Dilma prepara adiamento de projeto do trem-bala | Fábio Campana

Dilma prepara adiamento de projeto do trem-bala

De O Estado de S.Paulo:

BRASÍLIA – Pressionada por gastos públicos e com apenas uma empresa interessada no leilão, a presidente Dilma Rousseff prepara o adiamento do bilionário projeto do trem-bala, ligando Campinas, São Paulo e Rio. Em reunião realizada na noite de ontem, no Palácio do Planalto, Dilma disse que, se o governo não conseguir mobilizar mais empresas, o leilão do Trem de Alta Velocidade (TAV), previsto para setembro, não será realizado.

Diante de um cenário de dificuldades políticas e econômicas, Dilma avalia agora que é melhor investir em mobilidade urbana nas grandes capitais, um dos motivos dos protestos de junho, a aplicar o escasso dinheiro do Orçamento no trem-bala neste momento.

Com a decisão, a presidente também se descola do cartel sob investigação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). As empresas investigadas por formação de cartel em licitações do metrô e de trens nos governos de Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra (PSDB), em São Paulo, eram as mesmas que demonstraram interesse em fornecer tecnologia e material rodante para o trem-bala.

O Estado apurou que apenas a espanhola CAF, agora, está interessada no leilão. As outras empresas desistiram. A Siemens, delatora do esquema de cartel, pediu adiamento do leilão para ter mais tempo de organizar um consórcio.

A avaliação majoritária no governo é que não há clima para iniciar agora um empreendimento considerado “faraônico” pelos críticos, com investimentos de R$ 34,7 bilhões, quando a população exige melhorias no transporte urbano.

Na reunião de ontem, Dilma disse que a prioridade, hoje, é investir em corredores de ônibus e terminais de integração. No mês passado, ao lado do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, ela anunciou um pacote de R$ 8 bilhões para mobilidade urbana.

O ministro dos Transportes, César Borges, e o presidente da Empresa de Planejamento e Logística, Bernardo Figueiredo, participaram da reunião com Dilma, que também contou com a presença de Guido Mantega (Fazenda), Miriam Belchior (Planejamento) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil).

Risco. A presidente poderá deixar o projeto do trem-bala para o segundo mandato, caso seja reeleita, em 2014. Incertezas econômicas também pesam na decisão. A queixa generalizada no mercado é que o TAV é um projeto arriscado e de baixa rentabilidade. Outro fator de desânimo é a ausência de um sócio brasileiro de peso.

Para piorar, o governo fixou uma Taxa Interna de Retorno (TIR) de 7% para o empreendimento. As rodovias que vão a leilão no mês que vem têm rentabilidade de 7,22%. Em conversas reservadas, ministros afirmam que há muita divergência no governo sobre o tema.

O risco de pôr um projeto emblemático de Dilma sob o comando de um cartel preocupa o Planalto, mas o nicho de fornecedores de tecnologia de trens de alta velocidade é muito restrito. Por isso, a “coincidência” entre interessados no projeto e os integrantes do conluio que agiu em governos tucanos já era de se esperar.

De qualquer forma, o cartel investigado pelo Cade não é tido como um empecilho ao leilão do ponto de vista técnico.


8 comentários

  1. Mané do Sudoeste
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 19:03 hs

    Grande novidade……Esse tal de trem bala lá pelos anos 2030 vai sair do papel, até lá,muitos vão prometer……prometer…principalmente os PTralhas.

  2. Gardel
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 19:36 hs

    O governo Central não consegue concluir uma obra sequer. Não sei se isso é incompetência ou safadeza.

  3. PIMENTA PURA
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 20:13 hs

    Se o governo tivesse cuidado dos projetos milionários e superfaturados
    executados pelo PAC, Copa das confederações, transposições do São
    Francisco, etc e etc… teria todos os bilhões para as obras fundamentais
    do nosso país…

  4. Parreiras Rodrigues
    quarta-feira, 7 de agosto de 2013 – 22:42 hs

    Poderia antecipar a sua saída da presidência.
    Gente: não fossem as políticas sociais e as privatizações – amaldiçoadas por Lula quando candidato, mostrem algum outro avanço deste governo, a não ser atentar contra a inteligência de todos.
    “Nunca se viu na história desse país, governo mais incompetente e corrupto”, seria a definição correta de quem plantou esse poste e nele pendurou uma lampadinha de 15 v.

  5. Luk
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 0:12 hs

    Hahaha…passaram os limites da enrolação e da incompetência.

    Antes “adiavam”.
    Agora vão “preparar” o “adiamento”.
    Daqui a pouco vão propor a criação de uma secretaria especializada no preparo de adiamentos.

    PT Piada.

  6. Cleucimar Taylor
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 8:44 hs

    Na hora que o trem bala estiver pronto, já vão estar vendendo espaçonaves ao invés de carros.

  7. Ed
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 9:34 hs

    Graças à Deus! É uma tecnologia ultrapassada (roda-trilhos) que estão querendo descarregar no Brasil. A tecnologia moderna é o trem-bala em trilhos magnéticos. Essa não virá para o Brasil, pelo menos no projeto!

  8. Vigilante do Portão
    quinta-feira, 8 de agosto de 2013 – 12:07 hs

    Mais uma MENTIRA da Dilma e do Lula.

    Já gastou milhões e não colocou “um trilho”

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*