Nova pirâmide tem mais 16 milhões de pobres | Fábio Campana

Nova pirâmide tem mais 16 milhões de pobres

Quadro “Os Retirantes”, de Cândido Portinari.

De Sérgio Vieira e Cássia Almeida, O Globo:

Olhando para além da renda da população, a nova classificação socioeconômica do país, montada pelos pesquisadores Wagner Kamakura (Rice University) e José Afonso Mazzon (FEA-USP), leva em conta renda, escolaridade, posse de bens duráveis, acesso a serviços públicos, entre outros, num conjunto de 35 indicadores.

Esses novos critérios fizeram crescer a parcela dos pobres e extremamente pobres. Pelo modelo — que será usado a partir do ano que vem por empresas de pesquisa e publicidade para dirigir estratégias de venda — há um incremento de 13,94 milhões de brasileiros (7,3%), para 29,6 milhões (15,5%), na base da pirâmide social.

São pessoas que, com renda média familiar de R$ 854 (melhor que na classificação vigente), têm pouco acesso a bens duráveis e serviços públicos, além de menor escolaridade. Cerca de 60% desse estrato social têm apenas até três anos de estudo. E o número de banheiros por domicílio não chega a um.

Leia mais em Nova pirâmide tem mais 16 milhões de pobres


Um comentário

  1. Gardel
    terça-feira, 13 de agosto de 2013 – 11:46 hs

    Quando o PT diz que acabou com a fome, quem não conhece os ptralhas imagina se tratar de um salvador da pátria. O fato é que milhares de brasileiros continua buscando alimento nos lixões e nas latas de lixo.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*