Mato e lixo tomam conta da Linha Verde | Fábio Campana

Mato e lixo tomam conta da Linha Verde

O Jornal Metro traz reportagem sobre os usuários da Linha Verde, no trecho entre o viaduto da Avenida das Torres e o da BR-277, que estão reclamando de sujeira e mato na marginal da rodovia. No sentido São Paulo, a região está “abandonada”, virou depósito de lixo, com vidros e papel espalhados pelo chão. Além disso, o mato invadiu parte de trechos de calçadas. “Não há acessibilidade”, aponta Edson Freitas.

Essa é uma área por onde circulam trabalhadores do Laboratório de Desenvolvimento, do Hospital Erasto Gaertner e da UFPR. Apesar disso, os usuários informaram que não tiveram sucesso ao procurar a prefeitura para resolver a situação. “É oportuno informar que já realizamos pedidos a prefeitura com total insucesso”, disse Freitas.


7 comentários

  1. Mercury
    quinta-feira, 22 de agosto de 2013 – 11:07 hs

    Ducci poderia ser punido pela má gestão nesta obra e passar o dia juntando este lixo .
    E FALTA MUIITA SINALIZAÇÃO NESTA OBRA NOVA DO PINHEIRINHO . OS GUARDAS DE TRANSITO JÁ SUMIRAM E NAO TEM PLACAS .

  2. Vigilante do Portão
    quinta-feira, 22 de agosto de 2013 – 12:34 hs

    Votaram no PT?

  3. OCIMAR
    quinta-feira, 22 de agosto de 2013 – 13:17 hs

    OITO MESES DO pt NA PREFEITURA DE CURITIBA,AÍ ESTA O RESULTADO.

  4. antonio carlos
    quinta-feira, 22 de agosto de 2013 – 15:58 hs

    E de quem é a culpa? Mas que resposta mais fácil, é de quem construiu a Linha Verde. E quem é que construiu a Linha Verde? Foi o Beto. Então a culpa é dele.

  5. marta andrade
    quinta-feira, 22 de agosto de 2013 – 19:05 hs

    EXISTE UM ASPECTO PIOR: o movimento é muito grande e o número
    de acidentes é enorme – mortos e feridos acontecem toda semana –
    isso é omissão – vamos culpar quem o PREFEITO,o GOVERNADOR!!??
    OS DOIS SÃO CULPADOS. Não existe sinalização, fiscalização, nada…
    é uma rodovia abandonada – rodovia da morte. Aliás , quanto a DELTA
    levou daquele primeiro trecho inútil???responda BETINHO!!!!

  6. carlos a.r.
    sexta-feira, 23 de agosto de 2013 – 22:01 hs

    A culpa é de quem construiu a Linha verde pela metade.Agora o grande culpado é quem joga o lixo nobres cidadões sem educação.Provavelmente filho de paulista ,cariocas e outros que aqui chegaram com sua porquice.Desculpe falar dessa maneira mais sempre tiram sarro de quem nasceu aqui, somos curitiboca, comemos bala e quardamos o papel no bolso, usamos pastas do Positivo, e faculdade só vale da federal.Fazemos fila pra tudo e não damos bom dia.Agora essa de jogar lixo não é costume do bom curitibano.Cobrar somente das autoridades não dá, quando nós não fazemos a nossa parte.

  7. Pedro Nunes Azambuja
    segunda-feira, 2 de setembro de 2013 – 13:50 hs

    Caro Carlos,desculpe lhe informar mas a vários anos que São Paulo e seus cidadãos melhoraram e muito alem da conscientização e na limpeza publica e na manutenção da cidade,tanto é que hoje o Paulistano possuem muito mais consciência em manter a sua cidade limpa que o Curitiboca que parece ter desaprendido a ser civilizado,emporcalha absurdamente sua própria cidade,senta no próprio rabo sem reconhecer a sua própria porquice e culpa quem é de fora,se fosse assim porque ao andar nas marginais,pelo centro de SP e pelos bairros percebemos uma limpeza publica muito melhor do que a de Curitiba?ruas limpas,trabalhadores da limpeza 24 horas a disposição da população,campanhas de conscientização e multas por quem comete crimes de descarte indevido de lixo,e Curitiba o q tem feito?permitiu que os de fora sujassem e acabou até superando os forasteiros na falta da educação?uma limpeza publica inexistentes onde um bando de VAGABUNDOS extorquem a prefeitura todos os anos exigindo salários absurdos para não fazerem nada?enfim na boa,se quizer falar mal de paulistas e cariocas venha conhecer SP de verdade e não só no mundo da mídia de Globo e cia,ok?Pois esta hipocrisia e mentalidade feudalista local já não engana mais ninguem

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*