Dois mil participaram de manifestação dos médicos, diz CRM | Fábio Campana

Dois mil participaram
de manifestação dos médicos, diz CRM

Do G1 PR:

Cerca de duas mil pessoas participaram da manifestação dos profissionais de saúde na manhã desta quarta-feira (3), em Curitiba, de acordo com o Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR). Até as 16h, a Polícia Militar (PM) não sabia informar o número de manifestantes. A passeata começou por volta das 10h30 na Boca Maldita e terminou por volta do meio-dia na Praça Santos Andrade, em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Os manifestantes protestaram contra o projeto do governo federal de trazer profissionais estrangeiros para atuar, temporariamente, no Sistema Único de Saúde (SUS) sem exigir a revalidação dos diplomas. A manifestação também ocorre outros estados brasileiros.

Segundo o Conselho Regional de Medicina, não houve paralisação de atendimento para que a manifestação fosse realizada. Apenas a Santa Casa e o Hospital Cajuru reduziram o atendimento para que os profissionais participassem do protesto.

Em Rio Negro, a100 quilômetros da capital paranaense, dos 70 médicos atuantes nos municípios de Rio Negro e Mafra (SC), 40 médicos participaram da manifestação, que começou às 11h, conforme o Conselho Regional de Medicina. A passeata seguiu até Mafra, onde acabou por volta das 13h.

Ambos os protestos ocorreram pacificamente. Mais manifestações estão previstas para o fim da tarde e início da noite desta quarta-feira em Campo Mourão, na região centro-ocidental; Foz do Iguaçu, no oeste; Francisco Beltrão e Pato Branco, no sudoeste; Londrina, no norte; e Ponta Grossa, na Região dos Campos Gerais.


16 comentários

  1. wal
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 10:38 hs

    deveriam ter vergonha na cara e ir trabalhar, ganham muito, pelo pouco que fazem.

  2. Marcio
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 10:57 hs

    PROPONHO REVALIDA PARA TODOS OS MÉDICOS QUE SE FORMAREM, IGUAL A OAB DOS ADVOGADOS, QUERO VER SE ELES SÃO A FAVOR DISTO TBM… PURO CORPORATIVISMO

  3. Mané do Sudoeste
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 10:59 hs

    Por quê será que estão preocupados com médicos estrangeiros ? Tem muitos médicos braasileiros que deveriam fazer o revalida também.Eita classe corporativista, que quanto pior o sistema, melhor para eles. Falta de estrutura para trabalhar é papo furado. Para se fazer uma consulta de atenção básica, não precisa muitos equipamentos, eles sabem. Tem que encher de médicos estrangeiros por aqui.

  4. UGAM-UNIÃO GUARAPUAVANA AS MOR
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 11:24 hs

    Muito interessante essa manifestação corporativa, existem médicos na manifestação porém FALTA médicos nos postos de saúde do interior. A maioria dos médicos do Brasil estão nas Capitais e nos seus consultórios particulares. Enquanto que no Sus quando atende não cumpre a carga horária.

  5. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 12:12 hs

    Ao contrário, sou a favor da migração de médicos, mas desde que eles tragam laboratórios completos – microscópios, lâminas, reagentes, suturas, gesso, maca, cabides de soro, esparadrapo, ambulâncias, mercúrio cromo, pinças, bisturís, etéque, etéque.

  6. S I N F R O N I O
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 13:17 hs

    Vige Maria seu CAMPANA, JÁ PENSOU QUANDO OS SEM MEDICOS, que ainda tem força para andar resolver sair as ruas, quebrando Posto médico, e os consultórios de medicos que marcam consulta da UNIMED para daqui a 60 dias.

  7. cesar - eu mesmo
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 14:17 hs

    Dizia sempre o Aragão Filho, deste jeito Jesus não volta. E tá certo, o povo pede saúde e os médicos, ó para o povo.

    Senhores e senhoras médicos(as), a manifestação é para vocês também, não esqueçam.

