Preso diz que Confepar sabia da fraude no leite | Fábio Campana

Preso diz que Confepar sabia da fraude no leite

De Juliana Gonçalves, Jornal de Londrina:

Um dos presos na segunda fase da operação Leite Compen$ado revelou que a Agroindustrial Cooperativa Central (Confepar), com sede em Londrina, tem participação direta no processo de adulteração do leite. A afirmação foi feita pelo transportador Antenor Pedro Signor, detido na operação deflagrada pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul que investiga um esquema criminoso de adulteração de leite in natura através da adição de água e ureia, contendo formol. Signor aceitou a oferta de delação premiada e deu detalhes de como funcionava a fraude.

Em depoimento, o transportador afirmou que desde janeiro a Confepar recusou apenas uma carga de leite adulterado. Segundo Signor, de cada 30 cargas mensais do produto, ele fraudava 20. Ele era responsável pelo envio de 600 mil litros de leite a cada 30 dias.

Saiba mais:
Leite fraudado era consumido no Paraná
Ministério Público investiga fraude do leite no Paraná

O transportador revelou que o contato com a Confepar era feito por intermédio de Daniel Villanova, responsável pelo posto de resfriamento de Selbach e preso na primeira fase da operação, que se propôs a pagar mais pelas rotas do que a concorrência. “[A Confepar] não só sabia como incentivava. Sabia que minhas cargas tinham problema e, através do Daniel, eles me recrutaram”, disse em entrevista ao jornal Zero Hora.

Em depoimento ao Ministério Público, Signor ressaltou que todo o leite no entreposto teria como destino a cooperativa londrinense. “A mistura de água e ureia era adicionada ao leite depois da coleta nas propriedades rurais e colocada em todos os tanques, sem separar leite de boa qualidade do adulterado. Quando havia fiscalização do Ministério da Agricultura era avisado para desviar a rota”, contou aos promotores.

A fórmula para adulterar o leite foi apresentada pelo próprio Villanova ao transportador. A receita consistia em adicionar 70 litros de água e 300 gramas de ureia ao leite.

Segundo o promotor Mauro Rockenbach, a delação premiada foi proposta pela “qualidade da informação” repassada ao MP. “Nosso principal objetivo neste momento é estancar a atuação predatória e criminosa da Confepar no Rio Grande do Sul”, afirmou em nota.

Outro lado

Cooperativa com sede em Londrina nega acusações

O presidente Confepar, Renato Beleze, afirmou que as denúncias de Antenor Pedro Signor são uma estratégia da quadrilha responsável pela adulteração do leite. “Estão querendo jogar a culpa nas empresas, mas nem nós, nem as outras que apareceram nas investigações temos culpa.”

Beleze negou qualquer participação da cooperativa no esquema. Segundo ele, a Confepar está há mais de 30 anos no mercado sempre trabalhando com lisura. “Hoje decidimos que vamos entrar com pedido para que o promotor gaúcho ouça a gente também. Ele só está dizendo que temos que se explicar, mas quem vai provar isso é o Ministério da Agricultura, fazendo as análises. Foram presos quatro carreteiros [transportadores], um era nosso. Não pegaram nenhuma análise da Confepar mostrando leite fraudado.”

De acordo com Beleze, o Ministério da Agricultura realiza análises diárias nos produtos envasados pela cooperativa. “Estamos totalmente abertos. Fazemos a rastreabilidade de todo nosso leite e estamos esperando que sejamos incluídos para o promotor nos ouvir.”

Ontem, o promotor Paulo Tavares instaurou um processo administrativo para investigar a cooperativa. A primeira medida foi solicitar o recolhimento das marcas Polly e Cativa do varejo para testar a qualidade do produto.


4 comentários

  1. gnr15
    sexta-feira, 24 de maio de 2013 – 8:55 hs

    Estas pessoas deveriam ir para prisão perpétua, já que não temos pena de morte no Brasil, lucrar envenenando um alimento que é consumido na sua maioria por crianças, pessoas que visavam lucro sabendo que suas atitudes podem ter aumentado o risco de câncer em crianças, enganando pais que achavam que alimentavam seus filhos com produtos de qualidade e na verdade era água com formol. Para mim são tão bandidos quanto traficantes e assassinos.

  2. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 24 de maio de 2013 – 10:34 hs

    Somos, generalizadamente, ácidos críticos em relação às tramóias, trapaças, safadagens, incompetências e sobretudo, à corrupção que permeia todas as áreas constituintes do Poder, dos três.
    No entanto, há que se considerar que nós, povo, não merecemos os adjetivos que recebemos dos candidatos que, do alto dos palanques, nos chamam de “essa gente honesta, trabalhadora, responsável, etéque, etéque”. Pelo contrário, nos nivelamos fraudando criminosamente e covardemente o leite das crianças, subornando o guarda de trânsito, falseando a declaração do IR, lançando nas lavouras quantias de veneno a mais que o recomendado, infringindo todas as leis de trânsito, ignorando a vida escolar dos nossos filhos, elegendo candidatos a troco de emprego, litros de gasolina, por ai. (Vixi, que vergonha de mim mesmo!).

  3. rosevaldo
    segunda-feira, 27 de maio de 2013 – 21:33 hs

    venho através deste não em ato de defesa mas sim em forma de como consumidor e conhecedor de produtos da cooperativa ,querer saber se os transportadores apreendidos na ocorrência são da cooperativa e se os caminhões estão registrados dentre os da frotas coletoras do leite , pois segundo minha opinião alegar algo é fácil resta realmente a comprovação de que ha realmente algo ilícito ,não acredito que realmente isto de fato é verídico.

  4. rosevaldo
    segunda-feira, 27 de maio de 2013 – 21:59 hs

    vou contar uma história a quem interessar ,vcs possuem um vizinho trabalhador ,pai de família ,marido honesto com sua esposa ,sem algo que degrina sua imagem de homem senssato,,NO ENTANTO,num dia qualquer alguém alega que o mesmo do qual estamos falando violentou fisicamente pessoa vuneravel de defesa, agregue a quem quiser .MINHA PERGUNTA É : você deixaria uma pessoa sendo próxima de você, próxima desta pessoa mesmo que comprovado que seu vizinho é totalmente inocente ,que o mesmo não fez nada do que foi acusado ou você já o julga por ter houvido que realizou algo, irá acusá-lo intimamente e isolando-o de seu convívio .poi então é por isso que para denegrir a imagem de alguém basta apenas acusar porque mesmo que ela prove que é inocente todos a continuarão julgando mesmo que inocente .PENSEM BEM FÁCIL ACUSAR ,DIFÍCIL É PROVAR,MAIS DIFÍCIL AINDA É TER DE VOLTA O RESPEITO NOVAMENTE.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*