URBS quer reaver R$ 3,8 milhões das empresas de ônibus de Curitiba | Fábio Campana

URBS quer reaver R$ 3,8 milhões das empresas de ônibus de Curitiba

Do G1 PR:

A Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), empresa que gerencia a Rede Integrada de Transporte (RIT), quer reaver R$ 3,8 milhões pagos às empresas concessionárias entre os meses de janeiro e maio de 2013. A cobrança, segundo a Urbs, tem origem no descumprimento de indicadores de qualidade do serviço, previstos pelo contrato de concessão assinado entre as partes em 2010.

Pelo contrato firmado, as 15 empresas e consórcios concessionários do transporte coletivo na RIT deveriam receber 97% da parte que lhes cabe do valor mensal arrecadado com as tarifas. Os 3% restantes são condicionados ao cumprimento de cinco indicadores de qualidade, que, de acordo com a Urbs, não foram integralmente atendidos por 13 dos operadores.

Apesar de a maioria das concessionárias não atender aos requisitos, os 3% de bonificação vinham sendo pagos a todas elas normalmente, desde que o contrato entrou em vigor. Segundo a Urbs, o primeiro ano de contrato foi considerado como “teste”, mas que desde outubro de 2011 o valor deveria ter sido descontado das empresas que não atingiram as metas mensais.

Em entrevista ao G1, o presidente da Urbs, José Roberto Gregório, disse que a cobrança faz parte de uma mudança nos procedimentos da empresa que começou a ser implementada no início o ano. “Nós mudamos a sistemática. A anterior era de pagar e depois verificar, e a partir de agora vamos cobrar todos os meses”, afirmou.

O valor cobrado inicialmente diz respeito apenas ao ano de 2013, mas Gregório diz que já enviou à procuradoria jurídica um pedido para avaliar o que pode ser feito com o valor acumulado desde o início do descumprimento, o qual ainda não foi aferido.

Ainda de acordo com Gregório, as empresas foram comunicadas do novo procedimento em reunião, e podem recorrer da cobrança posterior. A reportagem entrou com contato com o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo de Curitiba e Região (Setransp), e aguarda retorno.

Índices
O contrato da Urbs com as empresas prevê que cinco indicadores sejam cumpridos todos os meses. São eles: a liberação dos selos de vistoria; o cumprimento de viagens nas faixas horárias programadas; o índice de autuações de trânsito; o índice de interrupção de viagens por falhas nos veículos; e a satisfação dos usuários – que é medida através das ocorrências registradas pelo telefone 156 da Prefeitura.

O cumprimento de cada um destes itens garante 0,6% do valor da bonificação à empresa, de forma que a qualidade integral do serviço garante os 3% previstos no contrato. Gregório garante que os dados são controlados mensalmente pela Urbs e os requisitos devem ser efetivamente cobrados já a partir do mês de julho.


6 comentários

  1. Moises F Fontes
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 12:09 hs

    Ué, Fabio
    Dizem que sumiu 140 milhoes por passe de magica???
    Como fica!!!???
    Hein.
    Fiscalizaçao da URBS e abrir caixa preta, NEGRA!

  2. silvano
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 12:31 hs

    Bem, me parece que o problema está na má fiscalização por parte da URBS. Vai mudar a sistemática…não era pra ser uma nova gestão com fiscalização imediata? Demorou 6 meses pra descobrir isso? Cadê os responsáveis que pagaram por um serviço que não cumpre requisitos?????? um abraço pra quem pagou mal

  3. Vigilante do Portão
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 17:48 hs

    Replicando a Gazetona.

    O Jornal está fazendo confusão.

    Vão acabar causando constrangimento para a URBS.

    Basta ver o DEMONSTRATIVO da Gazeta de hoje.

    Uma “M”.

  4. mauri
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 23:13 hs

    é brincadeira serem sempre as mesmas empresas tocando o serviço de transporte, é lógico que dá na vista que tem mutreta; são empresários milionários que escorregam uma grana sempre que tem as licitações e “colaboram” nas campanhas. Será que finalmente vai aparecer o nome de cada empresa e seus respectivos responsáveis, o ganho anual? afinal a grana é do povo.

  5. carlos a.r.
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 11:09 hs

    Quem comandava a URBS antes desse administração? Quem fechou os contratos?

  6. Pedro Rocha
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 18:59 hs

    Urge que revejam também a negociata que entregou o Parque Barigui e seu Pavilhão de Exposições à iniciativa privada, engendrada por quele que foi, sem nunca ter sido, o tal Ducci, na ânsia de querer virar prefeito de verdade.
    Cadê as obras da contrapartida, no Parque?????

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*