Prefeitura explica carro oficial na abordagem de travesti | Fábio Campana

Prefeitura explica carro oficial na abordagem de travesti

A Prefeitura de Curitiba emitiu nota para explicar o que fazia um carro oficial do município na abordagem de um travesti. Pois, pois, diz a nota que não é nada disso que estão pensando, mas sim um trabalho de prevenção contra o HIV. Os ocupantes do carro oficial, membros de uma ONG, distribuíam camisinhas. Leia a nota:

O QUE VOCÊ PENSOU QUE FOSSE?

Identificamos o carro da prefeitura flagrado por um ouvinte da rádio Band News na praça Ouvidor Pardinho, na segunda-feira à noite, parado ao lado de um travesti em uma área de prostituição. A placa é MIY-4698.

A foto, que circulou pela Internet e provocou suspeitas e indignação, documenta não um deslize de conduta de algum funcionário com carro público, mas sim um trabalho sério de prevenção contra o HIV e educação sexual. A secretaria municipal de saúde tem parceria com ONGs e convênio com o Ministério da Saúde para orientação, abordagem e distribuição de preservativos para travestis e prostitutas que ficam nas ruas. Três assistentes sociais da ONG “Grupo Esperança” estavam no carro no momento em que a foto foi tirada, na segunda-feira à noite.


16 comentários

  1. Geraldo
    terça-feira, 2 de julho de 2013 – 20:48 hs

    Entaum tá, e eu acredito também no Papai Noel e no Coelhinho da Páscoa…

  2. Padre Aneico
    terça-feira, 2 de julho de 2013 – 21:57 hs

    Sera que o carro faz parte da frota da Secretaria de Saude ?

    Temos duvida meu senhor.

  3. Roque Alves.
    terça-feira, 2 de julho de 2013 – 22:09 hs

    Publicidade dos Atos Públicos. Quando da realização dum programa social promovido por um órgão da administração pública, é dever dessa instituição (artigo 37 da Constituição Federal), previamente, cumprir os ritos da propaganda de cujo evento, através de seus instrumentos públicos de comunicação, tais como: Diário Oficial, Edital, Circular Informativa, etc. Eis que, pela singularidade do gesto desse ato público, é injustificável e não há razão para qualquer dirigente público alegar desconhecimento de cuja ordem legal. Cordialmente, de Londrina, Roque Alves.

  4. Luis Carlos
    terça-feira, 2 de julho de 2013 – 22:10 hs

    Não sairam do carro por medo de se contaminarem?
    ja que o individuo do lado de fora não tinha escrito na testa ou nas costas de que estava contaminado.
    eu acredito muito mais de que o cidadão do lado de fora do carro tome os devidos cuidados contra o HIV.
    ja nesta desculpa não tenho como acreditar.

  5. Emerson
    terça-feira, 2 de julho de 2013 – 23:40 hs

    Petulância. Empáfia.

  6. Pedro Trentrin
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 7:43 hs

    Pessoal da ONG estavam com preguiça de sair do carro? Geralmente quando ocorre uma abordagem para divulgar ou distribuir algo, estacionam o carro, desligam o veiculo , descem e conversam com as pessoas, a foto é tipica de uma abordagem com interesses “escusos” assim como o coorporativimos da desculpa dada.

  7. Ale
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 8:06 hs

    O problema desse pais é que todo mundo é culpado até que prove o contrario petulancia é de vcs

  8. Luiz
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 8:16 hs

    O povo brasileiro está deixando de ser crítico, para ser chato!!! Falta bom senso em tudo! Se baixar a tarifa a 0 vão criticar tmbm, ah isso é golpe político, alguém está ganhando com isso, por que não abaixa a 0 o preço do combustível, blá,blá,blá…

  9. quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 9:36 hs

    Mais vai que cola.

