Christina Kirchner quer usina nuclear perto de Foz do Iguaçu | Fábio Campana

Christina Kirchner quer usina nuclear perto de Foz do Iguaçu

De Leandro Mazzini, do UOL:

Chamada de La Loca entre gabinetes sul-americanos, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, faz jus ao apelido.

Ciente do impasse do Paraguai com o governo do Brasil sobre Itaipu, trata com o presidente Federico Franco a construção de uma usina nuclear que atenderia aos dois países, instalada na fronteira com o Paraguai, em Formosa, a apenas 300 km do Parque Nacional de Foz do Iguaçu – um santuário ecológico – e a 220 km da capital Assunção.

O Parlamento do Paraguai protesta: não foi consultado, como determinam normas internacionais. Há poucos dias, a Comissão de Relações Exteriores do Parlamento paraguaio convidou o chanceler J. Félix Estigarribia para explicar o atropelo diplomático. Não convenceu.

Para especialistas em energia nuclear, em eventual acidente não há risco de contaminação num raio de 15 km. Isso na teoria. Já ecologistas defendem raio de exclusão de 90 km. Mas há risco para a bacia hidrográfica em centenas de quilômetros.

Se a usina for implantada, Cristina Kirchner assim resolve seu problema financeiro. Divide os custos de implantação com o Paraguai, e este, abastece melhor o interior a despeito da venda de excedente de Itaipu para o Brasil, cujos valores do contrato contesta.


11 comentários

  1. Tisa Kastrup
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 9:33 hs

    Cadê o Bin Laden, hein? Morreu mesmo?

  2. Raphael
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 10:04 hs

    Se der merda, quem se ferra são os portenhos, com uma plata radioativa. Nós, …, dane-se, isso não nos afeta, e a argentina é soberana.

  3. Celso Mendoza
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 10:43 hs

    Fora a intençao da Argentina de construir uma central nuclear en Formosa .. que esta a uns 120 km de Asunción. .. o resto da informaçao e totalmente falsa.. a Cretina assin como a Dilma nao reconhecen o governo Franco.. en Asunción, tanto governo como a populaçao estao preocupados pela possibilidade da construçao dessa central.. ainda hoje havera uma manifestaçao frente a embaixada da Argentina. .

  4. zangado
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 11:36 hs

    Esses “especialistas” deveriam ser obrigados, por dez gerações, a morar dentro dos 15 km das usinas – a começar por isso.

    Em seguida – se houver problemas com a usina, deveriam ser os primeiros a atender a contenção da radiatividade.

    Se houver explosão do núcleo, deveriam ser encerrados nos sarcófagos, para toda a eternidade vendo o filme Dr. Strangelove ou Como eu parei de me preocupar com a bomba e comecei a viver!!!

    Impressionante que eles são capazes de aceitar o desafio … menos La Loca, que para isso não é louca não …

  5. Gardel
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 12:05 hs

    La Loca da Argentina e A Cigana do Brasil, a cada dia parecem mais perdidas.

  6. QUESTIONADOR
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 13:10 hs

    -Acho que esta usina ficaria melhor localizada na quadra, ou até mesmo, no mesmo bairro, que a Casa Rosada….quem sabe, por providência divina, ao lado da residência particular da digníssima….

  7. OCIMAR
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 13:15 hs

    CREDO,CHAMAR ISSO AÍ DE BRUXA É DESMERECER A BRUXA.

  8. Aline
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 13:45 hs

    Gente, o que é o ESTIGMA., né. Brasileiros vivem dizendo que os argentinos são POLITIZADOS, mas a realidade é bem diferente. Quando os argentinos fizeram BOAS ESCOLHAS prá conduzirem seu país??????

  9. Servidor Municipal
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 15:02 hs

    Ô coisinha feia essa presidenta portenha!!!!

  10. Mr.Scrooge
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 16:01 hs

    Papo furado, madame K está só imitando o Vendedor de Ilusões, tudo isto não passa de conversa fiada. A Argentina está quebrada, não tem nem dinheiro e nem cacife para bancar a construção de uma usina atômica. Talvez os paraguaios conseguissem sozinhos construir uma usina atômica, mesmo que de baixa potencia, e contando com a ajuda do Tio Sam. Mas aí teria que aguentar o berreiro dos seus vizinhos ex-parceiros nesta aliança de quebrados apelidada de Mercosul.

  11. Parreiras Rodrigues
    terça-feira, 6 de agosto de 2013 – 16:28 hs

    A mulherada não está representada…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*