Quatro delegados e 16 policiais denunciados por rede de corrupção | Fábio Campana

Quatro delegados e 16 policiais denunciados por rede de corrupção

Da Gazeta do Povo:

Quatro delegados e 16 policiais civis de Curitiba serão denunciados à Justiça nesta quinta-feira (15) pelo Grupo Especial de Atuação no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), braço do Ministério Público do Paraná (MP-PR). Eles são acusados de formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva e concussão (exigir para si mesmo ou outra pessoa dinheiro ou vantagem em decorrência da função pública). Três proprietários de lojas de peças automotivas usadas também serão acusados formalmente. As denúncias são desdobramentos da Operação Vortex.

Segundo as investigações, os delegados e policiais acusados formaram uma rede de extorsão, com o objetivo de cobrar propina de comerciantes do setor de autopeças. A quadrilha foi articulada dentro da Delegacia de Furtos e Roubos e Veículos (DFRV), afirma o Gaeco. Entre os denunciados, estão o delegado Luis Carlos de Oliveira, que durante o período investigado era chefe da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), um dos postos mais altos na hierarquia da Polícia Civil, e Gérson Alves Machado, ex-chefe da DFRV. Além deles, os outros dois delegados suspeitos de envolvimento são Marco Antônio de Góes Alves e Anderson Ormeni Franco, ambos da DFRV.

De acordo com o Gaeco, as investigações duraram um ano, período no qual foram ouvidas mais de 80 pessoas, entre lojistas, policiais civis e pessoas que não eram do ramo de autopeças, mas que também foram vítimas de extorsão pelos acusados. As apurações já estão concluídas, mas, conforme o MP, outras provas ainda podem chegar e, por isso, outras pessoas ainda podem ser denunciadas.

O promotor André Glitz informou que as investigações apontam Luis Carlos de Oliveira como o idealizador da quadrilha. “O delegado Luis Carlos idealizou o esquema para arrecadar dinheiro indicando delegados e investigadores de confiança que colocava em locais da DFRV”, disse.

No total, o Ministério Público identificou 24 fatos criminosos ocorridos em Curitiba e região metropolitana. Entre eles, estão um caso formação de quadrilha, um de lavagem de dinheiro, um de denunciação caluniosa, um de abuso de autoridade, três casos de corrupções ativas e três de concussões.

Relembre o caso

A operação Vortex foi deflagrada no dia 3 de abril e visava desmantelar um caso de corrupção que estaria ocorrendo há mais de um ano na polícia. Um esquema de extorsão teria sido institucionalizado por meio da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio, conforme investigações do Ministério Público. A suspeita era de que tudo ocorria a partir de falsas fiscalizações em lojas de autopeças e ferros-velhos.

Os delegados Gérson Machado, então titular do 6º Distrito, Luiz Carlos de Oliveira, responsável pela Divisão de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), e o investigador Aleardo Riguetto, do 6º DP, foram presos na operação. No total, 18 mandados de busca e apreensão foram cumpridos em duas delegacias da capital, uma divisão policial e nas casas dos policiais.

Na época, o coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, Leonir Batisti, disse que os profissionais detidos não eram acusados de extorsão – objeto de investigação da Operação Vortex. Segundo ele, o trio foi preso causa de objetos ilegais encontrados em suas residências, como armas e munição restrita.

Durante as investigações, Marcus Vinícius Michelotto, então delegado-geral da Polícia Civil, afastou os três de suas funções temporariamente. Na ocasião, o delegado Walter Baruffi Júnior foi designado para assumir a DCCP e o delegado Rodrigo Brown de Oliveira passou a ser o titular do 6º DP.

Um dia depois da prisão, a Justiça concedeu a liberdade aos três mediante pagamento de fiança. Oliveira e Righetto recolheram as quantias no mesmo dia – o primeiro 30 salários mínimos e o segundo dez. Já Machado alegou não ter dinheiro para pagar o valor e pediu uma redução no total a ser quitado, o que fez ele poder deixar a prisão apenas na tarde do dia 5 de abril.

O começo do caso, no entanto, ocorreu logo após uma troca de titulares em delegacias, quandoMachado havia questionado, em setembro de 2012, os motivos de sua transferência da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV). Em nota publicada no dia 26 do mesmo mês, Machado disse que, dois meses depois de ter assumido a DFRV, foi chamado pelo seu superior imediato, o delegado Luiz Carlos de Oliveira, responsável pela Divisão de Crimes Contra o Patrimônio. Segundo Machado, seu chefe “veio com um pedido relacionado a ‘lojas de autopeças’, e que eu disse que não iria atender, por ser contra meus princípios”.

Um dia depois, no dia 27, Machado voltou atrás em depoimento concedido à Corregedoria Geral da Polícia Civil. No depoimento, ele alegou que foi mal interpretado e que não quis “ferir ou macular” a imagem de seu então superior, o delegado Luiz Carlos de Oliveira, chefe da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio. Machado então negou ter enviado nota à imprensa, “constando em seu depoimento a informação de que ele apenas divulgou a nota por meio de um site”.


5 comentários

  1. justino bonifacio martins
    quinta-feira, 15 de agosto de 2013 – 19:52 hs

    Novidade?

  2. Carlos Bahia
    quinta-feira, 15 de agosto de 2013 – 21:55 hs

    O problema de corrupção nas instituições policial tem como fator principal a impunidade e no corporativismo. . O historiador e filósofo Michel Foucault em seu livro Vigiar e Punir, diz que o principal fator do aumento da criminalidade é certeza da impunidade. Conhecedor de toda as facetas que orbita as investigações, o policial sabe muito bem como despistar e forjar provas. Não raramente a imprensa divulga envolvimento policial em algum tipo de crime. O policial é uma agente investido de poder, quase blindado. Portanto, sob qualquer suspeita a corregedoria deveria afastar o agente temporariamente, com suspensão das vantagens, até a finalizar a investigação.

  3. Juliano Borba
    sexta-feira, 16 de agosto de 2013 – 8:44 hs

    E o chefe da quadrilha? O homem que aparece em todas as escutas?

  4. tadeu rocha
    sexta-feira, 16 de agosto de 2013 – 10:11 hs

    É MESMO NOVIDADE

  5. sexta-feira, 16 de agosto de 2013 – 16:36 hs

    A policia civil e uma podridão,,,com tantos policiais e delegados corruptos…ainda querem desqualificar o trabalho do gaeco.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*