Irreversível a agonia do chavismo | Fábio Campana

Irreversível a agonia do chavismo

Blog de Augusto Nunes

O candidato Nicolás Maduro resolveu transformar o chefe em múmia tarde demais: o processo de decomposição já começara. O motorista de ônibus que virou piloto de país vai descobrir em pouco tempo que também a tentativa de mumificação do regime tropeçou no péssimo estado de conservação do cadáver.

O resultado da eleição deste domingo avisa que o chavismo poderá até continuar vagando no poder mais algum tempo. Mas a revolução bolivariana, como constatou nosso Reynaldo – BH no post publicado na seção Feira Livre, já apodrece numa urna de vidro.

Hugo Chávez vivia anunciando a chegada iminente do socialismo do século 21. Foi por ter recorrido a métodos do século 19 que o sucessor trapalhão ganhou a eleição. A oposição só perdeu para a fraude, para a coação ostensiva e para a boca-de-urna criminosa.

Ainda que a apuração traduzisse a verdade, os 49,07 % do total de votos atribuídos a Henrique Capriles bastariam para informar que Maduro precipitou a agonia da ditadura envergonhada instituída a partir de 1999. Raríssimas vezes os vencedores oficiais de uma eleição tiveram de engolir, com sorrisos de aeromoça, tantas e tão contundentes derrotas.

A avassaladora máquina de propaganda, a transformação do leviatã estatal num onipresente e onipotente pai-patrão, a ampliação obscena da fábrica federal de insultos e calúnias, a compra de gratidão com dinheiro do petróleo ─ nada disso impediu que metade do eleitorado dissesse não ao enviado do espírito santo que no momento se disfarça de passarinho. Não é pouca coisa. E não é tudo.

Os estragos provocados pela votação do candidato oposicionista vão muito além da implosão da arrogância dos sacerdotes da seita.


8 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    terça-feira, 16 de abril de 2013 – 15:18 hs

    Enquanto isso, nossos sabujos oficiais declaram admiração e tecem loas ao processo eleitoral bananeiro da Venezuela, mais interessados nos negócios com os vizinhos do que com o povo da infeliz nação cucaracha. Nos braços de belzebu, Chávez continua dançando disco inferno: burn, baby, burn.

  2. Mr.Scrooge
    terça-feira, 16 de abril de 2013 – 15:21 hs

    Os nossos vizinhos do Norte apostaram no continuísmo, escolheram o mau e vão ter o pior ainda. A crise econômica que está arrasando a Europa, e até já contamina a toda poderosa China, quando bater porque aqui, economias baseadas em commodities vão as mais penalizadas. Será que nós vamos sofrer também? 2014 está quase aí.

  3. Louis Ferdinando
    terça-feira, 16 de abril de 2013 – 15:58 hs

    Hahahahah a mídia estrebucha. Não conseguiram derrubar o poste do Chavez. Mesmo com toda a campanha difamatória contra ele, ele venceu. E agora a mídia se finge de vencedora. Ridículo, ridículo, ridículo.

  4. Helena
    terça-feira, 16 de abril de 2013 – 17:16 hs

    É o melhor recado que a ptezada poderia receber…

  5. Previsão
    terça-feira, 16 de abril de 2013 – 18:24 hs

    isso é o que veremos…a direita ainda não entendeu o que é democracia.Esse comentarista é apenas um papagaio.

  6. sergio silvestre
    terça-feira, 16 de abril de 2013 – 20:41 hs

    É isso mesmo lero lero,acabou o chavismo agora é o madurismo.
    Cada profeta meu.

  7. salete cesconeto de arruda
    terça-feira, 16 de abril de 2013 – 20:50 hs

    Fraude?
    Leviatã?
    Esse cara é jornalista como manda o CÓDIGO de ética da profissão?
    VIVA A BLOGOSFERA onde jornalista não chama PATRÃO de coleguinha, como diz o Paulo do CONVERSA AFIADA!

  8. Parreiras Rodrigues
    terça-feira, 16 de abril de 2013 – 21:03 hs

    O totalitarismo leninista, que tem no Forum de São Paulo, o seu centro de irradiação, agoniza lá e cá. Agoniza em Cuba. Respira por aparelhos em países submetidos à ditadura como o Irã e a Coréia do Norte. Aqui, no Brasil, vinha se sustentando no arreganhamento do crédito e no incentivo irresponsável do consumo, além é claro, de se escorar nas bolsas, aquelas amaldiçoadas por Lula quando candidato. O esgotamento do primeiro já inviabiliza o segundo. A inflação se encarregará do resto. O petê quer se sustentar no poder a qualquer custo, a qualquer preço o que o impede de tomar as medidas impopulares, aquelas corajosamente desenvolvidas por Margareth Tatcher. Ano luz a distância entre a Dama de Ferro e o Poste de Isopor. A primeira disse que o socialismo acaba quando acaba o dinheiro dos outros e a segunda celebrizou-se dizendo que em campanha faz o diabo.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*