem para obter o registro a tempo de participar das eleições de 2014. Em negociações avançadas para atrair cerca de 30 deputados, o Solidariedade tende a atuar na órbita do senador Aécio Neves (PSDB-MG), provável candidato dos tucanos à Presidência.

Em parecer enviado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o vice-procurador-geral eleitoral, Eugênio Aragão, afirma que as suspeitas sobre o Solidariedade “podem demonstrar a ocorrência de fraudes em massa no Estado de São Paulo, o que poderia comprometer, irremediavelmente, o registro do partido”.

À Folha Aragão disse que o TSE precisa examinar as acusações antes de julgar o pedido de registro, o que está previsto para hoje ou quinta-feira. “Minha posição é que há fatos muito graves que são, hoje, impeditivos para que se aprove o pedido de registro do partido”, afirmou.

Entre as suspeitas que pesam contra o novo partido está a de que o Sindilegis (Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal) tenha fornecido ilegalmente, a base de dados com seus cerca de 11 mil filiados para que seus nomes fossem usados como apoiadores do Solidariedade, caso que já está sendo investigado pelo Ministério Público e pela Polícia Federal.

Há ainda um cartório em Suzano, também em São Paulo, que chamou, por amostragem, 46 eleitores para confirmar a autenticidade das assinaturas. Todos negaram ter apoiado o novo partido.

Aragão assumiu há alguns dias o cargo. Antes, dois pareceres do Ministério Público haviam opinado pela aprovação do Solidariedade, posição que Aragão não ratificou.

O Solidariedade é um dos três partidos políticos em processo final de criação na Justiça Eleitoral, ao lado da Rede Sustentabilidade da ex-senadora Marina Silva e do PROS (Partido Republicano da Ordem Social).

OUTRO LADO

O advogado Marcílio Duarte, que preside o Solidariedade, disse que não tinha conhecimento dos casos relatados pelos chefes dos cartórios, mas afirmou que eles representam parte irrelevante do total de fichas apresentadas.

Disse também achar “estranho” que Aragão tenha conseguido localizar esses casos em um processo com 15 mil páginas. “Duvido que ele tenha lido os 49 volumes em três dias”, afirmou.

A defesa do Solidariedade argumenta que o processo não pode ser suspenso com base em apurações sobre nomes que nem chegaram a entrar no pacote com cerca de 520 mil assinaturas de apoio certificadas pelos cartórios eleitorais e entregues ao TSE.

A lei exige o apoio de pelo menos 492 mil eleitores. Os organizadores do Solidariedade dizem ter obtido cerca de 1 milhão de assinaturas e dizem que é normal que apareçam problemas em algumas.


5 comentários

  1. Ale
    terça-feira, 24 de setembro de 2013 – 9:00 hs

    Tava muito estranho a Marina se ferrando pra conseguir criar seu partido enquanto o partidinho do paulinho zero a esquerda da força ja estava até negociando tempo de tv.
    Muito estranho.

  2. cansafa
    terça-feira, 24 de setembro de 2013 – 10:03 hs

    começa aí…

  3. cansafa
    terça-feira, 24 de setembro de 2013 – 10:04 hs

    A marina é outra…

  4. toninho
    terça-feira, 24 de setembro de 2013 – 11:04 hs

    Ale, escrevi muitas vezes com essa interrogação. Um salafrário que se chama Paulinho funda um partido com a maior facilidade enquanto uma pessoa séria (não votarei nela, porque não acredito no seu programa), mas que tem o direito de postular um partido, não consegue as assinaturas mínimas necessárias.
    Soube que uma empresa é que buscava as assinaturas para o Paulinho.
    Então, de ideologia ou honestidade, zero. Sacanagem pura. Não podemos mais conviver com isso.

  5. antonio carlos
    terça-feira, 24 de setembro de 2013 – 20:28 hs

    Acorda gente, não existe partido ideológico em Pindorama, o último que existiu morreu em 2002. E foi substituído por um outro muito diferente, apesar de ainda conservar o mesmo nome. A ideologia só funciona enquanto o partido não abocanha um pouquinho de poder, depois disto é Perda Total.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*