Taniguchi enfrenta críticas ao "Tudo Aqui" | Fábio Campana

Taniguchi enfrenta críticas ao “Tudo Aqui”

O secretário de Planejamento, Cássio Taniguchi, enfrentou hoje na Assembleia Legislativa uma inflamada plateia, a maioria de sindicalistas, e esclareceu os detalhes do programa Tudo Aqui Paraná – centrais de serviços públicos que serão implantadas em Curitiba, Cascavel, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Londrina, Maringá e Ponta Grossa.

Taniguchi respondeu perguntas e adiantou que dois pontos do edital de licitação podem ser corrigidos – em relação a “outros serviços” oferecidos pelo Detran e a digitação de uma rubrica errada na previsão orçamentária. “O programa será viabilizado por parceria público-privada e vai proporcionar uma economia de R$ 150 milhões ao Estado”, disse.

O Tudo Aqui é inspirado em programas semelhantes com resultados eficazes em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Ceará e Distrito Federal. Entre os mais solicitados estão emissão de carteira de identidade, carteira de motorista, licenciamento de veículos e carteira de trabalho.


17 comentários

  1. paulo
    terça-feira, 7 de maio de 2013 – 17:41 hs

    e o tal de choque, kkkkkkkkkkk.

  2. Vigilante do Portão
    terça-feira, 7 de maio de 2013 – 17:58 hs

    É uma Confissão da INCAPACIDADE do Estado em administrar seus serviços.

    Nem a emissão de Carteira de Identidade?

    Quanta INCOMPETÊNCIA.

  3. marilice azambuja
    terça-feira, 7 de maio de 2013 – 18:33 hs

    Interessante…a Prefeitura de Curitiba começou assim…no
    INSTITUTO CURITIBA INFORMÁTICA…criado e contratado
    por cássio, dinorah, haroldinho…

  4. Zangado
    terça-feira, 7 de maio de 2013 – 18:44 hs

    Se este Estado fosse sério uma vassora faria a limpeza dessa excrescência no ato !!!

    A desfaçatez escrachada – diante da anomia da sociedade – faz com que não se tenha o mais mínimo constrangimento em apresentar uma barbaridade dessas !!!

    Mas para que viabilizar os serviços públicos hoje precários à sociedade se pode-se terceirizá-los com lucros nebulosos à patota chegada aos donos do poder !!!

    É pena, pois com Ministério Público quiçá podemos contar efetivamente para proteger os interesses públicos indisponíveis e indelegáveis …

  5. sandro
    terça-feira, 7 de maio de 2013 – 19:24 hs

    Taniguchi aprendeu com o Lerner !!!

  6. sergio silvestre
    terça-feira, 7 de maio de 2013 – 20:40 hs

    Uma perguntinha que eu queria que o Taniguchi respondesse.
    Oestado vai pagar os caras e nós vamos continuar pagando as taxas?

  7. carlos.
    terça-feira, 7 de maio de 2013 – 23:57 hs

    Ainda dão ouvido para essa pessoa .Foi secretario do planejamento do Arruda em Brasilia roubo pra todo lado.Agora tá do lado do beto . o tudo Aqui no meu bolso.

  8. CLOVIS PENA -Muita insistência
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 7:20 hs

    Já chega o pedágio !

  9. Vigilante do Portão
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 8:18 hs

    Explicar o inexplicável.

    É o chamado: Projeto de Encomenda.

    Complicado de sustentar,

    “feito nas coxas”.

    Lembrando:

    Muitas das “tarefas” do novo sistema, estão ao abrigo do sigilo ou são atividades PRIVATIVAs de Agentes Públicos.

    Carteira de Identidade, por exemplo.