  8. cesar - eu mesmo
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 14:25 hs

    Fábio, não deixe de publicar esta história. Espero que estes “deuses” leiam.
    O Médico que Recusou Socorro

    Um motorista que viajava de BH à SP vinha pela BR381 de madrugada, e numa curva ele quase passou por cima de um corpo estirado na estrada… por pouco ele não capotou seu carro para desviar do corpo. Passado o susto, com o carro parado no acostamento, ele fica olhando pelo retrovisor o corpo imóvel no asfalto. Depois de hesitar alguns segundos antes de descer do carro, pois pensava que poderia ser um assalto ou algo parecido, o motorista desceu do carro e se aproximou do corpo. Era um jovem de aproximadamente 23 anos que se encontrava desfigurado e todo ensanguentado mas que incrivelmente ainda respirava. – Me ajude… disse o jovem. O homem, sem pensar duas vezes carregou o garoto para o seu carro e saiu em disparada pela BR e entrou na primeira cidade (Varginha/MG) e de madrugada, não havia ninguém para informá-lo onde era o pronto-socorro daquela cidade que para ele era desconhecida. Por fim, ele chega a um hospital de plantão e na recepção ele é surpreendido pelo atendente. – Este é um hospital particular, o senhor tem que pagar uma taxa de 350 reais e se responsabilizar pela vítima. – Mas eu não tenho nada com isso, este rapaz eu encontrei na estrada e não fui eu quem o atropelei! disse o motorista. – Sinto muito, são as normas. – Mas eu estou fazendo uma caridade! O rapaz não podia ficar na estrada! retrucou o motorista. -Somente com a taxa e o termo de responsabilidade. insistia o recepcionista. – Mas ele morrerá sem socorro! – Espere um instante que eu vou chamar o médico de plantão, se ele quiser atender desta maneira… Pouco depois, o doutor aparece, um senhor de mais ou menos 50 anos… e sua resposta foi a mesma. – Só atendo com a taxa paga, nós não trabalhamos de graça, ele só entra aqui com a taxa paga. Irritado com a frieza do pessoal do hospital o motorista passa por cima do balcão de atendimento, pega o médico pela camisa e grita: – Se você não o atende aqui dentro vai atendê-lo lá fora!! Arrastando o médico pela gola da camisa, o motorista o leva até seu carro onde estava o rapaz e ao se aproximar, percebe que o médico foi amolecendo as pernas e começou a chorar… Se tratava de seu FILHO mais velho e que pela demora no atendimento já havia falecido. Dizem que até hoje este médico atende de graça todos os seus pacientes e jamais cobrou nenhum tipo de atendimento desde aquela noite que devido a sua ganância, deixou seu filho morrer.

  9. salete cesconeto de arruda
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 14:27 hs

    Aqui na frente do prédio da globo tinha mais de 2000 gritando palavras contra essa máfia de monopólio que MATA bons JORNALISTAS.
    Vamos cobrir de PRETO o prédio da globo.
    Questão de tempo.
    VAMOS SALVAR OS BONS JORNALISTAS dos podres interesses dos patrões que insistem em se dizer imprensa.
    O quarto poder DEMOCRATIZADO é garantia de LIBERDADE DE EXPRESSÃO.
    Viva o POVO BRASILEIRO que agora já não tem medo de ir às ruas.
    Acabou o tempo do pão e circo que lhes era dado para se manterem calados.
    Agora é casa, comida, estudos, emprego, carro… e até viajar de avião no lado dos bacanas é um programão que mata os medianos medíocres!
    Bendita blogosfera que SALVA BONS JORNALISTAS!

  10. Alessandro
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 15:12 hs

    “EI, DILMA, VAI CUIDAR DO SUS!”
    Era o grito de guerra dos médicos.

  11. Tisa Kastrup
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 15:31 hs

    Ontem minha mãe chorou na rua.
    Em 1978 (portanto, já com seus três filhos debaixo do braço pra cuidar) ela se formou em medicina pela UFPR. Foi a 1a. colocada da turma de 160 alunos. Sua média (repito: a média) de notas nos seis anos da faculdade foi 9,6. Mesmo tendo passado 35 anos da sua formatura, até hoje NINGUÉM TEVE AS MESMAS NOTAS QUE ELA. Depois ela ainda fez mais dois anos de residência médica e mais um ano de especialização em endocrinologia. Ontem, aos 73 anos, ela foi pra rua vestida de branco na passeata dos médicos curitibanos na Rua XV, protestar contra a importação de médicos cubanos.

    Minha mãe chorou por que ela também faz parte dos 371.788 médicos brasileiros que diariamente atendem pacientes no chão, nos corredores, e depois os “internam” em cadeiras, macas e até mesmo sobre armários e balcões, por falta de leitos nos hospitais brasileiros. Ela sabe que a “culpa” não é dos médicos, e sim do governo. Ela sabe que a solução não é distribuir pelo interior mais 6 mil médicos que nem o português não sabem falar! Como membro do CRM-PR ela sabe que menos de 9% dos médicos estrangeiros consegue passar no REVALIDA – exame técnico (e não político) que é aplicado pelo CRM para revalidar o diploma estrangeiro no Brasil.

