Obras nas rodovias pedagiadas somam R$ 1,5 bilhão | Fábio Campana

Obras nas rodovias pedagiadas somam
R$ 1,5 bilhão

Pepe Richa (Infraestrutura) e Reinhold Stephanes (Casa Civil) apresentaram hoje os avanços das negociações com as concessionárias de rodovias. Richa adiantou que o governo retomou das obras, que somam R$ 1,5 bilhão, e tirou dúvidas sobre aditivos econômicos passados. “Hoje há mais de R$ 300 milhões em obras em andamento, algumas delas, como Medianeira e Matelândia, que estavam fora do contrato e estão sendo executadas”, disse Richa durante encontro com empresários do G7.

“Há uma determinação de governo pela retomada das obras, inclusive com a duplicação do Anel de Integração e a redução de pedágio até 2014. Tudo isto, sem deixar uma conta para outras gestões, como aconteceu ao assumirmos o governo”, disse Stephanes.

Atualmente estão em andamento as obras do Contorno de Mandaguari, duplicação entre Jandaia do Sul/Apucarana, duplicação Medianeira/Matelândia, Contorno de Campo Largo e a duplicação entre Cambé e Warta, na PR 445. Em setembro, vai começar a duplicação da Rodovia do Café, nos trechos Ponta Grossa a ponte do rio Tibagi e também entre Apucarana e Califórnia.

No encontro o presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski, disse que os empresários do G7 estão dispostos a ajudar o governo. “Queremos ajudar o Paraná a melhorar e a crescer. As obras de infraestrutura são importantes para o setor produtivo”, disse. Além da Ocepar, participaram as diretorias da Fiep, Faep, Fecomércio, Fetranspar, Faciap e ACP.


12 comentários

  1. sergio silvestre
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 18:37 hs

    Perai cara palida,já faz 16 anos e agora vão investir 1.5 bilhão?
    Ando o Parana inteiro e só vejo capinas e pinturas de faixas.
    Gente ,parem de brincar com os paranaenses.

  2. Olho aberto
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 19:17 hs

    Quais serão as beneses q o Richa vai conceder às concessionárias? prorrogação dos contratos por mais 25 anos? nada vem de graça.

  3. Mauricio
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 19:18 hs

    Uma rodovia, onde a maior parte é de pista simples, como a BR 277,
    o pedágio é um absurdo. Moro no sudoeste, e vou a Curitiba regularmente (de carro, não de avião ou helicoptero), muito movimento, caminhões aos montes. Todo cuidado, e muito sangue frio para enfrentar a estrada.

  4. CATULO
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 20:14 hs

    hahahah!!! e isso vai custar quanto para o povo? mais quantos anos de pedágio?

  5. JR
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 23:15 hs

    ‘Vai fazer igual ao Lerner, baixa o pedagio em 2014, ganha a eleição e depois sobe o pedágio, o povo não vai cair mais nessa. o Lerner ja gastou esta esperteza.

  6. Gilmar
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 4:56 hs

    Dois pontos:
    – Quanto as concessionarias arrecadaram nesse mesmo período que investiram 1,5 bilhão?
    – Essa diminuição da tarifa cobrada vai ser a custa de um prolongamento do contrato?

  7. Luciano
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 8:23 hs

    Terça feira estive indo em Pontal e Guaratuba, gostaria de entender o porque pagamos tão caro no pedágio para ir a Pontal 14,60, e na volta voltando por Guaratuba paguei dois pedágios de 1,70 cada dando 3,40.

    Alguém entendido no assunto pode nos explicar o porque a diferença de valores se colocarmos os KM de distancia será parecido.

    O correto não seria o governador tentar chegar a valores parecido pela distancia parecida?

  8. Ale
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 8:34 hs

    Obras nas estradas do pedagio é obrigação deles, o preço é abusivo,não importa qual governo é ou qual tratamento ocorre o preços sempre aumentaram, então se vangloriar por isso é tolice, o dialogo deveria ser para reduzir os preços, agora passar 4 anos e querer reduzir no final é aplicar mais um golpe no povo.
    Fizesse isso no inicio do mandato teria meu respeito e até meu voto mas no final nunca.

  9. Cleucimar Taylor
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 8:41 hs

    Esse Stephanes é cara de pau. A conta então foi deixada pela gestão anterior da qual ele fazia parte!!! Aliás, ele faz parte de tudo o tempo todo. Usa o cargo no legislativo para ganhar cargo no executivo.

  10. zangado
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 12:43 hs

    Não fazem nada mais que a obrigação, afinal, o pedágio foi celebrado para beneficiar a sociedade e não vinha sendo executado a contento, por força de inúmeros percalços dos governantes.

    É preciso avançar, e nisso o governo está certo em fazer essas iniciativas, mas não pode ser uma nuvem de poeira em cima das desconformidades perpetradas e eventuais prejuízos ao erário, cuja RESPONSABILIZAÇÃO (essa é a palavra temida no Paraná) impende ser apurada.

    Doa a quem doer.

  11. dibel
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 13:45 hs

    Defensores do pedágio?!?!
    Dona Milu (da novela Tieta do Agreste – 1989) diria: Mistééérioooo!!

  12. carlos a.r.
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 21:19 hs

    A não em 16 anos não fizeram nada e agora o governador acena com negociação para obras a sewrem feitas.Pode para cara, por quanto o governador vai vender as estradas paranaenses?O Beto não vai querer dar uma de Lerner.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*