Inflação derruba venda dos supermercados; a 1ª queda em 4 anos | Fábio Campana

Inflação derruba venda dos supermercados;
a 1ª queda em 4 anos

De Pedro Soares, Folha de S.Paulo:

Os preços mais elevados dos alimentos já colocaram um freio ao consumo e rebateram negativamente nas vendas dos supermercados.

Na comparação com fevereiro de 2012, a atividade de supermercados e demais lojas de alimentos e bebidas caiu 2,9%. Foi a primeira retração desde março de 2009 (-0,2%) e a mais intensa desde novembro de 2003 (-2,2%).

O recuo ocorre num momento de pico dos preços de alimentos, o que pode sinalizar uma redução do consumo, segundo o IBGE.

“Devido à subida de preços, nós acreditamos que há uma freada da demanda das famílias por alimentos”, disse Aleciana Gusmão, técnica do IBGE.

Outro fator, diz, foi a elevada base de comparação em fevereiro de 2012, quando vendas tinham subido 13,3%. O aumentos dos combustíveis também encareceram os fretes e inibiram as vendas, segundo Gusmão.

Em relação a janeiro, o setor de supermercados e lojas afins registrou queda de 1%, a maior desde agosto de 2012.

Segundo dados do IPCA, os preços dos alimentos subiram 4,84% no primeiro trimestre deste ano. Em fevereiro, o aumento havia sido de 1,46% e a alta, ainda que um pouco menor, persistiu em março (1,4%).

Os reajustes decorrem do clima desfavorável, de quebras de safra e do consumo ainda forte, que permite um nível maior de repasses de custos –como os fretes mais caros.

Para tentar conter o avanço dos preços, o governo desonerou itens da cesta básica em março, mas o efeito não se traduziu numa clara redução dos preços ainda.


6 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 11 de abril de 2013 – 11:43 hs

    O estoque de coelhos da cartola da dupla madama Dilma e seu assistente Mantega Derretido vai se acabando. Desonerações fiscais, favores setoriais, juros baixos para acelerar o consumo, etc. O que se conseguiu até agora prova que as mágicas não funcionam e o Brasil não está imune aos males extraterritoriais. A classe média embarcou no endividamento boçal, rolando dívidas em cima de dívidas. Alguns setores de crédito automático, com os cartões de crédito, não reduziram praticamente nada seus juros, praticando taxas estuprantes. O investimento ficou restrito a setores endinheirados e privilegiados com as bençãos do BNDES, que só empresta para quem não precisa. Os sucessivos aumentos salariais desconectados da produtividade criou inflação. A pressão dos custos da indústria, mesmo com a queda de braço com os varejistas, acabou criando inflação. O aumento artificial do consumo criou demandas, sem contrapartida do aumento da oferta, criando inflação. O investimento em infraestrutura foi muito aquém do necessário. E por aí vai. Quem ganhou até agora foram as automotivas, com favores e benesses corporativas em conluio com a estrutura sindical peleguista; e ganhou o fisco, que arrecada cada vez mais, mesmo com a diminuição do ritmo da economia. Criar desenvolvimento em cima do consumo artificialmente turbinado, já ficou provado que levará à inflação e à ruína do que foi construído até aqui.

  2. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 11 de abril de 2013 – 11:50 hs

    Mailson da Nóbrega cobra, do Congresso, atitudes em relação à safadagem governista – uma verdadeira bomba de retardo, que é a expansão da dívida federal para suprir de recursos os próprios bancos, o do Brasil, a Caixa, o BNDES.
    Faz mágicas para mascarar o cumprimento de metas fiscais.
    Tudo indica que o petê continua no governo. Mas, a continuar essas pilantragens e essa ignorância na condução dos destinos da Nação, há que se temer por um futuro nada auspicioso.
    O Ibope fala que o brasileiro é o cidadão mais otimista do mundo, mas ninguém está atentando para vigorosos sinais de alerta.
    Eu, hein?

  3. Francisco
    quinta-feira, 11 de abril de 2013 – 16:08 hs

    Que bom que derrubaram as vendas porque teve aumentos abusivos e sem explicação em muitos produtos.
    O povo precisa participar e fazer a sua parte porque senão a vaca vai para o brejo e os aumentos vem em cascata

  4. Mr.Scrooge
    quinta-feira, 11 de abril de 2013 – 21:15 hs

    É isto aí, a inflação do tomate espantou os consumidores. Mas se acalme gente, esta coisa de estourar o teto da meta de inflação não dura muito não. Para melhorar o humor da choldra a nossa governanta tratou de prorrogar a isenção dos IPIs dos possantes, para a felicidade e o gáudio das montadoras. E também o da linha branca, aí ficam fácil trocar o possante e o micro-ondas. Mas ainda falta muito até 2014.

  5. Silvajr
    quinta-feira, 11 de abril de 2013 – 21:31 hs

    Tomate trai, baixa o preço e oposição vai pro vinagre

  6. Deutsch
    sexta-feira, 12 de abril de 2013 – 23:27 hs

    Pelo jeito o silva jr tá “sentado” nos tomates.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*