Urbs reduzirá número de gerentes | Fábio Campana

Urbs reduzirá número
de gerentes

Órgão terá corte de 20% no número de gerentes e mudanças em três diretorias. Ajustes serão detalhados semana que vem.

Da Fernanda Trisotto, Gazeta do Povo:

O estudo para reestruturação da Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), anunciado pela prefeitura no começo deste ano, foi concluído e será apresentado em uma assembleia geral na próxima sexta-feira com a presença do prefeito Gustavo Fruet (PDT). O presidente da Urbs, Roberto Gregório da Silva Junior, revela que a proposta prevê a redução de 20% dos cargos gerenciais da empresa, o corte de uma diretoria e a reestruturação completa de outras duas.

A intenção é que as mudanças otimizem o trabalho do órgão. Os detalhes das medidas, porém, só serão divulgados semana que vem. “A reestruturação serve para dar uma visão mais orientada para as atividades fins da Urbs”, explica Gregório. A Urbs, que já foi responsável pela fiscalização de trânsito e os radares de Curitiba, atualmente é a operadora do sistema integrado de transporte coletivo e dos táxis, além de ser a administradora da Rodoferroviária e dos estacionamentos subterrâneos, como o da Praça Rui Barbosa. As outras funções foram transferidas para a Secretaria Municipal de Trânsito (Setran).

Transporte coletivo

Entre as atribuições da Urbs, a gestão da Rede In­­te­­gra­­­da de Transporte (RIT) é a que tem atraído mais atenção, principalmente devido ao impasse envolvendo o término do subsídio do governo do estado – o que deve comprometer a viabilidade financeira do sistema. Até o dia 7 de maio, o órgão poderá operar as linhas metropolitanas, por causa do convênio com o governo estadual.

“Necessitamos de uma sinalização do governo do estado no tocante à manutenção do convênio”, diz Gregório. A orientação da prefeitura de Curitiba é trabalhar para garantir a manutenção da integração e tarifa única de ônibus.

Para ajudar na questão, a Comissão de Assuntos Me­­tropolitanos, da Assembleia Legislativa do Paraná, convocou uma reunião em que será discutida a integração como condição de cidadania e outros temas relativos ao transporte coletivo. Participarão do encontro a Urbs, Comec, Secretaria Estadual de De­­sen­­volvimento Urbano e representantes de outros órgãos do governo e prefeitura, além de empresários, trabalhadores e usuários do sistema.

Tarifa

Sindicatos apontam problemas no sistema de transporte coletivo

A última reunião da Comissão de Análise da Tarifa do Transporte Coletivo, que ocorreu ontem, foi marcada pelos apontamentos dos sindicatos de empresários e trabalhadores em relação ao sistema atual. Enquanto o Sindimoc, que representa os motoristas e cobradores, questionou, sobretudo, as condições de trabalho dos empregados, o Setransp apresentou estudos que comprovariam o déficit das empresas.

De acordo com o advogado Sacha Reck, o Setransp questiona judicialmente alguns dos critérios estabelecidos em edital e que estariam prejudicando as empresas, principalmente a questão do reajuste do diesel e renovação e conservação da frota. Despesas excedentes estariam onerando as empresas, que sofreriam uma rentabilidade negativa na ordem de – 0,61% , o que representaria um prejuízo de R$ 261 milhões até o final da concessão.

Para Roberto Gregório da Silva Júnior, presidente da Urbs, a comissão tem cumprido o papel de avaliar se as diretrizes de contrato, do edital e da legislação em vigor estão sendo praticadas. Ele ainda destaca que os questionamentos apresentados pelas empresas podem ser o caminho para uma nova discussão e um possível acordo entre a Urbs e a Setransp.


9 comentários

  1. Mr.Scrooge
    sexta-feira, 12 de abril de 2013 – 13:56 hs

    A crescente perda de importância da Urbs requer isto mesmo, diminuição de cargos e redução de gastos. Para quê manter tanta gente fazendo menos? O caminho é este mesmo Guga, a estatal municipal ainda tem muitos e muitas cuecas de seda no seu quadro.

