Escuridão | Fábio Campana

Escuridão

Por Mary Zaidan

Na quarta-feira, 28, um apagão de grandes proporções deixou nove estados do Nordeste sem energia por algumas horas. O ministro Edson Lobão correu para informar que uma queimada em Canto do Buriti, no Piauí, tinha derrubado o sistema de transmissão. A versão não durou nem mesmo um dia. Foi contestada pelo Ibama-PI, que não enxergou nas imagens de satélite incêndio capaz de provocar tal dano.

Foi o nono apagão do governo Dilma Rousseff. Mais um sem explicação convincente.

À noite, outro apagão – desta vez moral – afundava a Câmara dos Deputados em trevas ainda mais profundas. Ali, com a anuência de 131 votos, 41 abstenções e 104 ausências, preservou-se o mandato do deputado Natan Donadon (RO), condenado a quase 13 anos de prisão.

O parlamentar, que pouco antes da votação chegara algemado, vindo da Papuda direto para a tribuna, quase não acreditou no desfecho. Para reverter o dano, tenta-se agora jogar luzes sobre o fim do voto secreto, tema reincidente sempre que a Câmara absolve um dos seus. Mas que, rapidamente, se apaga.

O País assistiu ainda a mais um apagão na diplomacia petista, que começou no domingo e se arrastou durante toda a semana, sem ao menos uma lamparina para clareá-lo.

Desde que o PT chegou ao poder com o presidente Lula, o Itamaraty se ideologizou. A ponto de se ajoelhar diante do presidente Evo Morales, não por uma vez, mas por várias. Quer na expropriação da Petrobrás, quer na prisão, por meses a fio, de torcedores corintianos, ou na consentida enrolação de não conceder salvo conduto ao senador oposicionista Roger Pinto Molina, confinado há um ano e meio na embaixada brasileira de La Paz.

Poderosa diante da leniência brasileira, a Bolívia aproveita-se da cegueira e joga o seu jogo. Ao mesmo tempo em que denuncia a fuga do senador à Interpol, Evo arvora-se em ameaças – “nenhum governo pode encobrir ou defender corruptos”. E, sorridente, garante à presidente Dilma Rousseff, que o episódio não afetará as relações bilaterais Bolívia-Brasil. Nessa ordem.

Em 2012, o Inpe registrou 193.838 queimadas. Só em agosto deste ano foram 16.605. Ou bem o governo mentiu sobre as causas do apagão do Nordeste, ou corremos o risco de ter um sistema vagalume. Quanto à Câmara, essa, há tempos se autocondenou à escuridão.

Já as relações externas, Dilma acaba de entregá-las ao ministro-chefe da Advocacia-Geral da União, Luís Inácio Adams, o mesmo que antecipou que o Brasil não concederá asilo a médicos cubanos e que prefere ver o senador Molina noutras paragens. Quer que ele renove o pedido de asilo. Tudo indica que novos apagões virão.

Mary Zaidan é jornalista. Trabalhou nos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo, em Brasília. Foi assessora de imprensa do governador Mario Covas em duas campanhas e ao longo de todo o seu período no Palácio dos Bandeirantes. Há cinco anos coordena o atendimento da área pública da agência ‘Lu Fernandes Comunicação e Imprensa’. Escreve aqui aos domingos. @maryzaidan


5 comentários

  1. Gardel
    domingo, 1 de setembro de 2013 – 18:20 hs

    O PT tem o dom de atrair trevas. Sera que PT não se previniu contra os apagões? Treze anos no poder é tempo suficiente para evitar transtorno tão grande. Isso acaba com o Brasil.

  2. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 2 de setembro de 2013 – 8:49 hs

    Funcionou assim:
    No último trimestre de 2012, dona Dilma autorizou dois aumentos nas tarifas de energia, às escuras.
    Nesse ano, ocupou rede nacional de tevê, para anunciar desconto, numa aparição nitidamente eleitoral.
    As concessionárias que se recusaram a obedecer à irresponsabilidade presidencial, foram execradas pelos lulo-dilmistas de plantão.
    São os que insistem em não saber que não existe almoço grátis.

  3. segunda-feira, 2 de setembro de 2013 – 9:06 hs

    E a turma do PT em campanha política para presidente criticava FHC por apagões de sua época.

  4. cesar da barraquinha
    segunda-feira, 2 de setembro de 2013 – 10:25 hs

    mas bá gardel, pare de falar besteiraws e traga luz para os problemas. Mas ki koisa???

  5. PEDRO DO LITORAL
    segunda-feira, 2 de setembro de 2013 – 11:16 hs

    O próximo apagão,será a mijada dos cães nos postes….Ou um uma pequena trovoada.Que desculpinhas esfarrapadas.Aquela que há 10 anos atrás falou que apagão nunca mais.Mordeu a língua Dilminha.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*