  10. Pedro dos santos
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 9:56 hs

    Esse povo é muito hipocrita, se a prefeitura destribui camisinha não presta, se não distribui não presta do mesmo jeito!
    Meu Deus, primeiro precisa distribuir as camisinhas para a prevenção, pois não vem escrito na testa quem tem HIV e que não tem, a prefeitura precisa deistribuir para todos em geral. então quanto ao carro se está fazendo o serviço está certo, pois precisa ser feito de forma séria e as pessoas que só pessam mal dos outros tenham um pouco de sensatez, nem, todos são safados!

  11. Mito
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 10:26 hs

    É fácil, basta a prefeitura identificar na viatura a ação que estão fazendo. Fica a dica.

  12. cesar - eu mesmo
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 10:54 hs

    O povo!

    A passeata é contra você, sabia?
    A passeata é contra você, sabia?

    O brasileiro se levantou contra toda essa corrupção e violência. Um senso de indignação generalizado, de já ter tolerado demais, apanhado demais.

    Mas se você foi à manifestação e usa carteirinha de estudante para ter meia-entrada, mas não é estudante, você é parte do problema. Você não tem moral para reclamar da corrupção deste país. O nome disso é hipocrisia.

    (Reclame mesmo assim, por favor, porque são dois problemas diferentes.)

    Se você joga bituca de cigarro no chão, você trata a cidade como o seu lixo particular. Mas a cidade é de todo mundo. As ruas estão nojentas e a culpa é sua.

    A manifestação é contra você.

    Ah, você é ciclista, todo orgulhoso de ser sustentável, um carro a menos, menos trânsito e CO2. Você reclama da opressão do carro, mais forte, contra a bicicleta, o mais fraco. Mas você não para no sinal. Não respeita a faixa de pedestres. Você até anda na calçada, tornando-se o opressor do pedestre.

    Não se iluda: a manifestação é contra você.

    Você leva o cachorro para passear e não recolhe o cocô. Ninguém admite, mas o resultado está aí: nossas calçadas são um mar de merda. Calçada não é a privada do seu totó.

    A manifestação é contra você.

    Você joga papel no chão, e não faltam desculpas para não fazer o que é certo. Essa merda de prefeitura que não instala lixeiras, né? Ou, saída de estádio, você toma uma cerveja e joga a lata por aí. Ah, todo mundo estava jogando. Depois vem o cara limpar. A responsabilidade não é do estado. É sua. E você, manifestante, não pode se esquivar a ela nos outros 364 dias da sua vida.

    A manifestação é contra você.

    Você não cumprimenta o porteiro. Você exagera horrivelmente no perfume e invade o nariz do outro. Você dirige bêbado. Você põe um escapamento superbarulhento na sua moto, que dá para ouvir a quarteirões de distância, incomoda todo mundo e compra um capacete que ajuda a isolar o som. Você obriga todo mundo do ônibus a ouvir a sua música. Você suborna o guarda ou qualquer outro serviço público. Ou ainda, você escreve textos como este, apontando o dedo contra delitos que já cometeu ou ainda comete, achando que dedo em riste exime você da responsabilidade.

    Você é parte da violência. Você é parte da corrupção. Se você não mudar, o país não vai mudar. Mas não adianta todo mundo apenas demandar que “o poder” conserte as coisas. Quer mudar o país? Não esqueça de mudar a si mesmo, e pagar o preço da mudança, como um adulto.

    Então, vai pra rua, que estava na hora. Mas não esquece: a manifestação é contra você.

    *Inspirado em um texto lindo e corajoso da Duda Buarque.

  13. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 11:05 hs

    Desculpa e bunda todo mundo tem.

  14. Roberto
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 14:32 hs

    Fruet Governador!!!!!!!!

  15. CARUNCHO
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 14:50 hs

    PORQUE A ONG NÃO USOU VEÍCULO DELA E SIM UM VEÍCULO DO MUNICIPIO ?

  16. joão
    quarta-feira, 3 de julho de 2013 – 16:43 hs

    Ô Ale, o que se faz da vida, vc acredita que eles não estavam alí prá um programa com o traveco?, pelas barbas do profeta, vc acredita em papai noel, renan calheiros, coelhinho da páscoa, lula, etc. vai dormir.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*