Dilma avalia mexer na regra que corrige o salário mínimo | Fábio Campana

Dilma avalia mexer na regra que corrige o salário mínimo

Da Agência O Globo, via Gazeta do Povo:

Mesmo com menos fôlego, a inflação ainda aflige o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que pediu à sua equipe sugestões de novas medidas para domar o problema. O secretário de Política Econômica, Márcio Holland, é o encarregado de propor ações e já levou algumas ao chefe. Uma delas é polêmica, especialmente às vésperas de um ano eleitoral, mas conta com apoio cada vez maior na Fazenda e no Banco Central: mexer na regra de correção do salário mínimo.

Num governo do Partido dos Trabalhadores, ninguém vocaliza publicamente que a fórmula que garantiu ganhos reais à população nos últimos anos é uma pedra no caminho do combate à inflação. Mas técnicos afirmam nos bastidores que seria mais fácil conter a alta dos preços sem ela. Lei que vigora até 2015 prevê que o mínimo seja reajustado pela variação do INPC no ano anterior e pelo crescimento da economia de dois anos antes.

O problema é que ela contribui para agravar a chamada inflação inercial, que ocorre quando a alta de preços do passado é usada para corrigir valores no futuro. Como boa parte dos beneficiários do INSS recebe o mínimo, a situação do governo fica ainda pior – tanto do ponto de vista inflacionário quanto de controle dos gastos públicos.


2 comentários

  1. Mr.Scrooge
    segunda-feira, 29 de julho de 2013 – 16:32 hs

    Mas como, não conceder aumento real ao Salário Mínimo? . Este não foi sempre o discurso do pestismo? Será que ele vai mudar agora? O SM não vai ter aumento real no ano que vem, e como é que fica o poder de compra do trabalhador? E em ano de eleição? Só pode ser brincadeira. O Vendedor de Ilusões deve ter concordado com a proposta, afinal de contas ele nunca saiu do Governo, não é mesmo companheira presidanta?

  2. IARA TEREZINHA FERREIRA DA CRU
    terça-feira, 30 de julho de 2013 – 9:50 hs

    SALÁRIO MÍNIMO….
    O NOME JÁ DIZ.,MÍNIMO.
    SEMPRE SERÁ…..

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*