'Se uma pessoa é gay e busca Deus, quem sou eu para julgá-lo?', diz papa | Fábio Campana

‘Se uma pessoa é gay e busca Deus, quem sou eu para julgá-lo?’, diz papa

Da Folha de S.Paulo:

Papa no Brasil Na mais ousada declaração de um pontífice sobre homossexualismo, o papa Francisco disse que os gays “não devem ser marginalizados, mas integrados à sociedade” e que não se sente em condição de julgá-los.

“Se uma pessoa é gay, busca Deus e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-lo?”, afirmou Francisco aos cerca de 70 jornalistas que embarcaram a Roma com ele. “O catecismo da Igreja Católica explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser discriminados por causa disso, mas integrados à sociedade.”

As declarações foram em resposta a recentes revelações de que um assessor próximo seria homossexual e a uma frase atribuída a ele no início de junho, de que havia um “lobby gay” no Vaticano. Segundo ele explicou ontem, o problema não é ser gay, mas o lobby em geral.

“Vocês vêm muita coisa escrita sobre o “lobby gay”. Eu ainda não vi ninguém no Vaticano com um cartão de identidade dizendo que é gay. Dizem que há alguns. Acho que, quando alguém se encontra com uma pessoa assim, devemos distinguir entre o fato de que uma pessoa é gay de formar um lobby gay, porque nem todos os lobbies são bons. Isso é o que é ruim.”

“O problema não é ter essa tendência [gay]. Devemos ser como irmãos. O problema é o lobby dessa tendência, da tendência de pessoas gananciosas: lobby político, de maçons, tantos lobbies. Esse é o pior problema.”


6 comentários

  1. Paulo Szlapak Sobrinho
    segunda-feira, 29 de julho de 2013 – 10:20 hs

    Hum, este Papa é duvidoso, conservador acho que não, ou seja está disposto a conquistar mesmos, jogando por terra a tradição da igreja.

  2. Escritor
    segunda-feira, 29 de julho de 2013 – 12:50 hs

    Bem, com isso, entendemos porque a igreja católica esta ruindo.
    Outra coisa, fico me perguntando porque existe tanta pressão no mundo para falar desse tema, o tempo todo. Isso não sai da mídia 24 horas por dia. Agora, uma coisa é não julgar, outra bem diferente é aceitar isso. Duvido, pago para ver, a igreja aceitar um, padre gay.

  3. Ale
    segunda-feira, 29 de julho de 2013 – 15:27 hs

    O papa não quer julgar ninguem, ja com outras pessoas não falta e dedo para apontar na cara dos outros só falta cuidar do proprio umbigo.
    Saber que na politica todos tem telhado de vidro e não só são pedra.
    fala tudo e não quer escutar nada

  4. sandra arendt
    segunda-feira, 29 de julho de 2013 – 16:31 hs

    A cada dia admiro mais e mais o Papa Francisco.

  5. Mr.Scrooge
    segunda-feira, 29 de julho de 2013 – 16:46 hs

    O Papa foi elegante, e ser gay nunca foi pecado mesmo. E a porta da redenção sempre esteve aberta às pessoas de bom coração.

  6. PAULO MATTOS
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 12:53 hs

    ESCRITOR: Pare de falar bobagens.
    A Igreja aceitaria sim um padre gay, desde que ele se mantenha celibatário.
    E sendo celibatário, não importa se é gay ou não.
    Entendeu?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*