Cobradora de Curitiba que ofendeu passageiros foi afastada, diz URBS | Fábio Campana

Cobradora de Curitiba que ofendeu passageiros foi afastada, diz URBS

A cobradora que desancou passageiros na linha Fazendinha foi afastada do posto por decisão da empresa responsável pela linha em que ela trabalha, informou a URBS. “Com relação ao infeliz episódio com a cobradora, informamos que a URBS, assim que tomou conhecimento do fato, acionou a empresa responsável pela operação da linha, que imediatamente afastou a funcionária. Outras providências serão avaliadas na sequência”, disse a assessoria de imprensa da Prefeitura de Curitiba por meio de nota.

Saiba mais:
Cobradora de ônibus xinga passageiros em Curitiba. Veja o absurdo


10 comentários

  1. Lourdes
    quinta-feira, 9 de maio de 2013 – 19:55 hs

    O problema é que estes cobradores e motoristas ganham muito pouco e sempre estão estressados. Qualquer ser humano que ganha pouco mais de 1 salário mínimo fica com os nervos a flor da pele e ainda mais aguentando gente o dia todo reclamando.
    A moça errou, mas entendo perfeitamente.

  2. Joaquim Patricio
    quinta-feira, 9 de maio de 2013 – 22:55 hs

    Se fosse funcionária pública, primeiro mandariam-na pra casa, sem mexer nos seus proventos, lógico; depois abririam um inquérito; depois levariam o caso para o Conselho sei lá de quê; depois para a Comissão de Ajeitamento e Outros Quebra Galhos; depois pra Ouvidoria do Povo etc etc etc ; enquanto isso o tempo vai passando….
    Decorridos uns cinco anos ou mais, com a moçoila engordando em casa, enfastiada de nada fazer por tanto tempo, chamam-na, pedem-lhe desculpas, orientam-na que pode entrar com uma ação por danos morais e outras lorotas contra a Prefeitura, que vai lhe render uma polpuda soma, etc etc etc, mas de qualquer forma, se mesmo assim, quiser voltar a trabalhar, sua vaga está garantida,,,

  3. Joaquim Patricio
    quinta-feira, 9 de maio de 2013 – 22:59 hs

    Tem mais: se funcionária pública fôsse, mandaria parar o ônibus, e daria voz de prisão praquele povo todo, atendendo prerrogativas da lei safada, sempre estampada em letras garrafais em toda e qualquer repartição pública, ameaçando de prisão, quem ousar contratariar suas excelências….

  4. Analista de Bagé
    sexta-feira, 10 de maio de 2013 – 6:54 hs

    Lourdes, os passageiros, com base na sua “brilhante” defesa, tem o direito de descascar nos trabalhadores do transporte coletivo, então?

    UM BASTA À INTOLERÂNCIA… chamar os outros de pobre e xingar não tem desculpa, mas tem explicação: falta de educação… Isto se traz de casa, para qualquer profissão!

  5. sergio silvestre
    sexta-feira, 10 de maio de 2013 – 7:43 hs

    Tem muito usuario que folga naquele que está trabalhando.Tem gente que da vontade até de dar uns pescoção.
    Quem vive o dia a dia dentro destas latas de sardinha,com gente de toda especie no seu modo de agir,é duro aguentar.
    Eu tambem não levaria desaforo de usuario nenhum se estivesse no seu lugar.
    Agora eu acho temerario deixar a trabalhadora no coletivo,depois que a imprensa que gosta de se aproveitar do pobre para encher linguiça nos seus noticiarios.

  6. Francisco
    sexta-feira, 10 de maio de 2013 – 9:09 hs

    O tranporte coletivo só existe porque tem passageiro.
    Só falta as Empresas de Onibus, Prefeitura, Urbs, Governo do Estado e Funcionários entenderem isso.
    Os usuários deveriam ser mais bem tratados não só com palavras mas com onibus melhores, menos cheios, mais segurança, mais higiene, terminais decentes, menos velocidade, direção defensiva e etc…

  7. Vitor
    sexta-feira, 10 de maio de 2013 – 14:09 hs

    Houve excesso da cobradora? Sim, porém temos que levar em consideração que a gravação é apenas da parte que ela discute e ofende, quem garante que não foi ofendida, e além disso, ganha mal e passa horas atendendo centenas de pessoas, com as mais variadas atitudes, qualquer ser humano tem um limite. Antes de afasta-la ou demiti-la, devia a Urbs, checar o fato na íntegra e remaneja-la se for o caso.

  8. Para Lurdes
    sexta-feira, 10 de maio de 2013 – 14:24 hs

    Ganham pouco? Fazem protesto de 2 em 2 meses, e sempre conseguem reajuste salarial. Ganham mais do que professores da rede pública que fazem 40 horas aulas semanais.
    E olha que para ser professor precisa de curso superior

  9. Anônimo
    sexta-feira, 10 de maio de 2013 – 15:48 hs

    Para a Lourdes. se alguem acha que ganha pouco no emprego que tem,não tem que destratar ninguem,simplesmente peça demissão e vá procurar outro emprego. vc deve ser da mesma índole dessa cobradora,que gosta de descontar suas frustrações em cima dos outros

  10. Jéssica
    quinta-feira, 6 de junho de 2013 – 20:55 hs

    Ela tá certa

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*