PR sobe para o 5º lugar em desenvolvimento municipal | Fábio Campana

PR sobe para o 5º lugar em desenvolvimento municipal

Da Gazeta do Povo:

O Paraná foi um dos motores da melhoria de vida na média das cidades brasileiras durante as duas últimas décadas. Entre 1991 e 2010, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) do Brasil cresceu 47,5%, enquanto o paranaense subiu 47,7%. O avanço fez o estado chegar à quinta colocação entre as 27 unidades da federação, ultrapassando o Rio Grande do Sul. O Paraná não tem mais nenhuma cidade com IDH-M muito baixo, que é faixa que vai de 0 a 0,499.

Os dados foram divulgados ontem pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Brasília, e seguem como referência os três últimos censos realizados no país – 1991, 2000 e 2010. Nesse período, o IDH-M do Brasil passou, respectivamente, de muito baixo (0,493) para médio (0,612) e alto (0,727).

Os números comprovam que as melhorias não aconteceram apenas recentemente, a partir da implantação de programas de distribuição de renda como o Bolsa Família. O índice seguiu uma tendência de alta similar nas duas décadas passadas, primeiro de 0,119 (24,1%) e depois de 0,115 (18,8%).

“O protagonista dessa mudança é o brasileiro. O Bolsa Família exerce um papel coadjuvante, embora merecesse o Oscar de ator coadjuvante”, avalia o presidente do Ipea e ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Néri.

Educação

Entre os três componentes do índice (longevidade, educação e renda), a educação foi o que mais avançou proporcionalmente, mas continua sendo o mais fraco – aumentou de 0,279 para 0,456 a 0,637.

Enquanto isso, a renda subiu de 0,647 para 0,692 e 0,739 e a longevidade de 0,662 para 0,816. “O Brasil tem demonstrado que é possível, em muito pouco tempo, mudar a condição de um país”, disse Jorge Chediek, o representante residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Humano (Pnud) no Brasil.

Divisão

Um grupo de 4.122 municípios (74% do total) encontra-se atualmente nas faixas de IDH-M médio ou alto. Só 44 cidades (0,8%), no entanto, fazem parte da faixa de desenvolvimento considerado muito alto (entre 0,800 e 1).

No Paraná, o maior avanço do índice (22,2%) ocorreu entre 1991 e 2000, quando houve um acréscimo de 0,143 – de 0,507 para 0,650. De 2000 a 2010, o crescimento perdeu força (14,06%) e ficou em 0,099 – de 0,650 para 0,749. Foi na última década, porém, que o estado superou o Rio Grande do Sul, cujo indicador passou de 0,664 (em 2000) para 0,746 (em 2010).

Assim como aconteceu com o Brasil, a educação foi o indicador com maior avanço no Paraná. Entre as três medições, subiu de 0,298 para 0,522 e 0,668. Já a renda cresceu de 0,644 para 0,704 e 0,754 e a longevidade, de 0,679 para 0,747 e 0,830.


10 comentários

  1. aline
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 10:15 hs

    Dá-lhe Requião!!!!!Tudo feito no seu governo!!!

  2. terça-feira, 30 de julho de 2013 – 11:28 hs

    Acompanhei de perto o investimento principalmente na Educação, parabéns Requião.

  3. Palmense
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 12:40 hs

    Hoje me senti envergonhado em ver a matéria sobre o IDH do municípios paranaenses. Aqui em Palmas na década de 1990, estavamos entre os 50 no IDH, hoje caímos para 344 no IDH paranaense. Em contrapartida, aqueles que foram prefeitos de nossa cidade acumularam fortunas, compraram imóveis, fazendas, formaram seus filhos e netos nas melhores instituições de ensino do Estado. Monopolizaram a saúde, naquela época contavamos com três hospitais, hoje somente um. Pobre população palmense, enquanto os vereadores e prefeitos en riquezeram, o povo ficou sem saúde, educação, sem escolas de qualidade, Lamentável, Palmas sempre na contra-mão da história.

  4. Palmense
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 12:59 hs

    Outro fato de relevância e de se envergonhar e que o município de Palmas teve parte do seu território desmenbrado, sendo criado o município de Coronel Domingos Soares, esse que ficou com a maior parte das estradas municipais e onde a pobreza era maior. Considerando que isso ocorreu ha mais de dez anos, dá pra se notar a inércia de nossos vereadores e prefeitos. Ua cambada que somente pensam neles e em seus colobaradores. Enquanto um puxa saco de 1° Escalão (noemeado sem concurso em cargo comissionado) ganha mais de R$. 6.000,00, um professora em início de carreira não chega a R$. 1.000,00. Sem contar nossos veradores, que ganham mais de R$. 7.000,00 por mês, para darem nomes às ruas da cidade. VERGONHOSO, tomra que algum dles leia isso, ao menos aqueles que sabem ler.

  5. Darcy
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 13:04 hs

    Graças a FHC , Requião , Richa e Ducci porque na era Lula o Brasil caiu 8 posições e Fruet não conta , veio depois e a tendência do município é cair pelas tabelas

  6. João
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 13:11 hs

    Oi Aline, estudou na escola do Requião pelo jeito né… porque vc é analfabeta!
    Leia de novo para ver que o maior avanço foi de 1991 a 2000… Requião saiu em 93 e voltou só em 2002.

  7. luis
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 14:15 hs

    Se os fundamentos forem os acima relatados, a Aline tem razão e os terneiros, que se preparem para o inverno!!!!!

  8. loop
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 17:11 hs

    … e viva os 10 anos de PT … Com mais 10 anos outras cidades …

  9. silvajr
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 18:16 hs

    Viva Lula e viva Dilma!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  10. Douglas Nascimento
    quarta-feira, 31 de julho de 2013 – 8:01 hs

    Apesar de seus últimos governantes o Paraná está crescendo, se arrastando, é claro, mas se for mantida a tendência em alguns anos a distância com o Estado de Santa Catarina só
    aumentará no IDH. É só ver e reconhecer a qualidade de vida
    de que usufruem nossos vizinhos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*