    Minha mãe chorou de pena dos jovens médicos que viu nesta passeata de hoje, e que passaram pelo mesmo esforço de estudo dela para serem depois desprezados por governantes que confundem medicina com guerrilha política. Chorou por saber que estes jovens médicos ainda terão muito chão pela frente até poderem praticar uma medicina que respeite a vida do paciente em primeiro lugar, e não sua ideologia política.

    Minha mãe chorou por ver o carinho do povo que se juntava espontaneamente aos médicos pela Rua XV, entendendo (afinal, são o outro lado do mesmo problema chamado SUS) que estão – médicos e pacientes – do mesmo lado, oprimidos pelo governo federal.

    Minha mãe chorou por ver ao seu lado médicos de padrão e renome internacional, que levam mais de 4 meses para receber do SUS míseros R$ 160,00 por um parto de trigêmeos onde ele tem em suas mãos quatro vidas de uma só vez.

    Ela chorou por ter plena consciência de que com o governo petralha atual nada disso vai mudar, nem rolando muito (mais) sangue.

    Ontem minha mãe chorou na rua.
    E ela chorou foi de vergonha!
    E isso me fez chorar junto.

  12. Pedro Rocha
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 17:25 hs

    Lulla e Dilma pouco estão se lixando pra saúde dos miseráveis. O único interesse da dupla demoníaca é pagar a promessa feita ao líder moribundo fidel, cuja contratação significa dólares em conta corrente, e ter mais 7 mil militontos petistas hablando em portunhol lá nos rincões do cu do judas, falando bem dos dois; de fidel, e de Cuba.
    Inda bem que esse pesadelo chamado petê tá acabando.

  13. justino bonifacio martins
    quinta-feira, 4 de julho de 2013 – 18:16 hs

    Enquanto esses almofadinhas que, na sua grande maioria, estudaram em universidade pública pagos com o dinheiro dos trabalhadores, fazem greve; faltam médicos no SUS e no interior do Paraná. Por que? Porque a saúde está mercantilizada. Qué vengan los cubanos!

  14. escobar
    sexta-feira, 5 de julho de 2013 – 8:49 hs

    O médicos viraram mercenários, salvo raras exceções, só trabalham pelo amor ao dinheiro. Deveriam brigar, se se interessassem pelo povo, pelo fim da sistema de saúde privado, enquanto este existir é obvio que o sistema público não vai ter qualidade.

  15. cesar - eu mesmo
    sexta-feira, 5 de julho de 2013 – 12:18 hs

    incrivel!, segundo eles o brasil, não defendendo o governo atual, só teve governo ptralha. E os psdbtralhas? demtralhas?, e outralhas e vocestralhas?? não esqueçam tudo que voces esta fazendo de errado, a manifestação é para voces também.

    hein Tisa Kastrup? hien pedro rocha? e falou muito bem justino bonifacio martins.

  16. Fernando da Silveira
    sábado, 6 de julho de 2013 – 17:04 hs

    Uma grande lista de “nãos” a votar

    Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
    Por Luiz Sérgio Silveira Costa

    Seja Plebiscito ou referendo, votamos “NÃO” para:

