Papa tem ligações antigas com o Brasil | Fábio Campana

Papa tem ligações antigas com o Brasil

Da Folha de S.Paulo:

A amizade com o arcebispo emérito de São Paulo, d. Cláudio Hummes, e a sua atuação marcante na Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, em 2007, são os dois grandes vínculos do papa Francisco com o Brasil, segundo três cardeais ouvidos pela Folha.

A amizade com d. Cláudio ficou bastante evidente anteontem à noite, quando o papa Francisco o convidou a permanecer ao seu lado durante o primeiro pronunciamento do balcão da basílica de São Pedro. Foi o cardeal mais próximo do pontífice durante a cerimônia.

“Vimos que o convite a d. Cláudio Hummes foi pessoal do papa”, disse d. João Braz de Aviz. “Ele convidou d. Cláudio a estar do lado dele. Isso pra nós foi de uma beleza muito grande. É um sinalzinho bonito pra nós [brasileiros], pra gente se ajudar e se querer bem.”

“São amigos, ligados, próximos, já participaram do outro conclave também [em 2005]”, afirmou d. Odilo Scherer, que sucedeu d. Cláudio como arcebispo de São Paulo.
D. Cláudio Hummes não foi localizado ontem pela Folha.

D. Odilo recordou ainda que d. Cláudio é franciscano, ordem fundada por são Francisco de Assis (1182-1226), a quem o papa homenageou com a escolha do nome.

Já o presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), Raymundo Damasceno Assis, lembrou que Francisco esteve algumas vezes no Brasil para reuniões do Celam (Conselho Episcopal Latino-Americano).

“O papa Francisco sempre pautou a sua vida por uma certa discrição. Muito dedicado e voltado às suas responsabilidades como pastor da arquidiocese de Buenos Aires. Não era um homem de muita viagem”, afirma.

A viagem mais importante de Francisco ao Brasil ocorreu em maio de 2007, quando ele esteve por 20 dias em Aparecida (SP) e presidiu a comissão responsável pelo documento final da 5ª Conferência Geral do Episcopado Brasileiro, evento do qual Bento 16 participou.

“O documento fala dos desafios que conhecemos: mundo pluricultural, plurirreligioso e marcado, na América Latina, por uma indiferença social muito grande”, disse d. Damasceno. “Fala também dos grandes desafios da comunicação, de como anunciar o Evangelho.”

Mas quem conhece o novo papa há mais tempo é o padre jesuíta João Roque Rohr, administrador em Roma do colégio Pio Brasileiro, onde moram estudantes religiosos brasileiros. Ele o conheceu pessoalmente em 1971, em Buenos Aires, e o reviu novamente em 1980, durante encontros da congregação.

Rohr conta que, em 1980, ele já era muito conhecido devido à sua carreira exemplar e liderança entre os jesuítas argentinos. Na época, o então padre Jorge Bergoglio costumava viajar ao Rio Grande do Sul para visitar parentes.


3 comentários

  1. Viezzer
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 9:27 hs

    Pelo menos os últimos papas da ICAR tem sido pessoas honradas…Ao contrário de alguns membros da atual cúria e de papas do passado…

  2. walter
    sexta-feira, 15 de março de 2013 – 13:47 hs

    TEM SIM, COM A DITADURA MILITAR

  3. Luciano
    sábado, 16 de março de 2013 – 13:41 hs

    Vendo as atitudes do Papa Francisco começo a entender o porque dele ser o escolhido a humildade dele fará muito bem para a igreja católica.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*