  10. BUGALU
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 9:11 hs

    PARA SER VIÁVEL AO ESTADO, ELE DEVE EXPLICAR EM QUANTO TEMPO ESTÁ ECONOMIA SERÁ GERADA? EM 25 ANOS? SE FOR ISSO É TROCO PERTO DO ORÇAMENTO DO ESTADO! (6 MILHÕES ANO)

  11. Pedro Rocha
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 10:17 hs

    Minhas dúvidas:
    (a) O serviço público estadual, será “terceirizado”, ou seja, a partir de agora, teremos alguém ganhando, e ganhando bem pra fazer isso.
    Seria mais ou menos como um cartório. Ou MELHOR, uma linha de PEDÁGIO. No pedágio, é fácil calcular quanto aqueles bacanas enfiam no bolso por hora, aqui no Pr. Verdadeira fortuna.
    Mas, e num simples cartório é mais difícil?. Você sabia que tem cartório aqui em Curitiba que fatura mais de R$ 2milhões por mês, limpinho?, numa atividade sem concorrência; onde não se paga imposto; não se compra matéria prima; o cliente bate à porta do primeiro minuto que abre, até o último minuto da tarde
    ; sem pessoal especializado; E QUE NEM EMPRESA ABERTA TEM).
    b) O que será feito do funcionalismo e de todo o aparato que hoje atende naquele colosso chamado EDIFÍCIO DELTA, na João Gualberto? – Serão dispensados? Ou serão “redistribuídos” entre gabinetes de deputados favoritos, e outros buracos do dulce far niente da máquina pública?.
    c) A hora que o bacana que comanda o tal TUDO AQUI, ( tô fora), achar que tá ganhando pouco, e resolve fazer uma greve, como vai ficar o coitado do empresário que precisa de um alvará, ou do infeliz que precisa renovar sua CNH?.
    Sei não! Onde esse CássioNíquel mete a mão, só sai coisa boa; PRA ELE!

  12. LENZA TOLEDO
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 10:21 hs

    Por que trazer de volta esse tal Taniguchi?

  13. Ponderando
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 12:25 hs

    Tercerizar o que não é função do Estado até tudo bem, mas aquilo que é pode carracterizar que nem precisaria do Estado. Também falta uma definição final seja do TCU – TCE – STN/SOF no sentido de fazer com que os serviços tercerizados pagos direta ou indiretamente pelo Estado passe a pesar no percentual de comprometimento de pessoal sobre a Receita Corrente Liquida (RCL), pois o custo da tercerização será maior que contratar funcionarios de carreira, mas os Legisladores/Tribunais não implementam o que já consta na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).
    Falta definir e aplicar regras, e punir que não as cumpre exemplarmente.

  14. CURITIBANO ROXO
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 12:31 hs

    Quero entender ???
    Com um CU$TO fabulosamente bilionário, que evidentemente terá reajustes anuais, para um período de 25 anos que poderá ser prorrogado por mais 25, pergunto :
    Estes serviços serão repassados de graça aos cidadãos ?!?!?!

  15. Governador Ney Braga
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 14:51 hs

    Que saudades do ca$$io da Codepar,agora tudo aqui é com o haroldinho e sua tr$upe.Que vergonha…!!!

  16. Curitibano
    quarta-feira, 8 de maio de 2013 – 21:47 hs

    Absurdo Total – Na mesma linha das privatizações paranaenses de rodovias, das lombadas eletrônicas, no cartão transporte, usando software proprietário, jogando fora anos de expertise público, ou dando de graça ou até pagando para a iniciativa privada – depois eles poderão vender as informações e implantar taxas no rítmo de atualização que quiserem …
    E a estrutura de funcionários concursados que executam estas funções vão trabalhar para as empresas??? serão extintos os cargos para se transformarem em novos cargos comissionados????
    Não pode ser bom de forma alguma, onde está o lucro para a sociedade. Um governo que sabe que todo ano deve reajustar os salários dos funcionários na data base. Que meses atrás convenceu a ALEP e Tribunal de Contas que tinha disponibilidade orçamentária para criar Cargos Comissionados nos 3 poderes, aumentando a folha em mais de 40 milhões. E agora em maio diz que não pode reajustar nem, 7% que a maioria dos municípios concedeu a seus funcionários, pois está no limite prudencial….. Simples, só fazer como os municípios fizeram no final de 2012, quando houve falta de repasse do FMP, demitir os comissionados para cumprir com os compromissos orçamentários da Data Base do funcionalismo estadual….

  17. Ponderando
    quinta-feira, 9 de maio de 2013 – 0:16 hs

    Respondendo o Sandro (Comentário de 07.05.2013 – 19:24);
    Não, ensinou.!?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*