    1- a inflação;
    2- a maioridade penal aos 18 anos;
    3- Feliciano e a cura gay;
    4- as férias de 60 dias de políticos e juízes;
    5- tantos deputados e senadores por estado;
    6- partidos nanicos;
    7- a desfaçatez dos petistas;
    8- planilhas de custos de transportes públicos escondidas;
    9- o conluio de empresários com o governo;
    10- financiamentos públicos e privados de campanhas políticas;
    11- o voto fechado, em lista;
    12- o senador suplente sem voto;
    13- os atos secretos no Senado;
    14- a lerdeza, agravos e embargos da Justiça;
    15- os marajás do serviço público;
    16- Sarney, o homem incomum;
    17- a “presidenta” e o menor “apreendido”;
    18- o politicamente correto;
    19- o coeficiente eleitoral;
    20- o populismo;
    21- a péssima infraestutrura;
    22- os professores malpagos;
    23- a insegurança pública;
    24- hospitais públicos desumanos;
    25- ONGs recebendo dinheiro público;
    26- invasões e depredações de propriedades;
    27- o radicalismo ecológico;
    28- as passeatas gays;
    29- o BBB;
    30- o descaso com os aposentados;
    31- o horário eleitoral;
    32- a miséria dos cortadores de cana e dos que sofrem com as secas;
    33- o pré-sal inalcançável;
    34- a desobrigação com o superávit primário;
    35- o assento no Conselho de Segurança da ONU;
    36- 39 ministérios;
    40- 22 mil cargos comissionados;
    41- as visitas e empréstimos a Cuba;
    42- as embaixadas em países desimportantes na África;
    43- o ministro Mantega e seu falso otimismo;
    44- o Foro de São Paulo no Brasil;
    45- Gilberto Carvalho e Marco Aurélio “top top”;
    46- os mensaleiros soltos;
    47- Genoino e João Paulo no Congresso;
    48- Renan, presidente do Senado;
    49- o auxílio-alimentação aos juízes;
    50- Cabral e seus imóveis incomprovados e alaranjados;
    51- o caso Rosemary não desvendado;
    52-as CPIs que acabam em pizza;
    53- os médicos cubanos;
    54- empréstimos a países africanos;
    55- Battisti no Brasil;
    56- a invocação de direitos humanos para aqueles que desrespeitam os direitos humanos;
    57- a aposentadoria para políticos;
    58- os penduricalhos salariais que varam o teto constitucional;
    59- as obras inacabadas, superfaturadas, malfeitas e não fiscalizadas;
    60- a presunção da inocência;
    61- a progressão da pena;
    62- o progresso continuado nas escolas;
    63- o limite de 30 anos de prisão;
    64- Cavendish e Cachoeira;
    65- juízes corruptos aposentados, em vez de demitidos;
    66- o foro privilegiado;
    67- auxílio-reclusão;
    68- a extinção de punibilidade para quem tem mais de 70 anos;
    69- os palácios na Justiça;
    70- cargos iguais com salários desiguais entre os poderes;
    71- as reservas indígenas contínuas;
    72- o subsídio a fundo perdido;
    73- a cultura da mentira por políticos e seus advogados;
    74- as notas frias;
    75- as verbas de gabinete de deputados e senadores;
    76- a elevada carga tributária;
    77- a contabilidade criativa das contas públicas;
    78- a proibição de uso de algemas nos bandidos;
    79- o trem da alegria;
    80- índios inimputáveis;
    81- os celulares nos presídios;
    82-a aposentadoria sem contribuição anterior;
    83- dinheiro nas meias, cuecas e quartos de hotel;
    84- as balas perdidas;
    85- os gastos secretos na Presidência da República;
    86- os cartões corporativos;
    87- o plano de saúde vitalício para senadores, ex-senadores e familiares;
    88- a nomeação de políticos derrotados nas urnas para cargos públicos;
    89- o aumento no número de municípios e seus vereadores;
    90- a cooptação, à custa de recursos financeiros, de sindicatos, movimentos sociais e de estudantes;
    91- as milícias nas favelas;
    92- 20 mil funcionários no Congresso;
    93- a contribuição sindical obrigatória;
    94- os livros escolares nas escolas públicas exaltando o socialismo e criticando o capitalismo;
    95- as licitações combinadas e superfaturadas;
    96- padres pedófilos;
    97- o pagamento de horas extras não trabalhadas a funcionários do Congresso;
    98-o vice-presidente da República sem funções administrativas;
    99- congressistas ganhando 15 salários anuais e outros adicionais;
    100- as compras sem licitação;
    101- o nepotismo direto e cruzado;
    102- o encanto com as ditaduras de esquerda;
    103- o Mercosul;
    104- a (C)Omissão da Verdade;
    105- políticos se tratando no Sírio e Libanês com recursos públicos;
    106- os recursos não contabilizados (Caixa 2);
    107- o “nosso guia”, “Lula é Deus” e “brigou com Lula brigou comigo”;
    108- ministros participando em conselhos de administração de empresas públicas;
    109-s estrelas do PT em jardins;
    110- a ubiquidade da corrupção;
    111- a utopia de uma sociedade sem classes;
    112- a desordem urbana;
    113- o indecoro parlamentar;
    114- o partido em vez de o País;
    115- Dirceu em liberdade;
    116- os latrocínios desumanos;
    117 – o uso inapropriado dos jatinhos da FAB;
    118- a deterioração das contas externas;
    119- a falta de rigor fiscal;
    120- a desvalorização do câmbio;
    121- o uso político da Petrobrás;
    122- o analfabetismo;
    123- contrabando de armas e drogas;
    124- o controle da mídia;
    125- dar dinheiro para construir hospital na Palestina;
    126- a evasão escolar;
    127- as filas nos hospitais;
    128 – pais dormindo nas ruas para matricular seus filhos em escola públicas;
    129 – mensaleiros, cuequeiros, aloprados, sanguessugas,,,,,,,,;
    130- o “Volta Lula”;

    Luiz Sérgio Silveira Costa é Almirante reformado.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*