Ney Leprevost apoia mobilização dos médicos | Fábio Campana

Ney Leprevost apoia mobilização dos médicos

O deputado estadual Ney Leprevost, líder da Frente Estadual da Saúde e Cidadania, manifestou apoio à mobilização nacional dos médicos e da sociedade com passeatas em todo território nacional ,principalmente contra a intenção do Governo Federal em trazer médicos do exterior para trabalhar no Brasil.

Ney lembrou que já em junho desse ano, portanto antes do pronunciamento da presidente Dilma ,protocolou um projeto de lei estabelecendo que só poderão trabalhar no Paraná médicos portadores de registro profissional do Conselho Regional de Medicina ( CRM) do seu respectivo Estado.

O projeto também estabelece que para que o CRM conceda registro profissional a médicos formados no exterior, será exigida a aprovação em prova e conhecimento de conteúdo especifico realizada por instituição de ensino superior estadual ou federal ou aprovação no Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras (Revalida).

O deputado disse que “é preciso melhorar os hospitais, disponibilizar remédios e criar um plano de carreira para todos os profissionais de saúde.”

Ainda sobre o projeto de sua autoria, Ney cita que também inclui a exigência de aprovação em prova de domínio do uso do idioma pátrio, em caso de estrangeiros que se naturalizarem brasileiros, para concessão de registro profissional a médicos formados em países de língua não portuguesa. O artigo mais importante do projeto de Leprevost,estabelece que o Governo o Paraná crie programa de incentivo para que os médicos se instalem no interior do Estado.

De acordo com o parlamentar, “os médicos devidamente registrados no Conselho Regional de Medicina, tem sua atuação profissional balizada pelos conceitos éticos do Código de Ética Médica, a capacitação acadêmica devidamente avaliada e sua conduta profissional fiscalizada, o que assegura a prática de uma medicina de qualidade em nosso estado.”

MANIFESTAÇÃO

Referindo-se a manifestação dos médicos nesta quarta-feira, disse apoiar os principais reivindicações da classe, tais como:

1) Aprovação urgente da PEC 454 em tramitação na Câmara dos
Deputados, que prevê uma carreira de Estado para o médico (semelhante ao que ocorre no Judiciário), único caminho para estimular a interiorização da assistência com a ida e fixação de médicos em áreas de difícil provimento;

2) Incentivar a coleta de 1,5 milhão de assinaturas para tornar viável a apresentação do Projeto de Lei de Iniciativa Popular Saúde + 10, que prevê mínimo de 10% da receita bruta da União em investimentos na saúde;

3)
Defender a derrubada do
Decreto Presidencial 7562, de 15 de dezembro de 2011, que modificou a Comissão Nacional de Residência Médica, tornando-a não representativa e refém dos interesses do Governo, o que sucateou a formação de médicos especialistas no país;

4) Atuar contra a importação de médicos estrangeiros sem revalidação de seus diplomas com critérios claros e rigorosos, conforme a prática mundial e o previsto na legislação vigente.
Defesa do uso do Programa Revalida, do Governo Federal, em seus moldes atuais;

5) Vistoriar as principais unidades de saúde do país, encaminhando denúncias ao Ministério Público e outros órgãos de fiscalização, revelando a precariedade da infraestrutura de atendimento que afeta pacientes e profissionais.


16 comentários

  1. silvajr
    sexta-feira, 5 de julho de 2013 – 19:29 hs

    Por que rico é sempre contra os ´pobres? esses médicos vêm para atender a saúde básica.

  2. silvajr
    sexta-feira, 5 de julho de 2013 – 19:33 hs

    Segundo o Globo, MT oferece salários de R$ 30 mil para fixar médicos no interior
    Ainda assim, houve município que passou um ano sem efetuar contratação, por falta de candidatos.

    Ainda assim, tem político que é contra a vinda de médicos do exterior onde os nossos mauricinhos não se dispõem a ir.

    Vergonha, sr. Leprevost

  3. Paulo Benes
    sexta-feira, 5 de julho de 2013 – 21:16 hs

    Eu vi a matéria no jornal que na cidade de Laranjeiras do Sul, tem um hospital novíssimo e pagam 25.000,00 reais e não tem médico que quer, ainda, que a cidade não das menores, então, algum problema tem, mesmo o SUS estando defasado, a verdade que o não querem trabalhar… além de virem bons médicos de fora, abrir novas faculdades de medicina…

  4. Dr. Flávio
    sexta-feira, 5 de julho de 2013 – 23:15 hs

    Obrigado, amigo Ney. Os médicos do Paraná e os pacientes do SUS agradecem seu gesto.

  5. Letícia
    sexta-feira, 5 de julho de 2013 – 23:17 hs

    Este sim trabalha pela saúde. Sempre está nas boas causas ajudando os hospitais, os pacientes e os profissionais de saúde .

  6. Vera do HC
    sexta-feira, 5 de julho de 2013 – 23:18 hs

    O Ney Leprevost fez aquele excelente projeto do ônibus Inter Hospitais e ajuda a Rede de Combate ao Câncer. É gente nossa !

  7. Gilmar
    sábado, 6 de julho de 2013 – 8:06 hs

    Palavras de um Médico (que eu conheço e admiro cada vez mais), Dr Demetryus Schila.

