Governo reconhece derrota em MPs | Fábio Campana

Governo reconhece derrota em MPs

Da Reuters:

O governo reconheceu nesta terça-feira (28) a derrota sofrida com a decisão do Senado de não votar duas medidas provisórias que estabelecem a redução da tarifa de energia elétrica (MP 605) e a ampliação da desoneração da folha de pagamento para vários setores da economia (MP 601).

As duas MPs, aprovadas nesta terça-feira pela Câmara, vencem na próxima segunda-feira (3). Mas o presidente do Senado, Renan Calheiros, decidiu não iniciar a apreciação das medidas na Casa, para cumprir uma decisão da Mesa Diretora da Casa de não votar matérias que cheguem ao Senado com menos de sete dias de validade.

De acordo com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, a redução da tarifa de energia elétrica não corre risco e o governo irá se esforçar para que volte a valer a desoneração da folha de pagamento dos setores beneficiados pela MP 601 o mais rápido possível.

“O governo lamenta muito a não colocação em votação de duas medidas provisórias importantes para a população brasileira, mas também quer deixar claro que não corre risco a redução da tarifa de energia. A população não precisa se preocupar”, disse a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, em breve pronunciamento a imprensa na noite desta terça-feira.

A ministra reconheceu a derrota mesmo antes dos líderes governistas tentarem, com a apresentação de uma questão de ordem, votar as medidas no Senado nesta terça-feira.

“O governo tem os mecanismos para garantir essa redução da tarifa até encontrar a solução legislativa adequada, assim como também faremos um esforço grande para que as desonerações tributárias previstas na MP 601 possam ter efeito na sequência.”


Um comentário

  1. Mr.Scrooge
    quarta-feira, 29 de maio de 2013 – 10:55 hs

    É mesmo um espanto, mas o presidente do Senado teve peito e enfrentou o rolo compressor do Executivo. Vamos ver se a macheza do Renan dura mais algum tempo.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*