França pronta para agir na Síria com EUA e sem Reino Unido | Fábio Campana

França pronta para agir na Síria com EUA e sem Reino Unido

Do Globo, com agências internacionais:

PARIS – O presidente francês, François Hollande, afirmou que o voto parlamentar britânico contra uma ação militar na Síria não afetaria a vontade da França de agir para punir o governo de Bashar al-Assad pelo aparente ataque de armas químicas contra civis. A declaração de Hollande se alinha à estratégia dos Estados Unidos, que continuam em busca de uma coalizão internacional. No último dia de pesquisa de campo, a equipe de inspetores da ONU se dirige a um hospital militar de Damasco para investigar o uso de substâncias tóxicas pelas tropas do presidente sírio, preparando-se para deixar o país no sábado.

Hollande disse em entrevista ao jornal “Le Monde” que ainda apoia uma ação punitiva pelo ataque químico, que segundo ele, causou danos irreparáveis para o povo sírio. O presidente acrescentou que iria trabalhar em estreita colaboração com os aliados da França.

Perguntado se a França poderia agir sem o Reino Unido, Hollande respondeu: “Sim. Cada país é soberano para participar ou não de uma operação. Isto é válido para o Reino Unido e para a França”.

A derrota parlamentar britânico na quinta-feira de uma moção do governo sobre a Síria foi um revés para os esforços liderados pelos Estados Unidos para punir Damasco pelo ataque com gás venenoso na semana passada.
Hollande não é limitado pela necessidade de aprovação parlamentar de qualquer movimento para intervir na Síria e poderia agir antes de um debate parlamentar sobre o assunto marcado para quarta-feira.

Hollande disse ao “Le Monde” que não iria tomar qualquer decisão de agir, a menos que as condições justificassem isso.

“Todas as opções estão sobre a mesa. A França quer uma ação proporcional e firme contra o regime de Damasco”, disse ele. “São poucos os países que têm a capacidade de infligir uma sanção pelos meios adequados. A França é um deles. Estamos prontos. Vamos decidir a nossa posição em estreita colaboração com nossos aliados”, afirmou o presidente.

O secretário de Defesa dos EUA, Chuck Hagel, voltou a indicar nesta sexta-feira que o governo americano não pretende agir sozinho.

– O objetivo do presidente Obama e do nosso governo, seja qual for a decisão final, é ter a colaboração internacional. E a nossa ideia ainda é encontrar uma coalizão internacional para agir em conjunto -disse Hagel durante uma visita oficial a Manila, nas Filipinas.


2 comentários

  1. SERGIO SILVESTRE
    sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 11:13 hs

    A França já aniqilou a Siria e o libano uma vez,esses gafanhotos querem de novo meter o bedelho lá

  2. justino bonifacio martins
    sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 13:23 hs

    Depois a mídia mafiosa nacional e internacional quer ter moral de acusar os países, que querem se ver livre da exploração, de terroristas. Ora o império dos EUA ,com seus lacaios, quer desovar estoques armamentistas e assim beneficiar a indústria bélica; por isso tem que estimular campos de guerra. Ainda tem gente safada – porque ingênuos e burros não são- que apoiam essas guerras!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*