PF liga ministro a empresa sob suspeita | Fábio Campana

PF liga ministro a empresa sob suspeita

De Fausto Macedo, O Estado de São Paulo:

A Polícia Federal liga o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP), a executivos da Ideia Digital Sistemas Consultoria, supostamente favorecida em contrato superfaturado com a Prefeitura de João Pessoa (PB). Em trecho de relatório de 148 páginas, a PF destaca, com base em depoimentos de investigados, que Ribeiro teria participado de reunião, em 2009, para apresentar integrantes da Rede Brasileira de Visualização (RBV) “como pessoas credenciadas pelo próprio Ministério da Ciência e Tecnologia”.

O contrato sob suspeita foi financiado por convênio entre o governo federal e a Prefeitura de João Pessoa, no valor de R$ 6,25 milhões, para criação da rede metropolitana de banda larga sem fio – o projeto Jampa Digital. O acordo foi feito na gestão do então prefeito Ricardo Coutinho (PSB), eleito em 2010 governador da Paraíba. O vice-governador, Rômulo Gouveia (PSD), era deputado na época e destinou emenda ao Orçamento de R$ 18 milhões para o programa. A PF acusa Gouveia de corrupção.

O laudo pericial 161/2013 revela superfaturamento de R$ 1,662 milhão. “Além do desvio de. recursos, foi verificada a inexecução parcial do objeto contratual” diz a PF. Parte desse valor ; teria custeado despesas com o publicitário Duda Mendonça, que fez a campanha de Coutinho ao governo estadual. A PF imputa a Duda crime de lavagem de: dinheiro.

O hoje ministro Aguinaldo Ribeiro era secretário municipal de Ciência e Tecnologia da capital paraibana na gestão Coutinho, Ele não está entre os 23 investigados, mas a PF sugere à Procuradoria da República encaminhamento dos autos ao Supremo Tribunal Federal (STF), foro competente para autorizar eventual investigação.

Segundo o governo do Estado da Paraíba, o projeto foi licitado pela Secretaria Municipal de Ad-! Ministração e executado pela Secretaria de Ciência e Tecnologia, Foi essa pasta quem. elaborou o Termo de Referência em parceria com a RBV, “entidade credenciada pelo Ministério da Ciência e referendada pelo então secretário de Ciência e Tecnologia, hoje ministro das Çidades, Aguinaldo Ribeiro”.

A PF não acusa a RBV, mas destaca que seus representantes mantinham “relações profissionais” com a Ideia Digital A RBV é órgão ligado à Financiadora de Estudos e Projetos (Fi-nep), empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

O inquérito aponta para o executivo Paulo Badaró, então integrante da RBV. “Da leitura dos autos percebe-se que Badaró foi dealizador do projeto, tendo si; do convidado por Aguinaldo Ribeiro a assumir a Secretaria de Ciência e Tecnologia em João Pessoa/PB, Valeu-se da RBV a fim de facilitar o trâmite junto ao Ministério da Ciência e Tecnologia” sustenta a PF. “No último prazo concedido pela Procuradoria Regional da República indicativos foram obtidos e carreados aos autos em desfavor de Ricardo Coutinho, atualmente governador da Paraíba, e Aguinaldo Velloso Borges Ribeiro, ministro das Cidades.”

Relação- Ao citar o ministro, a PF menciona relato do professor Guido Lemos, da Universidade Federai da Paraíba, que também seria ligado à RBV. “Embora já constasse nos autos referências com seu..prenome, nada mais havia de robusto até as declarações. prestadas por Guido Lemos, sinalizando eventual relação de Aguinaldo Ribeiro com representantes da Ideia Digital antes mesmo do procedimento licitatório.”

Segundo Lemos, numa reunião estavam presentes Badaró e Aguinaldo Ribeiro. “Foi dito pelos presentes que a aquisição dos equipamentos seria baseada em um determinado registro de preços, que os equipamentos já estavam definidos.”

A PF cita Gilberto Carneiro, hoje procurador-geral do Estado e então secretário municipal de Administração. Ele também “sinalizou possível relação de Aguinaldo Ribeiro com representantes da RBV/Ideia Digital”.

Citados pela Polícia Federal

* Aguinaldo Ribeiro, ministro cidades

Era secretário de Ciência e Tecnologia de Joião Pessoa na época da implantação do projeto Jampa Digital. A Polícia Federal liga Ribeiro a executivos da Ideia Digital, que teria sido favorecida em contrato superfaturado com a prefeitura da capitai paraibana. O ministro não foi indiciado. A PF sugere o envio dos autos ao Supremo Tribunal Federal, que é o foro competente para autorizar uma eventual investigação.

* Duda Mendonça, publicitário

De acordo com inquérito da PF, parte dos recursos desviados pelo esquema teria custeado despesas com o publicitário por meio de empresas fantasmas. Duda foi o responsável pela campanha da Ricardo Coutinho (PSB), eleito em 2010 governador da Paraíba. A PF indiciou indiretamente o publicitário por lavagem de dinheiro.

* Ricardo Coutinho (PSB), governador da Paraíba

De acordo coma PF, sua campanha eleitoral recebeu parte do dinheiro desviado no esquema. 0 publicitário Duda Mendonça trabalhou na campanha de Coutinho, eleito em 2010 para o comando do Estado – Rômulo Gouveia foi eleito vice-governador.

*Rômulo Gouveia (PSD), vice-governador da Paraíba Em 2010, o então deputado
federal apresentou emenda ao Orçamento m valor de R$ 18,5 milhões para a implementação do Jampa Digital, destinado a distribuir internet de graça em João Pessoa. Segundo a PF» houve superfaturamento de R$ 1,662 milhão no contrato. 0 vice foi indiciado por corrupção passiva.

* Paulo Bandaró, ex-secretário de Ciência e Tecnologia.

Então integrante da RBV, vinculada à Ideía Digital, ele idealizou o Jampa Digital Segundo a PF, ele “foi convidado por Aguinaldo Ribeiro a assumir a Secretaria de Ciência e valeu-se da RBV a fim de facilitar o trâmite junto ao Ministério da Ciência e Tecnologia”


Um comentário

  1. fiscalde realeza
    terça-feira, 23 de julho de 2013 – 20:06 hs

    nao é o minbistro joaquim barbosa que abriu uma empresa para desviar recursos e impostos do brasil esse sim é otario

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*