Encontramos a ponta do iceberg, diz MP sobre prisão de Marcos Colli | Fábio Campana

Encontramos a ponta do iceberg, diz MP sobre prisão de Marcos Colli

Marcos Colli, Londrina, PV, Ministério Público, pedofilia

De Guilherme Batista, Bonde:

A promotora da 6.ª Vara Criminal de Londrina, Suzana de Lacerda, concedeu nova entrevista coletiva na noite desta terça-feira (21) para falar sobre a prisão do advogado Marcos Colli. Acusado de estupro de vulnerável, ele foi detido no início da noite de segunda (20) após a Justiça acatar pedido do Ministério Público (MP).

O Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpriu a prisão de Colli e mandados de busca e apreensão em diversos locais. Foram apreendidos computadores, brinquedos e roupas infantis. “O que eu posso falar é que encontramos a ponta do iceberg”, disse a promotora nesta noite sem revelar detalhes. O caso está sob segredo de Justiça por envolver vítimas menores de idade.

Saiba mais:
Presidente do PV em Londrina é preso suspeito de pedofilia e abuso

Suzana contou que pediu uma parcial da perícia que está sendo realizada nos computadores apreendidos. “O auto de constatação ratifica todos os indícios e provas até agora apurados”, destacou. Pela manhã, a promotora informou que Marcos Colli teria abusado de três crianças. O número de vítimas, no entanto, pode ser maior. “É uma constatação.”

Apesar de dar a entender que o caso é amplo, a promotora descartou a participação de Colli em uma rede de pedofilia. Também está descartado o envolvimento de outros servidores da Câmara Municipal de Londrina no crime. Até ser preso, o advogado era cargo comissionado da Mesa Executiva do Legislativo. Ele foi exonerado nesta terça-feira.

Marcos Colli também era presidente do Partido Verde (PV) em Londrina. Ele foi afastado do cargo e substituído pelo vereador Mario Neto Takahashi.

Transferência

Colli pode ser transferido a qualquer momento para uma cela especial no quartel do Corpo de Bombeiros ou no 5.º Batalhão da Polícia Militar. Ele permanece detido na unidade dois da Penitenciária Estadual de Londrina (PEL 2).

O advogado dele, Maurício Carneiro, entrou com um pedido de transferência alegando que o político é advogado e tem o direito de ficar em um espaço diferenciado.

(colaboraram Edson Ferreira e Lúcio Flávio Moura, da Folha de Londrina)


2 comentários

  1. carlos rocha
    quarta-feira, 22 de maio de 2013 – 10:30 hs

    Se o caso tá sob seguedo de justiça, porque os nobres promotores de justiça dão entrevista sobre o caso?

  2. Anônimo
    quinta-feira, 23 de maio de 2013 – 9:45 hs

    O Direito Penal é mais amplo que meras especulações jornalísticas. Além do mais, estão tendenciosamente condenando uma pessoa e repassando informações sem provas contundentes de crime. A relação jurídica é composta, neste caso, por seres humanos. DE AMBOS OS LADOS. Se o nosso ordenamento jurídico prevê vários mecanismos, leia-se, normas para beneficiar o réu, não é a toa. E quando se envolve política e direitos humanos devemos ser MUITO cautelosos nos nossos julgamentos superficiais. Não nos esquecemos de que, indiretamente, há uma politicagem tremenda por de trás de tudo que ocorre na sociedade. Jogo de interesses, às vezes, prevalece.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*