    Me desculpem meus colegas médicos mas enquanto as faculdades de medicina em nosso país formarem médicos que saem da faculdade……:
    1-) Sem saber a utilidade e para que servem um estetoscópio, esfigmomanômetro, termômetro, lanterna, abaixador de língua, otoscópio, oftalmoscóspio…..tudo resumido na boa e velha maleta médica!
    2-) Sem um par de orelhas para ouvir seus pacientes…..
    3-) Sem um par de mãos para tocar e examinar seus pacientes……
    4-) Um mínimo de paciência para lidar com os “ossos do ofício”
    5-) Achando que verminoses não existem mais, sarna é coisa do passado e se não sei o que é, então é virose……( não cola mais!!)
    6-) Sem saber fazer um parto NORMAL, ou dar o atendimento primário a uma parada cardio respiratória( coisas que a vizinha ou um socorrista faz com os pés nas costas)
    7-) achando que para trabalhar é sempre necessário ter ao lado um aparelho de ressonância de última geração, um ecógrafo de sabe lá quantos D (3D, 4D…..) e se não nos for oferecido isso significa que não estamos tendo condições de trabalho! Acreditando que só a medicação apresentada no último congresso ( é claro patrocinado pelo fabricante da tal medicação) é que serve e todas as demais são ultrapassada sem nem mesmo saber se o paciente poderá comprá-la.
    9-) Acreditando que por ser médico obrigatoriamente terá que ficar rico com a profissão e só por ser médico terá que ser respeitado sem nada fazer para tal….
    10-) Sem nada saber sobre a realidade de seu país, sobre o que é saúde pública ou como ela funciona e se funciona…..e que uma vez tendo aceito trabalhar por uma determinado valor não deverá reclamar para o paciente que não recebe o que acha merecer e por isso não lhe dará o atendimento que ele merece…

    Sou e sempre serei solidário as reclamações dos meus colegas mas não tenho observado entre as nossas reivindicações, os questionamentos necessários quanto a qualidade da formação médica em nosso país, e se continuarmos a “formar” especialistas antes de médicos, nunca teremos o apoio da população a nossa causa, o que a tornará menor sendo sempre bom lembrar que é pela população e para população que nossa profissão existe e o colega que for humilde para ouvir o que pensam os pacientes sobre nós ficará sabendo que nosso “telhado de vidro” está bastante grande e fino.Vamos pensar nisso, do contrário nossos colegas gringos acabaram fazendo muito sucesso por aqui!!!

  8. Palpiteiro
    sábado, 6 de julho de 2013 – 14:37 hs

    Há um evidente processo de cubanização do país. Curandeiros estrangeiros, muitos oriundos dos movimentos sociais petistas que foram exportados para lavagem cerebral nas terras do assassinos Castro e voltam para servir de missionários no interior do Brasil, catequizando as massas com ideais vagabundas lulopetistas. É um perigo de instrumentalização da medicina como parte do processo de aparelhamento lulopetista das instituições brasileiras.

  9. Analista Político
    sábado, 6 de julho de 2013 – 16:40 hs

    O deputado Leprevost sempre está lutando pela saúde dos mais pobres . Mas desta vez , ao se opor a vinda dos médicos cubanos , também mostra ser um defensor da democracia em nosso país . O governo federal quer gastar dinheiro público para importar defensores do regime castrista para doutrinar o povo . Esta é a verdade nua e crua .

  10. cesar - eu mesmo
    sábado, 6 de julho de 2013 – 21:38 hs

    Mas é PA KA BA, sempre tem uns PALPITEIROS, falando besteira.
    Aqui Já foi dito tudo. Temos bons médicos, temos bons postos de saúde, bons hospitais, mas que faltam médicos em muitos lugares e com bom salário, há isto esta faltando. E tá faltando muita vergonha na cara de muitos médicos, como foi dito pelo GILMAR.

  11. Rodrigo Franca
    sábado, 6 de julho de 2013 – 21:47 hs

    O Ney esta sempre defendendo os interesses do Brasil. Concordo com ele, nao precisamos importar medicos cubanos para atender os brasileiros. Melhor seria capacitar os medicos daqui, pagar melhor esses profissionais e dar condicoes para eles trabalharem com dignidade no territorio nacional. Esses cubanos vem pra pregar aqui a velhar cartilha do Sr. Fidel. Se os medicos cubanos sao tao bons, por que Lula se tratou no Brasil e nao em Cuba?

  12. Leocadio
    sábado, 6 de julho de 2013 – 21:55 hs

    O Ney Leprevost é um dos poucos que ainda consegue entender o sentimento do povo . Será que a ” presidenta ” Dilma e o PT nunca vão parar de substimar a inteligência dos brasileiros ??? Porque ela e o Lula não foram se tratar com os médicos cubanos ? Safadeza dessa ptzada !!

  13. Gauchão
    sábado, 6 de julho de 2013 – 23:27 hs

    E no caso Tribunal de Contas qual sua posição ?

  14. Verônica
    domingo, 7 de julho de 2013 – 13:12 hs

    Jovem , culto , inteligente , honesto , carismático e humano ; Ney Leprevost é o homem ideal para liderar a construção do Brasil que nós queremos !

  15. SPRING
    domingo, 7 de julho de 2013 – 20:35 hs

    Analista concordo com você, alem do mais, querem importar aqueles que são filhos do pessoal do MST, que eles mandaram para lá estudar, custearam seus estudos e agora querem trazer para doutrinar o povâo

  16. Valquíria
    segunda-feira, 8 de julho de 2013 – 0:32 hs

    Quem defende a vinda de médicos cubanos para o Brasil, é porque não conhece o dia a dia da saúde pública.

    Faltam remédios, equipamentos, estrutura…

    Se o Fidel quer enviar seus pseudo médicos que, sem demérito algum , tem formação semelhante ao dos agentes municipais de saúde.Pois conhecem prevenção mas não fazem medicina curativa, que mande também tudo isto.

    É duro admitir, mas o Leprevost mais uma vez é a única vóz certa que se levanta.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*