  2. caruncho
    sexta-feira, 12 de abril de 2013 – 16:10 hs

    essa urbs sempre foi um cabidão de empregos,o prefeito bem que poderia extingui-la e ninguem notaria a sua falta.

  3. Até que enfim
    sexta-feira, 12 de abril de 2013 – 19:11 hs

    Já não era sem tempo de fazer as mudanças na Urbs mas vamos ver se acontecerão mesmo ou se vai ser só prá “pts ver”.

  4. ????
    sexta-feira, 12 de abril de 2013 – 23:00 hs

    E a caixa preta? não vão menosprezar a inteligência do Curitibano com a manutenção dos Diretores da Era Lerner-Ducci na condição de gerentes? ou com a mera transformação da direção jurídica em procuradoria jurídica?
    Já se passarão 100 dias da gestão, será que o Prefeito vai cair nessa ladainha, vai comer com farinha, vai continuar acreditando no Diretor que nomeou e que se aliou aos diretores das gestões anteriores (afinal os manteve no cargo até agora e, pior, chega a deixar que participem de reuniões da comissão referida na reportagem? quando ocorrerão as mudanças esperadas pelos eleitores?
    Por fim, a própria reportagem é uma prova da continuidade da caixa preta, isto é, por que não há transparência nas mudanças? Por que tanto suspense?

  5. ????
    sexta-feira, 12 de abril de 2013 – 23:30 hs

    em tempo, como tem coragem de questionar itens do edital que não impugnaram na época da licitação? Por que então não entregam a concessão? por que o Edital, agora questionado, dificultou a participação de empresas que ainda não operavam em Curitiba? ora a inteligência do Curitibano não pode ser menosprezada!

  6. Stool pigeon
    sábado, 13 de abril de 2013 – 9:17 hs

    Realmente é um cabidão dos apadrinhados de vereadores. Há muitas pessoas que caem do céu sem o mínimo conhecimento e são agraciadas com cargos de chefia, liderança, gerencias. Digo mais, é necessário uma grande investigação principalmente na evolução patrimonial de alguns pelegos. Sugiro o GAECO, MP, CREA, PF e outros, pois o negócio é muito sujo, e se continuar sendo, o povo sempre pagará a conta.

  7. ????
    sábado, 13 de abril de 2013 – 10:57 hs

    E a caixa preta? não vão menosprezar a inteligência do Curitibano com a manutenção dos Diretores das gestões anteriores na condição de gerentes? ou com a mera transformação da direção jurídica em procuradoria jurídica?
    Já se passaram 100 dias da gestão, será que o Prefeito vai cair nessa ladainha, vai comer com farinha, vai continuar acreditando no Diretor que nomeou e que se aliou aos diretores das gestões anteriores (afinal os manteve no cargo até agora e, pior, chega a deixar que participem de reuniões da comissão referida na reportagem)? quando ocorrerão as mudanças esperadas pelos eleitores?
    Por fim, a própria reportagem é uma prova da continuidade da caixa preta, isto é, por que não há transparência nas mudanças? Por que tanto suspense?

  8. Stool pigeon
    sábado, 13 de abril de 2013 – 15:00 hs

    O fato é que a URBS é “mandada” por três medalhões que se enraizaram a muitos anos, e com isso, o transporte não evoluiu nada, apenas remendos e tentativas frustadas de inovação. É necessário uma grande reestruturação geral, e não apenas pontual. Há muitos funcionários competentes que são menosprezados e que ainda podem fazer a diferença. Como foi dito, só uma limpeza geral pode mudar a visão da empresa e elevar a um nível de qualidade técnica eficiente, retomando o transporte como modelo ao demais.

  9. carlos.
    sábado, 13 de abril de 2013 – 16:47 hs

    Tem que acabar com A URBS não serve pra nada.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*