Naufrágio à vista | Fábio Campana

Naufrágio à vista

Ilimar Franco, O Globo

Os grandes partidos (PT, PMDB, PSD e PSDB) definiram que o primeiro tema a ser votado na Comissão da Reforma Política será emenda constitucional pelo fim das coligações nas eleições para deputado federal e estadual.

O coordenador da comissão, Cândido Vaccarezza (PT-SP), vai começar por aí. A intenção é liquidar com uma dezena de pedidos.


Mesmo assim, o clima é de pessimismo, porque os pequenos e médios partidos votarão contra, para assegurar suas sobrevivências. Um importante líder do PMDB comentou que o DEM, depois de ter sido dizimado pelo PSD, está mudando de posição.

Siga o Blog do Noblat no twitter

Ouça a Estação Jazz e Tal, a rádio do blog

Visite a página de vídeos políticos do Blog do Noblat

Receba este blogPermalinkEnvieCompartilheShare on facebookShare on googleShare on twitterComenteLer comentários (6)


8 comentários

  1. Jorge
    sábado, 13 de julho de 2013 – 16:00 hs

    Mesmo partindo de gente ligada a essa esculhambação petista devo concordar: TEM PARTIDO DEMAIS DA CONTA! Vamos fazer uma limpeza até para que se elimine ou pelo menos coloque um pouco mais quietos essa pancada de legendas que existe. Ninguém aguenta , com impostos, sustentar essa cambada com Fundo Partidário e outras mumunhas, e isso, que ainda se fala em FINANCIAMENTO PÚBLICO DE CAMPANHA! s o c o r r o!!!!!!!!

  2. Mané do Sudoeste
    sábado, 13 de julho de 2013 – 17:09 hs

    Já faz 20 anos que ouço falar em reforma política. Só acredito vendo, espero que tenham coragem de fazer algo…….Mas só, acredito,vendo…….semelhante a São Tomé.

  3. antonio cabrera de sá
    sábado, 13 de julho de 2013 – 17:23 hs

    Eu tambem sou igual São Tomé, quero ver primeiro.

  4. sábado, 13 de julho de 2013 – 18:40 hs

    Concordo com o Mané do Sudoeste.

  5. sábado, 13 de julho de 2013 – 18:42 hs

    Por quê os políticos fariam uma reforma contrariando os próprios interesses ?
    Se queremos algo neste sentido é via Projeto de iniciativa popular.
    E acampar na porta do Congresso, de resto é acreditar em duendes.

  6. Elton
    sábado, 13 de julho de 2013 – 19:39 hs

    Jorge,
    Discordo de você sobre o financiamento público de campanha: deveríamos sim era abolir qualquer financiamento privado de campanhas partidárias – imagina um deputado estadual cuja campanha foi bancada por uma concessionária de pedágio do Paraná. Qual o interesse esse deputado vai defender? Da concessionária ou do povo que paga pelo pedágio?
    Sou a favor de ser proibido qualquer tipo de propaganda que não seja na internet, no rádio e na televisão. Chega de sujeira de santinhos, cartazes e panfletagem para sujar nossas ruas em período eleitoral. Com propagandas em horários definidos no rádio e na TV as eleições seriam infinitamente mais baratas.

  7. VLemainski - Cascavel
    domingo, 14 de julho de 2013 – 11:11 hs

    O fim das coligações é muito bom… Mas desejamos ainda, voto distrital, já!… Proibição de doação para candidatos por empresas e limitação de doação por pessoas físicas, já!… Partidos com subordinação de seus eleitos aos seus dirigentes, às normas e à ideologia partidária, já!… Fim de suplentes para senador, já!…

  8. ÊITA!!!
    segunda-feira, 15 de julho de 2013 – 9:45 hs

    Porquê os políticos que querem esses partidos não botam a mão no bolso para sustentá-los e sustentar as campanhas eleitoreiras???

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*