Inquérito do caso Tayná deve voltar para a polícia, diz MP-PR | Fábio Campana

Inquérito do caso Tayná deve voltar para a polícia, diz MP-PR

Da Gazeta do Povo:

O inquérito que investiga a morte da adolescente Tayná Adriane da Silva, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, deve voltar para a Polícia Civil. O promotor Paulo Sergio Markowicz de Lima, um dos membros do Ministério Público do Paraná (MP-PR) que atua no caso, explica que assim que os quatro suspeitos forem libertados a investigação será devolvida para a autoridade policial.

“A polícia tem trinta dias para concluir as investigações, mas acreditamos que, no ritmo em que estão acontecendo, eles nos remetam (o inquérito) até antes”, afirmou o promotor em coletiva na sede do MP-PR, na manhã desta segunda-feira (15). Essa nova rodada de investigação é necessária porque, até o momento, não há provas que efetivamente acusem os suspeitos ou que indiquem a participação de outras pessoas no crime. Durante essa nova rodada de investigações, podem ser solicitados pedidos de prisão temporária ou preventiva de eventuais suspeitos.

“É importante que nós tenhamos bastante cautela porque temos a seguinte situação: uma confissão extrajudicial que está sendo questionadíssima quanto a sua validade e, de outro lado, tenho provas periciais que não estão confirmando essa confissão”, resume.

Pedido de liberdade

O promotor ainda explicou que o MP-PR protocolou um pedido de liberdade em caráter de urgência. Nesses casos, em 24 horas o juiz deve analisar o pedido. O documento foi protocolado na tarde de domingo (14) e não foi analisado pelo juiz de plantão, que alegou não conhecer suficientemente o caso. O processo foi encaminhado à juíza responsável pelo caso, Aline Passos, que deveria recebê-lo assim que o expediente abrisse, ao meio-dia.

No entendimento do MP-PR, a manutenção da prisão de um suspeito só pode ser feita se há elementos que certifiquem a autoria do crime. No caso da morte de Tayná, além de os acusados alegarem a confissão do crime sob tortura, as provas periciais não os incriminam diretamente. “Nós resolvemos ter essa cautela e pedir a liberação deles nesse momento”, afirma.

Os quatro suspeitos podem, inclusive, entrar para um programa de proteção de testemunhas. Isso ocorre porque, apesar de ainda não terem sido descartados como suspeitos no caso de homicídio, foram vítimas de tortura e relataram ter recebido ameaças nesse processo. Nesse caso, o MP-PR deve decidir ainda nessa tarde se eles receberão um apoio especial após serem soltos.


10 comentários

  1. segunda-feira, 15 de julho de 2013 – 17:55 hs

    Isso é uma p u t a v e r g o n h a !

  2. Marcos Batista
    segunda-feira, 15 de julho de 2013 – 19:04 hs

    estes bandidos foram soltos e viraram anjos que apanharam… eles usaram tudo isto para levar vantagem, depois o exame deu negativo, claro que orientados por alguem. Geralmente presos batem em abusadores sexuais e isto todos fingem que não sabem. Com o tempo todos vão ver como foram estes sim e talvez mais alguem, que não se sabe quem.

  3. CARUNCHO
    segunda-feira, 15 de julho de 2013 – 20:10 hs

    E AGORA GOVERNADOR E SECRETÁRIO DE SEGURANÇA ?
    O DIRETOR GERAL DA PC CONTINUA ? ESSE CASO VAI REPERCUTIR E MUITO NA ELEIÇÃO DO ANO QUE VEM. EM UM ESTADO SÉRIO TODA A CÚPULA DA PC JÁ TERIA SIDO EXONERADA.

  4. salete cesconento de arruda
    segunda-feira, 15 de julho de 2013 – 21:37 hs

    Fabio
    Retire todo e qualquer comentário meu por favor!
    Estamos sendo ameaçados e não queremos correr mais risco do que já corremos. Toda luta em Curitiba como você sabe tem sido uma guerra. Vamos confiar que TODA VERDADE seja investigada agora pelos Orgãos que já estão envolvidos uma vez que as mães já encaminharam tudo o que era possível para Brasília e Org. dos Direitos Humanos.
    Obrigada.
    Se possível entrevista Dona Isabel Mendes. As mães agradecem.
    Aqui de longe acompanho tudo.
    Estou fora do Brasil mas venho com ESPANTO essa triste realidade que sei também te TOCA O CORAÇÃO!
    Abraços

  5. terça-feira, 16 de julho de 2013 – 10:02 hs

    salete já se adiantou e fugiu do país.

  6. Bacharel em Direito
    terça-feira, 16 de julho de 2013 – 10:12 hs

    Policia Civil do Paraná na UTI, os médicos Governador e Secretário aplicando homeopatia. Delegados velhos, desgastados e com passado cheio de broncas(processos administrativos e criminais) e sem conhecimento técnico-jurídico para comandar as principais delegacias do Estado. Esse quadro é legado da época em que os delegados entravam pela porta dos fundos nos concursos ou eram os chamados calças curtas, o Paraná foi o último Estado da Federação a abolir esta situação. A sensação de impunidade só aumentará no seio do Povo.

  7. Cansado
    terça-feira, 16 de julho de 2013 – 14:57 hs

    Oque esperar de uma polícia que pune policiais que fecham cassino clandestino, permitem jogos de azar, usam viaturas para ir na zona, etc., etc., etc..
    O pior é que um delegado geral ganha o dobro do salario para ficar ai fazendo vista grossa.
    Um corregedor geral ganha o dobro para não fazer NADA!
    Delegados divisionais envolvidos nas mais diversas falcatruas também ganham mais.
    Escrivães e investigadores que aceitam ficar calados para que sejam prejudicados dentro da instituição.
    Enfim. Pode fechar as portas desta espelunca chamada Polícia Civil do Estado do Paraná.

  8. Miguel D'Ávila
    quarta-feira, 17 de julho de 2013 – 1:23 hs

    Pela importância crucial, é preciso comprovar, se na filmagem da menina passando na rua, é ela mesma, e se a cena é efetivamente gravação do dia em que ela sumiu, para eliminar a possibilidade de ser de dia anterior. Se a imagem não é da menina, ou é de outro dia, isso muda o momento e o lugar em que se possa presumir que ela sumiu.

  9. Valmir
    quarta-feira, 17 de julho de 2013 – 16:37 hs

    Mesmo com a presença de um Delegado de Polícia na condução da investigação, uma pessoa formada em Direito, houve toda essa quebra de protocolo como está sendo divulgada? Como pode?

  10. Daniel
    quarta-feira, 17 de julho de 2013 – 19:19 hs

    A mídia e a população cometeram o mesmo erro da polícia, que apresentou suspeitos como culpados, agora temos esses mesmos suspeitos apresentados como vítimas…será? Em sua primeira coletiva à imprensa, não apresentavam sinais de tortura, não mencionaram nenhuma irregularidade em sua prisão, e descreveram o crime em detalhes…agora são vítimas, e a pobre menina, morta cruelmente, parece esquecida…triste e estranho mundo esse em que vivemos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*